ESPERANÇA EM IDOSOS: UMA EXPLICAÇÃO BASEADA NOS VALORES HUMANOS

Patricia Nunes Fonseca, Gildevan Estrela Dantas, Gabriel Lins de Holanda Coelho, Thayro Andrade Carvalho, Alisson de Meneses Pontes

Resumo


Este estudo teve como objetivo conhecer como a esperança se relaciona com os valores humanos em idosos. A esperança é fundamental no processo de envelhecimento, possibilitando uma perspectiva positiva quanto ao futuro. Para sua melhor compreensão, faz-se necessário considerar os valores humanos que atuam orientando e guiando o comportamento humano, estando sempre presentes na sociedade e sofrendo alterações à medida em que indivíduo vai amadurecendo. Participaram 218 idosos, com idade média de 68 (DP = 6,65) e a maioria do sexo feminino (61,9%). Estes responderam ao Questionário dos Valores Básicos, à escala de esperança de Herth e a perguntas demográfi cas. Realizaram-se correlações (r de Pearson) entre as subfunções valorativas e o escore total de esperança, além de uma regressão múltipla. Observaram-se correlações signifi cativas em todas as subfunções: interativa (r = 0,43; p < 0,01), existência (r = 0,39; p < 0,01), suprapessoal (r = 0,38; p < 0,01), normativa (r = 0,31; p < 0,01); realização (r = 0,20; p < 0,01) e experimentação (r = 0,19; p < 0,01), respectivamente. Na regressão, as dimensões interativa, normativa, existência e suprapessoal foram preditores signifi cativos do escore total de esperança, tendo variância explicada de 26% [F(4; 206) = 19,39; p < 0,001]. Os resultados sugerem a importância dos valores humanos para a promoção de uma vida mais saudável e com maior esperança na terceira idade, principalmente quando refere-se a valores centrais e sociais. Conclui-se que os objetivos tenham sido alcançados, contribuindo com a literatura sobre a qualidade de vida na terceira idade.


Palavras-chave


Esperança; valores humanos; idosos

Texto completo:

PDF

Referências


AMERICAN PSYCHOLOGICAL ASSOCIATION - APA. Ethical principles of psychologists and code of conduct. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2013.

BLOOM, David. 7 Billion and Counting. Science, Washington-EUA, v. 333, n. 6042, p. 562–569, jul. 2011.

BRASIL. Decreto-Lei nº 10.741, de 1º de outubro de 2003. Dispõe sobre o Estatuto do Idoso e dá outras providências. Brasília, DF. Disponível em: . Acesso em: 04 mai. 2014.

BRASIL. Portaria nº 2.528 de 19 de out de 06. Aprova a Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa. Disponível em: . Acesso em: 04 mai. 2014.

CHEAVENS, Jean; GUM, Amber. Gray Power: Hope and Older Adults. In: SNYDER, Charles Richard (Ed.). The Handbook of Hope: Theory, measures, and application. San Diego: Academic Press, 2000, p. 201-222.

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL de 1988. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>. Acesso em: 17 mar. 2014.

DEVESA, Teresa Sofia Moreira Maria. Teste de um modelo preditor de interesses e segurança em indivíduos do gênero masculino, na adultez, na meia-idade e na velhice. 2005. 50 f. Monografia (Licenciatura em Psicologia) - Instituto Superior de Psicologia Aplicada, Portugal. 2005.

FRANKL, Victor Emil. Logoterapia y análisis exixtencial: textos de cinco décadas. Barcelona: Herder Editorial, 2007.

GEIGER, Katherine; KWON, Paul. Rumination and depressive symptoms: Evidence for the moderating role of hope. Personality and Individual Differences, London, v. 49, n. 5, p. 391–395, abr. 2010.

GESTEL-TIMMERMANS, Hanneke Van et al. Hope as a determinant of mental health recovery: a psychometric evaluation of the Herth Hope Index-Dutch version. Journal of Caring Sciences, Scandinavian, v. 24, p. 67-74, nov. 2010.

GOUVEIA, Valdiney Veloso. A natureza motivacional dos valores humanos: Evidências acerca de uma nova tipologia. Estudos de Psicologia, Natal-RN, v. 8, n. 3, p. 431-443, out. 2003.

_______________. Teoria funcionalista dos valores humanos: fundamentos, aplicações e perspectivas. 1. ed. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2013, p. 111-135.

GOUVEIA, Valdiney Veloso et al. Teoria funcionalista dos valores humanos: aplicações para organizações. Revista de Administração Mackenzie, São Paulo-SP, v. 10, n. 3, p. 34-59, mai/jun. 2009.

