PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DE IDOSAS PARTICIPANTES E NÃO PARTICIPANTES DE UM GRUPO DE CONVIVÊNCIA DA TERCEIRA IDADE DE CATANDUVA (SP)

Igor Augusto Braz, José Eduardo Zaia, Cléria Maria Lobo Bittar

Resumo


Uma importante estratégia utilizada na promoção de saúde dos idosos são os grupos de convivência da terceira idade. Esses grupos podem proporcionar benefícios na saúde dos participantes e vem ganhando cada vez mais adeptos. O objetivo do presente estudo foi comparar a percepção de qualidade de vida de idosas participantes e não participantes de um grupo de convivência. Sessenta idosas participaram da pesquisa, divididas em dois grupos, sendo o primeiro integrado por idosas participantes do grupo (GP) de convivência e o segundo composto por idosas que nunca haviam participado de um grupo de convivência para mulheres da terceira idade, doravante denominado GNP. Foram aplicados os questionários WHOQOL-bref e WHOQOL-old com o intuito de aferir a percepção de qualidade de vida das idosas, além de um questionário com perguntas objetivas para traçar o perfil sociodemográfico dos grupos. As idosas do GNP apresentaram valores significativamente maiores em todos os domínios do WHOQOL-bref e nas facetas Funcionamento Sensório Motor, Atividades Passadas Presentes e Futuras, Participação Social e Intimidade - do WHOQOL-old. Acreditamos que a participação em um grupo de convivência para terceira idade seja o responsável pela melhor percepção da qualidade de vida, devido ao suporte social recebido no grupo, o que fortalece os vínculos afetivos atenuando o isolamento social das idosas e promovendo vínculos de amizade fora do contexto familiar.

 


Palavras-chave


promoção de saúde; idosas; grupos da terceira idade.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Ana Kelly; MAIA, Eulalia Maria Chaves. Amizade, idoso e qualidade de vida: revisão bibliográfica. Psicologia em Estudo, Maringá , v. 15, n. 4, Dez. 2010

ALMEIDAI, Edelves Alves de et. al. Comparação da qualidade de vida entre idosos que participam e idosos que não participam de grupos de convivência na cidade de Itabira-MG. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro, v. 13, n. 3, p. 435-43, 2010.

AYRES, José Ricardo de Carvalho Mesquita, França Júnior, Ivan; Calazans, Gabriela Junqueira; Saletti Filho, Heraldo César. O conceito de vulnerabilidade e as práticas de saúde: novas perspectivas e desafios. In: Dina Czeresnia Carlos Machado de Freitas (org.). Promoção da saúde: conceitos, reflexões, tendências. Rio de Janeiro: Fiocruz, p. 117-139, 2003.

BINOTTO, Maria Angélica; BORGATTOII, Adriano Ferreti; FARIASIII, Sidney Ferreira. et. al. Nível de atividade física: questionário internacional de atividades físicas e tempo de prática em mulheres idosas. Revista Brasileira Geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro, v. 13, n. 3, 2010.

BOWLING, Ann; BROWNE, Peter. Social Networks, Health and Emocional Well- Being among the oldest old in London. Journals of Gerontology Series B: Psychological Sciences and Social Sciences, Oxford, v. 46, p. 20-32, 1991.

BUENO, Cléria Maria Lobo Bittar. Psicogerontologia: análise de um conceito em construção. In: José Filho, M.; Soares, N. (org.). Unati: construindo a cidadania. Franca: UNESP, cap. 2, p. 25-45, 2008.

CHAIMOWICZ, Flávio. A saúde dos idosos brasileiros às vésperas do século XXI: problemas, projeções e alternativas. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 31, n. 2, p. 184-200, 1997.

COELHO, Almir Resende. Contribuição de um programa de saúde da terceira idade na promoção de saúde e qualidade de vida. 2012. 106 f. Dissertação. (Mestrado em Promoção de Saúde) - Universidade de Franca, Franca. 2012.

CRUZ, Anna Paula Masson da et. al. Estudo comparativo da qualidade de vida de mulheres idosas praticantes e não praticantes de atividade física. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro, v. 2, n. 4, p. 156-61, 2008.

FLECK, Marcelo Pio de Almeida et. al. Desenvolvimento da versão em português do instrumento de avaliação de qualidade de vida da OMS (WHOQOL-100). Revista Brasileira de Psiquiatria, São Paulo, v. 21, n. 1, p. 19-28, 1999.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Perfil dos Idosos Responsáveis pelos Domicílios - 2002. Disponível em: . Acesso em: 16 nov. 2011.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Em 2010, esperança de vida ao nascer era de 73,48 anos - 2011a. Disponível em: . Acesso em: 01 jul. 2012.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo 2010: País tem declínio de fecundidade e migração e aumentos na escolarização, ocupação e posse de bens duráveis - 2011b. Disponível em: <1http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/noticia_visualiza.php?id_noticia=1866&id_pagina=1>. Acesso em: 01 jul. 2012.

