INTERFERÊNCIA DO ESTADO DE HUMOR NA MELHORA DOS COMPONENTES DA CAPACIDADE FUNCIONAL EM IDOSOS.

Raissa de Campos Oliveira, Silvia Deutsch, Marcelo Garuffi, Sebastião Gobbi

Resumo


Estados de humor são sentimentos autorreguladores que, quando positivos, podem contribuir para um envelhecimento saudável, manter ou melhorar os níveis funcionais. Tal melhora pode ser notada em indivíduos que praticam atividade física sistematizada, como a dança por exemplo. Para verificar se há influência dos estados de humor nos componentes funcionais e a interferência do exercício físico nesses aspectos, o presente estudo foi realizado com 30 idosos, distribuídos igualmente em dois grupos (grupo treinamento e grupo controle). O Grupo de Treinamento participou de um protocolo de dança com duração de 1 hora, três vezes por semana, durante 12 semanas e o Grupo Controle não frequentou qualquer programa de atividade física. Todos os participantes foram avaliados pela Lista de Estados de Ânimo Reduzida e Ilustrada e pela bateria de testes da AAHPERD. Para os estados de humor foi utilizado o Teste binomial com nível de significância de 5% e uma análise comparativa pré e pós. Para os componentes da capacidade funcional foi utilizada a análise de variância para medidas repetidas ANOVA two way adotando-se mesmo nível de significância. Não foram detectadas mudanças estatisticamente significativas para os estados de humor, embora os componentes funcionais tenham apresentado  melhoras na coordenação, agilidade e força com a prática  de dança. Os idosos que apresentaram melhores níveis funcionais tiveram os estados de humor positivos intensificados e os negativos mantidos ou reduzidos. Idosos adeptos ao exercício físico com estados de humor mais positivos apresentaram os melhores níveis funcionais.

Palavras-chave


Estados de ânimo; Níveis funcionais; Dança; Envelhecimento.

Texto completo:

PDF

Referências


ACREE Luke et al. Physical activity is related to quality of life in older adults. Health and Quality of Life Outcomes. Bethesda,v.4, n.1, p.37, jun. 2006.

BENEDETTI Tânia R. Bertoldo et al. Atividade física e estado de saúde mental de idosos. Revista de Saúde Pública. Santa Catarina,v. 42, n.2, p. 302-307, fev. 2008.

CASTRO Juracy Corrêa et al. Níveis de qualidade de vida em idosas ativas praticantes de dança, musculação e meditação. Revista Brasileira de Geriatria Gerontologia. Rio de Janeiro, v.12, n.2, p.255-265, mai. 2009.

COELHO Flávia Gomes de Melo et al. Efeitos do treinamento de dança no nível de aptidão funcional de mulheres de 50 a 80 anos. Revista da Educação Física/UEM. Maringá, v.19, n.3, p.445-451, ago-nov. 2008.

DARIDO Suraya Cristina. Educação física na escola: implicações para a prática pedagógica. 1.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005.

EDWORTHY Judy et al. The effects of music tempo and loudness level on treadmill exercise. Ergonomics. London,v.49, n.15, p.597-610, dez. 2006.

FRANCHI Kristiane Mesquita Barros et al. Capacidade Funcional E Atividade Física De Idosos Com Diabetes Tipo 2. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde. Fortaleza, v.13, n.3, p.158-166, abr. 2008.

GARCIA Janaina Leandra et al. A influência da dança na qualidade de vida dos idosos. Efdeportes.com. Buenos Aires, v.14, n.139, p. 1-1, dez. 2009.

GARUFFI Marcelo. Atividades rítmicas e dança. In: COELHO Flávia Gomes de Melo et al. Exercício físico no envelhecimento saudável e patológico: da teoria à prática. 1ªed. Curitiba: Editora CRV, 2003, p.236-242.

GOBBI Sebastião et al. Efeitos da dança e do treinamento com pesos nos estados de ânimo de idosos. Revista da Educação Física/ UEM. Maringá, v.18, n.2, p.161-168, nov-maio. 2007.

GOBBI Sebastião et al. Bases teórico-práticas do condicionamento físico. 1ªed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005.

GROSS James. Handbook of Emotion Regulation. 1ªed. New York: The Guilford Press, 2007.

KEOGH Justin et al. Physical benefits of dancing for healthy older adults: a review. Journal of Aging and Physical Activity. Champaign ,v.17, n.4, p.479-500, jan. 2009.

OKUMA Silene Sumire. Idoso e a Atividade Física. 1ªed. Campinas-SP: Papirus (Coleção Vivaidade), 1998.

OSNESS Wayne et al. Functional Fitness Assessment for Adults Over 60 Years. The American Alliance For Health, Physical Education, Recreation and Dance. Association for research, administration, professional councils, and societies. Reston: Association Drive; 1990.

PAIVA Ana Clara de Souza et al. Dança e envelhecimento: uma parceria em movimento!. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde. Pelotas, v.15, n.1, p.70-72, jan. 2010.

PRADO Alexandre Konig Garcia et al. Efeito agudo e crônico de um programa de atividades físicas realizado no “playground da longevidade” nos estados de ânimo de idosos. Revista da Educação Física. Maringá, v.5, n.3, p.517-526, mar-mai 2010.

SEBASTIÃO Emerson et al. Efeitos da prática regular de dança na capacidade funcional de mulheres acima de 50 anos. Revista da Educação Física/UEM. Maringá, v.8, n.1, p.205-214, mar-mai. 2008.

SILVA Aline Huber da et al. Dança para idosos: uma alternativa para o exercício. Cinergis. Santa Cruz do Sul, v.8, n.1, p.25-32, jan-jun. 2007.

SPIRDUSO Waneen et al. Health, exercise, and emotional function. Physical dimensions of aging. 2ªed. Champaign: Human Kinetics, 1995.

UENO Deisy Terumi et al. Programas de Atividade Física para a Terceira Idade na Unesp Rio Claro. Revista do Arquivo. Rio Claro, v.6, p.55-61, mar. 2010.

VOLP Cátia Mary, LEA para populações diversas. Relatório Trienal apresentado a CPA. Instituto de Biociências – Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2000.

ZAGO Anderson Saranz et al. Efeito de um programa geral de atividade física de intensidade moderada sobre os níveis de resistência de força em pessoas da terceira idade. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde. Pelotas, v.5, n.3, p.42-5, fev. 2000.




Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento. ISSN: 1517-2473 (impresso) e 2316-2171 (eletrônico)
Qualis Capes 2016, área interdisciplinar: B2