REFLEXÕES TEÓRICAS SOBRE O COTIDIANO E A GEOGRAFIA NO ENVELHECIMENTO HUMANO

Pedro Ricardo da Cunha Nóbrega

Resumo


O presente artigo foi construído como um exercício de reflexão teórica com base na leitura do mundo atual como expressão da modernidade em transformação. Nesse sentido, o envelhecimento humano foi trabalhado a partir da construção de cotidiano que emerge na modernidade e influencia diretamente na leitura dos processos socioespaciais. Inexoravelmente, a reflexão sobre o mundo e os processos relacionados à dinâmica do mundo são, em essência, geográficos, uma vez que toda ação social é realizada em um mundo real e concreto. Pensar a contemporaneidade, entre outras possibilidades, exige reflexões sobre o concebido, o percebido e o vivido, o que nos leva a recorrer à vida cotidiana, em sentido amplo, como categoria central da reflexão, uma vez que ela nos ajuda a entender os mecanismos de reprodução social que revelam as possibilidades e impossibilidades de realização da vida em seus diferentes níveis. Por isso, assumimos que as reflexões entre cotidiano e geografia podem, se utilizadas com cuidado, ajudar na interpretação do mundo atual, com particular interesse, da velhice e do processo de envelhecimento. Este exercício pressupõe analisar vínculos e comportamentos para além do aparente, evidenciando os processos de forma sincrônica e diacrônica, recuperando os nexos e as contradições da reprodução da vida em sociedade, para além do imediatamente aparente e estrutural.


Palavras-chave


Envelhecimento Humano. Cotidiano. Vida Cotidiana.

Texto completo:

PDF

Referências


BACELAR, Rute. Envelhecimento e produtividade: processos de subjetivação. 2. ed. Recife: Fundação Antônio dos Santos Abranches, 2002.

BEAUVOIR, Simone de. A velhice: o mais importante ensaio contemporâneo sobre as condições de vida dos idosos. 3. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1990.

CAMARANO, Ana Amélia. Envelhecimento da população brasileira: uma contribuição demográfica. Rio de Janeiro: IPEA, 2002.

CARLOS, Ana Fani Alessandri. Espaço-tempo na metrópole: a fragmentação da vida cotidiana. São Paulo: Contexto, 2001.

CARVALHO, José Alberto Magno; GARCIA, Ricardo Alexandrino. O envelhecimento da população brasileira: um enfoque demográfico. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 19, n. 3, p. 725-733, maio/jun, 2003.

CARVALHO, Maria Clotilde Barbosa Nunes Maia de. O diálogo intergeracional entre idosos e crianças: projeto “Era uma vez... atividades intergeracionais”. 2007. 123 f. Dissertação (Mestrado em Serviço Social) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2007.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: artes de fazer. 7. ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

DEBORD, Guy. Sociedade de Espetáculo. Lisboa: Mobilis in Móbile, 1991.

FERNÁNDEZ, Rosario Paniagua. El proceso de envejecimiento y la intervención social. Revista Brasileira de Ciências do Envelhecimento Humano, Passo Fundo, v. 4, n. 1, p. 57-75, jan./jun. 2007.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Projeção da População do Brasil. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/projecao_da_populacao/2013/default.shtm. Acesso em: 19 ago. 2015.

KOWARICK, Lúcio. Viver em risco: sobre a vulnerabilidade no Brasil urbano. Novos Estudos, São Paulo, v. 63, n. 1, p. 9-30, jul. 2002.

LEFEBVRE, Henri. Estrutura social: a reprodução das relações sociais. In: MARTINS; FORACCHI (Org.). Sociedade e Sociologia. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1977.

______. A vida cotidiana no mundo moderno. São Paulo: Ática, 1991.

______. O direito à cidade. São Paulo: Centauro, 2011.

______. A revolução urbana. Belo Horizonte: UFMG, 2004.

______. A produção do espaço urbano. Belo Horizonte: UFMG, 2006. Tradução do grupo “As (im)possibilidades do urbano na metrópole contemporânea”, do Núcleo de Geografia Urbana, do original: La production de l’espace. 4e éd. Paris: Éditions

Anthropos, 2000). (Texto não publicado).

MARTINS, José de Souza. Exclusão social e a nova desigualdade. São Paulo: Paulus, 1997.

______. A sociedade vista do abismo: novos estudos sobre exclusão, pobreza e classes sociais. Petrópolis: Vozes, 2002.

MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES. Relatório Nacional brasileiro sobre o envelhecimento da população brasileira. Brasília: Divisão de Temas Sociais, 2004.

MOREIRA, Morvan de M. Envelhecimento da População Brasileira: aspectos gerais. In: SEMINÁRIO ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO BRASILEIRA, 1, 1999, Belo Horizonte, Anais... Belo Horizonte: ABEP-CEDEPLAR, 1999.

NÓBREGA, Pedro Ricardo da Cunha. Antigos Lugares, Novos Temas: os sinais do tempo no bairro da Boa Vista. Recife: EDUFPE, 2010.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Plano de Ação Internacional sobre o Envelhecimento. Madrid: Conferência das Nações Unidas para o Envelhecimento Humano, 2002.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: EDUSP, 2002.

______. O espaço do cidadão. São Paulo: Nobel, 1987.

SEABRA, Odette Carvalho de Lima. Urbanização e fragmentação: cotidiano e vida de bairro na metamorfose da cidade em metrópole, a partir das transformações do Bairro do Limão. 2003. 419 f. Tese (Livre-Docência em Geografia Urbana) – Departamento de Geografia, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2003.

TOMASINI, Sérgio Luiz Valente. Envelhecimento e planejamento do ambiente construído: em busca de um enfoque interdisciplinar. Revista Brasileira de Ciências do Envelhecimento Humano, Passo Fundo, v. 2, n. 1, p. 76-88, jan./jun. 2005.




Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento. ISSN: 1517-2473 (impresso) e 2316-2171 (eletrônico)
Qualis Capes 2016, área interdisciplinar: B2