ANÁLISE DA QUALIDADE DE VIDA E SINTOMAS DEPRESSIVOS EM IDOSOS COM QUEIXA DE TONTURA

Camila Rosseto Ludwig, Pricila Sleifer, Amanda Zanatta Berticelli, Audrei Thayse Viegel de Ávila

Resumo


Objetivo: analisar a qualidade de vida e a presença de sintomas depressivos em idosos com queixa de tontura. Método: estudo transversal, individual, observacional e contemporâneo. Foram analisadas as respostas da Anamnese, do Questionário SF-36 e da Escala de Depressão Geriátrica (GDS) de 153 idosos com queixa de tontura. Resultados: 64,1% dos idosos pontuaram acima do ponto de corte na Escala de Depressão Geriátrica, sendo que os percentuais foram semelhantes entre homens e mulheres (p=0,723). Houve associação inversa entre a pontuação na GDS e todos os domínios do SF-36, ou seja, quanto maior a pontuação na GDS, menor a qualidade de vida em todos os domínios. A frequência da tontura associou-se inversamente com os domínios do SF-36, exceto no de Dor, ou seja, quanto mais frequente a tontura, menor a qualidade de vida. Houve associação direta entre a pontuação na GDS com a idade e com a frequência da tontura, ou seja, quanto maior a idade e a frequência da tontura maior o grau de depressão (p<0,001). Conclusão: Idosos com queixa de tontura apresentam prejuízos significativos na qualidade de vida. A prevalência de sintomas depressivos foi significativa na amostra estudada. Houve associação entre a presença de sintomas depressivos e prejuízos na qualidade de vida. Estes achados corroboram com dados prévios da literatura que destacam os prejuízos da tontura na qualidade de vida de idosos bem como a presença de sintomas depressivos concomitantes a essa queixa nesses sujeitos, chamando atenção para a necessidade de uma abordagem multidisciplinar no manejo terapêutico desses pacientes.

 


Palavras-chave


tontura, idoso, qualidade de vida, depressão

Texto completo:

PDF

Referências


SIMOCELI, Lucinda et al. Perfil diagnóstico do idoso portador de desequilíbrio corporal: resultados preliminares. Revista Brasileira de Otorrinolaringologia, São Paulo, v. 69, n. 6, dec. 2003.

FELIPE, Lilian et al. Presbivertigem como causa de tontura no idoso. Pró-Fono Revista de Atualização Científica, Barueri, v. 20, n. 2, jun. 2008.

MANTELLO, Erika Barioni et al. Efeito da reabilitação vestibular sobre a qualidade de vida de idosos labirintopatas. Revista Brasileira de Otorrinolaringologia, São Paulo, v. 74, n. 2, apr. 2008 .

RUWER, Sheelen Larissa; ROSSI, Angela Garcia; SIMON, Larissa Fortunato. Equilíbrio no idoso. Revista Brasileira de Otorrinolaringologia, São Paulo, v. 71, n. 3, jun. 2005.

TINETTI, Mary Elizabeth, WILLIAMS Christianna, GILL Thomas M. Dizziness among older adults: a possible geriatric syndrome. Annals of Internal Medicine. v.132, n. 5, mar. 2000.

BITTAR, Roseli Saraiva Moreira, GANANÇA Fernando Freitas. Decifrando a tontura. 2. Ed. São Paulo: Segmento, 2010.

GANANÇA, Maurício Malavasi, CAOVILLA Heloísa Helena. Desequilíbrio e reequilíbrio. In: GANANÇA, Maurício Malavasi. Vertigem tem cura? São Paulo: Lemos Editorial, 1998.

GURGEL, Léia Gonçalves et al. Correlation between vestibular test results and self-reported psychological complaints of patients with vestibular symptoms. Brazilian Journal of Otorhinolaryngology, São Paulo, v. 78, n. 1, feb. 2012.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. International classification of impairments, disabilities and handicaps: a manual of classification relating to the consequences of disease. Geneva: World Health Organization; 1980.

CICONELLI, Rozana Mesquita et al. Tradução para a Língua Portuguesa e validação do questionário genérico de avaliação de qualidade de vida SF-36 (Brasil SF-36). Revista Brasileira de Reumatologia, São Paulo, v. 39, n. 3, 1999.

CAMPOLINA, Alessandro Gonçalves, CICONELLI, Rozana Mesquita. O SF-36 e o desenvolvimento de novas medidas de avaliação de qualidade de vida. Acta Reumatológica Portuguesa, São Paulo, v. 33, n. 2, abr/jun. 2008.

WARE, John et al. SF-36 Health Survey manual and Interpretation Guide. Boston (MA): The Health Institute, New England Medical Center, 1993.

HSU, Li-Chi et al. Quality of life in elderly patients with dizziness: analysis of the Short-Form Health Survey in 197 patients. Acta Oto-Laryngologica, Taiwan, v. 125, n. 1, 2005.