GOUVEIA, Valdiney Veloso et al. Valores humanos: Contribuições e perspectivas teóricas. In: TORRES, Cláudio Vaz; NEIVA, Elaine Rabelo. (eds.). A psicologia social: Principais temas e vertentes. Porto Alegre, RS: ArtMed, 2011, p. 296-306.

HERTH, Kaye. Abbreviated instrument to measure hope: development and psychometric evaluation. Journal of Advanced Nursing, Malden-USA, v. 17, n. 10, p. 1251-1259, out. 1992.

INGLEHART, Ronald. The silent revolution: Changing values and political styles among Western publics. Princeton, NJ: Princeton University Press, 1977.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Síntese de Indicadores Sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. Rio de Janeiro, RJ: IBGE. Disponível em: < http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/pesquisas/estudos_especiais.php>. Acesso em: 04 mai. 2014.

KAVRADIM, Selma Turan; ÖZER, Zeynep Canli; BOZCUK, Hakan. Hope in people with cancer: a multivariate analysis from turkey. Journal of Advanced Nursing, Malden-USA, v. 69, n. 5, p. 1183–1196, mai. 2013.

KÜCHEMANN, Berlindes Astrid. Envelhecimento populacional, cuidado e cidadania: velhos di¬lemas e novos desafios. Revista Sociedade e Estado, Brasília-DF, v. 7, n. 1, p. 165-180, jan/abr. 2012.

MASLOW, Abrahan Harold. Motivation and personality. New York: Harper & Row, 1954, p. 62-72.

MEDEIROS, Emerson Diógenes de. Teoria funcionalista dos valores humanos: testando sua adequação intra e interculturalmente. 2011. 255 f. Tese (Doutorado - Departamento de Psicologia Social), Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB, Brasil. 2011.

MESTRE, Marina Alexandra Gomes. A esperança e a qualidade de vida na terceira idade. 2011. 187 f. Dissertação (Mestrado - Psicologia Clínica da Escola Superior de Altos Estudos), Coimbra-Portugal. 2011.

MINISTÉRIO DA SAÚDE DO BRASIL - MSB. Instituto de Estudos de Saúde Suplementar: envelhecimento populacional e os desafios para o sistema de saúde brasileiro. São Paulo: IESS. 2013. Disponível em: < http://www.iess.org.br/html/1apresentao.pdf >. Acesso em: 04 mai. 2014.

NOTHWEHR, Faryle; CLARK, Daniel; PERKINS, Anthony. Hope and the use of behavioural strategies related to diet and physical activity. Journal of Human Nutrition and Dietetics. The British Dietetic Association Ltd, Brithish, v. 1, p. 159-163, jul. 2013.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS - ONU. A ONU e as pessoas idosas. Disponível em: . Acesso em: 01 ago. 2013.

ORLANDI, Fabiana de Sousa et al. Avaliação do nível de esperança de vida de idosos renais crônicos em hemodiálise. Revista da Escola de Enfermagem, São Paulo-SP, v. 46, n. 4, p. 900-905, dez. 2012.

ROKEACH, Milton. The nature of human values. New York: Free Press, 1973.

SARTORE, Alessandra Cristina; GROSSI, Sonia Aurora Aalves. Escala de Esperança de Herth: instrumento adaptado e validado para a língua portuguesa. Revista da Escola de Enfermagem – USP, São Paulo-SP, v. 42, n. 2, p. 227-232, jun. 2008.

SCHWARTZ, Shalom House. Universals in the context and structure of values: Theoretical advances and empirical tests in 20 countries. In: ZANNA, Mark. (ed.). Advances in experimental social psychology. Orlando, FL: Academic Press, v. 25, 1992, p. 1-65.

SNYDER, Richard; RAND, Kevin; SIGMON, David. Hope Theory: a member of the Positive Psychology Family. In: SNYDER, Richard; LOPEZ, Shane. (eds.). Handbook of Positive Psychology. Oxford: Oxford University Press, 2002, p. 257-276.

SOMMERHALDER, Cinara. Sentido de vida na fase adulta e velhice. Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre-RS, v. 23, n. 2, p. 2070-277, jun. 2010.

STIRLING, Elspeth. Valuing older people: Positive Psychology of later life. PSIGE Newsletter, Scotland-KY, v. 105, p.19-23, out. 2008.

VIONE, Katia Corrêa. As prioridades valorativas mudam com a idade? Testando a hipótese de rigidez e plasticidade. 2012. 151 f. Dissertação (Mestrado - Departamento de Psicologia), Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB, Brasil, 2012.




Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento. ISSN: 1517-2473 (impresso) e 2316-2171 (eletrônico)
Qualis Capes 2016, área interdisciplinar: B2