LALONDE, Marc. A new perspective on the health of Canadians. In: OPAS 1996. Promoción de la Salud: Una Antología. Published Cientist, 557, OPAS, Washington, p. 3-5, 1974.

LARANJEIRA, Carlos António Sampaio de Jesus. Do vulnerável ser ao resiliente envelhecer: revisão de literatura. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, v. 23, n. 3, p. 327-32, jul./set. 2007.

LIMA, Lara Carvalho Vilela. Avaliação da percepção de qualidade de vida em diferentes grupos de idosos da cidade de Carneirinho – MG. 2010. 122 f. Dissertação. (Mestrado em Promoção de Saúde) - Universidade de Franca, Franca-SP.

LIMA, Lara Carvalho Vilela; BUENO, Cléria Maria Lobo Bittar. Envelhecimento e gênero: a vulnerabilidade de idosas no Brasil. Revista Saúde e Pesquisa, Maringá, v. 2, n. 2, p. 273-80, mai/ago. 2009.

MAZINI FILHO, Mauro Lúcio et. al. Efeito de atividades físicas combinadas na autonomia funcional, índice de massa corporal e pressão arterial de mulheres idosas. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro, v. 4, n. 2, p. 69-75, 2010.

National Institute of Mental Health. Older adults: depression and suicide facts. 2009. Disponível em: . Acesso em: 25 ago. 2011.

PAPALÉO NETTO, Matheus; YUASO, Denise Rodrigues; KITADAI, Fabio Takashi. Longevidade: desafio no terceiro milênio. Mundo da Saúde, São Paulo, ano. 29, v. 29, n. 4, out./dez, 2005.

PAZ, Adriana Aparecida; SANTOS, Beatriz Regina Lara dos; EIDT, Olga Rosaria. Vulnerabilidade e envelhecimento no contexto da saúde. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, n. 19, v. 3, p. 338-42, 2006.

PEDROSO, Bruno et. al. Cálculo dos escores e estatística descritiva do WHOQOL-bref através do Microsoft Excel. Revista Brasileira de Qualidade de Vida, Ponta Grossa, v. 2, n. 1, p. 31-6, jan./jun. 2010a.

PEDROSO, Bruno; PILATTI; Luiz Alberto; GUTIERREZ, Gustavo Luis. Cálculo dos escores e estatística descritiva do WHOQOL-OLD pelo Microsoft Excel. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro, v. 4, n. 4, p. 214-9, 2010b.

RÊGO, Adriana Ribeiro de Oliveira Napoleão do et. al. Pressão arterial após programa de exercício físico supervisionado em mulheres idosas hipertensas. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, São Paulo, v. 17, n. 5, p. 300-304, set/out. 2011.

SANTOS, Luciane de Medeiros dos et. al. Grupos de promoção à saúde no desenvolvimento da autonomia, condições de vida e saúde. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 40, n. 2, p. 346-52, 2006.

SERBIM, Andreivna Kharenine; FIGUEIREDO, Ana Elizabeth Prado Lima Figueiredo. Qualidade de vida de idosos em um grupo de convivência. Revista Scientia Medica, Porto Alegre, v. 11, n. 4, p. 166-72, 2011.

THE WHOQOL GROUP. Development of the World Health Organization WHOQOL-BREF: quality of life assessment. Journal Psychological Medicine, Cambridge, v. 28, p. 551-8, 1998.

TOSCANO, José Jean de Oliveira; OLIVEIRA, Antônio César Cabral de. Qualidade de vida em idosos com distintos níveis de atividade física. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, Niterói, v. 15, n. 3, maio/jun. 2009.

VERAS, Renato Peixoto; RAMOS, Luiz Roberto; KALACHE, Alexandre. Crescimento da população idosa no Brasil: transformações e consequências na sociedade. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 21, n. 3, p. 225-33, jun. 1987.

WHITE, Ann Marie et. al. Social Support and Self-Reported Health Status of Older Adults in the United. American Journal of Public Health, Washington, v. 99, n. 10, p. 1872-8, out. 2009.




Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento. ISSN: 1517-2473 (impresso) e 2316-2171 (eletrônico)
Qualis Capes 2016, área interdisciplinar: B2