A CONFIGURAÇÃO DO LAZER NO ESPAÇO DAS UNIVERSIDADES DA TERCEIRA IDADE

Minéia Carvalho Rodrigues

Resumo


O grande desafio a que este trabalho se propôs foi o de desvendar o lazer no espaço institucional das Universidades da Terceira Idade. Para tal, buscamos verificar qual é o conceito de lazer que sustenta suas propostas, os conteúdos culturais de lazer predominantes, os objetivos de suas propostas em relação ao lazer, as atividades de lazer desenvolvidas e o que estão denominando lazer em suas propostas. Enquanto metodologia, o estudo foi realizado mediante a combinação de pesquisa bibliográfica com pesquisas documental e de campo. Na busca de compreender como se configura o lazer no espaço institucional das Universidades da Terceira Idade, procurou-se justapor os dados da pesquisa bibliográfica com os da pesquisa documental, da observação e da entrevista. Com a realização deste estudo, foi possível afirmar que o lazer é a essência das Universidades da Terceira Idade investigadas e configura-se, neste espaço institucional, por meio dos seus conteúdos sociais, físico-esportivos, manuais, intelectuais, artísticos e turísticos. Contudo, a negação em relação ao lazer, encontrada em ambas as instituições, mostra a necessidade de um maior aprofundamento em relação ao conhecimento sobre o lazer por todos os envolvidos nas Universidades da Terceira Idade, já que o lazer se constitui em um instrumento pedagógico para o desenvolvimento dos indivíduos. O estudo também revelou que as Universidades da Terceira Idade representam novos modos de vivenciar o lazer na velhice.


Palavras-chave


Lazer. Envelhecimento. Universidades da Terceira Idade.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES JUNIOR, Edmundo de Drummond. L’Université du Temps libre du pays de Rennes: un révélateur d’un modele social du vieillissement. Mémoire du DEA, d’ Histoire, Civilization et Societés. Rennes: Université de Haute Bretagne, 1994.

_______. Procurando superar a modelização de um modo de envelhecer. Movimento, Porto Alegre, v. 10, n. 2, p.57-71, maio/ago. 2004.

ARGILES, Carmen Terezinha Leal et al. Redes de sociabilidade: construções a partir do serviço residencial terapêutico. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 18, n. 7, p. 2049-2058, jul. 2013.

CAMARGO, Luiz Octávio de Lima. O que é lazer. 3. ed. São Paulo: Brasiliense, 1999.

DEBERT, Guita Grin. A construção e a reconstrução da velhice: família, classe social e etnicidade. In: NERI, Anita Liberalesso; DEBERT, Guita Grin (Org.). Velhice e sociedade. Campinas: Papirus, 1999. p. 41-68.

DOLL, Johannes et al. Atividade, Desengajamento, Modernização: teorias sociológicas clássicas sobre o envelhecimento. Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento, Porto Alegre, v. 12, p. 7-33, 2007.

DUMAZEDIER, Joffre. Lazer e cultura popular. São Paulo: Perspectiva, 1973.

FALEIROS, Maria Isabel Leme. Repensando o lazer. Perspectivas, São Paulo, v. 3, p. 51-65, 1980.

FEATHERSTONE, Mike. Post bodies, aging and virtual seality. In: FEATHERSTONE, Mike; WERNICK, Andrew (Ed.). Images of Aging: Cultural Representations of Later Life. London: Routledge, 1995. p. 227-244.

FERNÁNDEZ-BALLESTEROS, Rocío et al. Productivity in old age. Research on Aging, Beverly Hills, CA, v. 33, n. 2, p. 205-226, Mar. 2011.

FRANCO, Maria Laura P. B. Análise de conteúdo. 2. ed. Brasília: Liber Livro, 2005.

HAVIGHURST, Robert J. Successful aging. The Gerontologist, St. Louis, v. 1, n. 1, p. 8-13, Mar. 1961.

MACEDO, Carmem Cinira. Tempo de gênesis: o povo das comunidades eclesiais de base. São Paulo: Brasiliense, 1986.

MAGNANI, José Guilherme Cantor. Quando o campo é a cidade: fazendo antropologia na Metrópole. In: MAGNANI, José Guilherme Cantor; TORRES, Lilian de Lucca (Org.). Na metrópole: textos de antropologia urbana. São Paulo: EDUSP/FAPESP, 1996. p. 12-53.

_______. Festa no pedaço: cultura popular e lazer na cidade. 2. ed. São Paulo: Hucitec/UNESP, 1998.

MARCELLINO, Nelson Carvalho. Lazer e humanização. 3. ed. Campinas: Papirus, 1983.

MELO, Victor Andrade de; ALVES JUNIOR, Edmundo de Drummond. Introdução ao lazer. Barueri: Manole, 2003.

PEIXOTO, Clarisse E. De volta às aulas ou de como ser estudante aos 60 anos. In: VERAS, Renato Peixoto (Org.). Terceira idade: desafios para o terceiro milênio. Rio de Janeiro: Relume Dumará/UNATI/UERJ, 1997. p. 41-74.

SCHROOTS, Johannes J. F. Theoretical Developments in the Psychology of Aging. The Gerontologist, St. Louis, v. 36, n. 6, p. 742-748, Dec. 1996.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 21. ed. São Paulo: Cortez, 2000.

SIQUEIRA, Maria Eliane Catunda de. Teorias sociológicas do envelhecimento. In: NERI, Anita Liberalesso (Org.). Desenvolvimento e envelhecimento: perspectivas biológicas, psicológicas e sociológicas. Campinas: Papirus, 2001. p. 73-112.

TORRES, Sandra. A culturally-relevant theoretical framework for the study of successful ageing. Ageing and Society, Cambridge, v. 19, n. 1, p. 33-51, Jan. 1999.

TRIVIÑOS, Augusto Nibaldo Silva. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.




Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento. ISSN: 1517-2473 (impresso) e 2316-2171 (eletrônico)
Qualis Capes 2016, área interdisciplinar: B2