Um Instrumento de Avaliação Quase-Naturalística da Memória Prospectiva

Irene Meyer de Taussik, Nora Leibovich de Figueroa, Maria Alice de Mattos Pimenta Parente

Resumo


Resumo: As mudanças cognitivas associadas à idade descrevem-se particularmente a partir dos 40 anos de idade e afetam especialmente a memória. As dificuldades na memória de intenções futuras (memória prospectiva) são as queixas mais importantes de pacientes com esquecimentos benignos. Instrumentos clássicos de avaliação neuropsicológica não conseguem reproduzir o impacto desses esquecimentos nas situações cotidianas, entretanto, um enfoque mais ecológico contempla a inclusão da funcionalidade e a relação da dificuldade de memória sobre o funcionamento cotidiano do indivíduo. O objetivo desse trabalho é apresentar um instrumento quase-naturalístico, denominado a Prova da Águia desenhado para a avaliação da memória prospectiva. Foram incorporadas tarefas específicas de evento, de tempo e repetitivas, todas em sua dimensão prospectiva. Foram verificadas sua consistência, validade e predição para a avaliação de indivíduos com ou sem esquecimentos benignos. A amostra total de 76 indivíduos foi dividida em dois grupos: um com queixas de esquecimentos (Esquecimentos Benignos) e outro sem queixas de memória. O instrumento mostrou apresentar consistência interna e a análise de regressão mostrou uma predição de 71,1% para os pacientes com esquecimentos benignos e de 78,9% para o grupo sem queixas. A análise de correlação confirmou essa consistência quanto à relação entre o componente retrospectivo e as demais categorias de lembrança prospectiva (evento, tempo e tarefas repetitivas). Observou-se o efeito de idade e de escolaridade no desempenho da prova. Além de diferenças significativas encontradas nas duas populações, foram observados comportamentos distintos entre os dois grupos. A partir desses dados pudemos concluir que o teste quase naturalístico criado mostrou ser um instrumento adequado para o diagnóstico de esquecimentos benignos.

Palavras-chave: Envelhecimento. Memória Prospectiva. Avaliação Neuropsicológica.


Abstract: Cognitive age changes occur mainly after the 4th decade and produce a decline especially in memory functions. The major complaint includes failures in memory for future intentions (prospective memory). Classical tools of neuropsychological evaluation do not reproduce the impact of these complaints in daily life. Nevertheless, a more ecological focus permits the inclusion of functionality and the impact of memory failure in daily performance. The objective of this study is to show a quasi-naturalistic instrument for memory testing, called the Test of the Eagle. It includes event, time and repetitive prospective memory tasks. Test consistence, validity and prediction were tested in a group of participants with and without benign forgetfulness. A total of 76 participants was divided in two group: one with memory complaints (benign forgetfulness) and the other without. The instrument showed internal consistence and regression analysis showed a predictability of 71,1% for the benign forgetfulness group and of 78,9% for the control without memory complaints. Correlation analyses confirmed the consistency regarding the relation among the retrospective component and the other categories of prospective reminding (event, time and repetitive tasks). Age and schooling effect were observed. Beside significant differences, different behaviors were observed in the two groups. These data led us to conclude that the quasi-naturalistic test created to evaluate prospective memory showed to be a useful instrument for the diagnosis of benign forgetfulness.

Keywords: Aging. Prospective Memory. Neuropsychological Evaluation.

Palavras-chave


Envelhecimento. Memória Prospectiva. Avaliação Neuropsicológica. Aging. Prospective Memory. Neuropsychological Evaluation.

Texto completo:

PDF


Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento. ISSN: 1517-2473 (impresso) e 2316-2171 (eletrônico)
Qualis Capes 2016, área interdisciplinar: B2