IÓRIO, Maria Cecília Martinelli. Avaliação de Resultados – Estudos de Qualidade de Vida. In: BEVILACQUA, Maria Cecília et al. Tratado de Audiologia. 1. Ed. São Paulo: Santos, 2011.

SHEIKH, Javaid; YESAVAGE, Jerome. Geriatric depression scale (GDS): recent evidence and development of a shorter version. Clinical Gerontology., v. 5, 1986.

PARADELA, Emylucy Martins Paiva; LOURENCO, Roberto Alves; VERAS, Renato Peixoto. Validação da escala de depressão geriátrica em um ambulatório geral. Revista de. Saúde Pública, São Paulo, v. 39, n. 6, dec. 2005 .

HONG Seok et al. Analysis of psychological distress after management of dizziness in old patients: multicenter study. European Archives of Oto-Rhino-Laryngology. v. 269, n. 1. mar. 2011.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 1395, de 09 de dezembro de 1999. Política Nacional do Idoso. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, dez.1999.

FOLSTEIN, Marshal F.; FOLSTEIN, Susan E.; MCHUGH Paul R. Mini-mental state: a practical method for grading the cognitive state of patients for the clinician. Journal of Psychiatric Research. v. 12, n. 3, 1975.

BERTOLUCCI, Paulo Henrique Ferreira et al. Proposta de padronização do Mini-Exame do Estado Mental (MEEM): estudo piloto cooperativo. Arquivos de Neuropsiquiatria, 1994.

BONARDI, Gislaine et al. Depressão no idoso. In: Newton Luiz Terra, Beatriz Dornelles (Org.). Envelhecimento bem-sucedido. 1. ed. EDIPUCRS. Porto Alegre, v. 1, 2002.

TAKANO, Nancy Akemi et al . Quality of life in elderly with dizziness. Brazilian Journal of Otorhinolaryngology (Impr.), São Paulo, v. 76, n. 6, dec. 2010.

VAZ, Aretha Cintra; OLIVEIRA, Ana Paula Rocha de. Impacto da vertigem na qualidade de vida em pacientes com disfunção vestibular. Fisioterapia em movimento, v. 20, n. 1, 2007.

GANANÇA, Fernando F. et al. Interferência da tontura na qualidade de vida de pacientes com síndrome vestibular periférica. Revista Brasileira de Otorrinolaringologia. São Paulo, v. 70, n. 1, jan. 2004.

SANTOS, Erika Maria dos et al. Impacto da tontura na qualidade de vida de idosos com vestibulopatia crônica. Pró-Fono Revista de Atualização Científica, Barueri, v. 22, n. 4, dec. 2010.

PAULINO, Célia Aparecida; PREZOTTO, Andrea Oriani; CALIXTO Rosilene Farias. Associação entre estresse, depressão e tontura: uma breve revisão. Revista Equilíbrio Corporal e Saúde, São Paulo, v. 1, n. 1, 2009, p. 33-45.

GAZZOLA, Juliana Maria et al. Factors relating to depressive symptoms among elderly people with chronic vestibular dysfunction. Arquivos de Neuro-Psiquiatria. São Paulo, v. 67, n. 2(B), jun. 2009.

TUSA, Ronald. Problemas psicológicos e o paciente com vertigem. In: HERDMAN, Susan. Reabilitação Vestibular. Manole. Rio de Janeiro, 2002.

PAIVA, Angela Daou; KUHN, Ana Maria Baccari. Sintomas psicológicos concomitantes à queixa de vertigem em 846 prontuários de pacientes otoneurológicos do Ambulatório de Otoneurologia da Universidade Federal de São Paulo - Escola Paulista de Medicina. Revista Brasileira de Otorrinolaringologia, São Paulo, v. 70, n. 4, ago. 2004.

DUARTE, Meirelayne Borges; REGO, Marco Antônio Vasconcelos. Comorbidade entre depressão e doenças clínicas em um ambulatório de geriatria. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 23, n. 3, mar. 2007.

GAZZOLA, Juliana Maria et al. Caracterização clínica de idosos com disfunção vestibular crônica. Revista Brasileira de Otorrinolaringologia, São Paulo, v. 72, n. 4, ago. 2006.

SADER, Cristina S.; ROSSI Edison. O envelhecimento do sistema osteoarticular. In: FREITAS, Elizabete Viana de et al. Tratado de Geriatria e Gerontologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002.

GAZALLE, Fernando Kratz et al . Sintomas depressivos e fatores associados em população idosa no Sul do Brasil. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 38, n. 3, jun 2004 .




Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento. ISSN: 1517-2473 (impresso) e 2316-2171 (eletrônico)
Qualis Capes 2016, área interdisciplinar: B2