CONDIÇÕES DE VIDA E SAÚDE DE USUÁRIOS IDOSOS DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

Fabianne De Jesus De Sousa, Marília de Fátima de Oliveira, Edson Marcos Leal Ramos, Lucia Hisako Takase Gonçalves

Resumo


Esta pesquisa tem como objetivo conhecer e descrever as condições de vida e saúde da população idosa cadastrada e atendida no Programa Saúde da Família (PSF). Consiste em um estudo descritivo, analítico e transversal com abordagem quantitativa utilizando o teste do qui-quadrado, o valor de significância adotado de 5%. Sua amostra foi composta por 441 idosos usuários do PSF do município de Benevides, Pará, aplicando-lhes a caderneta do idoso do Ministério da Saúde. Os resultados revelaram que a maior parte dos idosos está entre 60 a 64 anos, é do sexo feminino, casada, católica e com renda familiar de 1 a 3 salários mínimos. A maioria não ingeria bebida alcoólica e não possuía o hábito de fumar, mas não praticava atividade física nem se alimentava adequadamente. A hipertensão arterial (HÁ) prevalece como a doença crônica, seguida por diabetes mellitus (DM) e também hábitos de vida pouco saudáveis, o que leva os PSF a buscarem estratégias especialmente dirigidas a favor do extrato idoso com enfoque na prevenção precoce da instalação da cronicidade e seus agravos entre seus usuários adultos maduros.


Palavras-chave


Enfermagem; Idoso; Condições de Saúde; Programa Saúde da Família; Prevenção de Cronicidade;

Texto completo:

PDF

Referências


ALVARENGA, Márcia Regina Martins et al. Avaliação do risco nutricional em idosos atendidos por Equipes de Saúde da Família. Revista Escola Enfermagem, 44(4): 1046-51, 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Vigitel Brasil 2010: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília: Ministério da Saúde, 2011. (Série G. Estatística e Informação em Saúde).

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Envelhecimento e saúde da pessoa idosa / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica: Brasília: Ministério da Saúde, 2006. 192 p. il. – (Série A. Normas e Manuais Técnicos) (Cadernos de Atenção Básica, n. 19).

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Caderneta de saúde da pessoa idosa: manual de preenchimento /Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2008. 24 p. – (Série A. Normas e Manuais Técnicos).

BOLFARINE, Heleno; SANDOVAL, Mônica Carneiro. Introdução a Inferência Estatística. Rio de Janeiro: SBM, 2005.

BORIM, Flávia Silva Arbex, Barros Marilisa Berti de Azevedo, Neri Anita Liberalesso. Autoavaliação da saúde em idosos: pesquisa de base populacional no Município de Campinas, São Paulo, Brasil. Caderno Saúde Pública, 28(4): 769-780, 2012

BUSSAB, Wilton; MORETTIN, Pedro. Estatística Básica. 5 ed. São Paulo: Saraiva, 2005.

CAMPOS, Frederico Grizzi et al. Distribuição espacial dos idosos de um município de médio porte do interior paulista segundo algumas características sócio-demográficas e de morbidade. Caderno Saúde Pública, 25 (1): 77-86, 2009.

CRUZ, Keila Cristiane Trindade; DIOGO, Maria José D’Elboux. Avaliação da capacidade funcional de idosos com acidente vascular encefálico. Acta Paulista Enfermagem, 22(5):666-72, 2009.

FRUMI, Cailene, CECLICH, Lilian Sedrez. O olhar do idoso frente ao envelhecimento e à morte. Revista Brasileira Ciência Envelhecimento Humano 3(2): 92-100. dez; 2006.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo 2010 Disponível em: http://ibge Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística_php. acessado em 02/02/2014.

JERÔNIMO, Silvana Helena Neves de Medeiros. A pessoa idosa com doença crônica não-transmissível atendida em serviços de média complexidade na cidade de Natal/RN [dissertação de mestrado]. Departamento de pós-graduação em enfermagem, UFRN, 2011.

MAGALHÃES, Marcos; LIMA,Antonio Carlos. Noções de Probabilidade e Estatística. 7 ed. São Paulo. EDUSP. 2011. 416p.

MENDES, Eugênio Vilaça. As redes de atenção à saúde. Ciência & Saúde Coletiva 15(5): 2297- 2305, 2010.

MENDES, Eugênio Vilaça. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da consolidação da estratégia da saúde da família. / Eugênio Vilaça Mendes. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2012. 512 p.: il.

MENEZES, Fabiana Gatti et al. Consumo medicamentoso em idosos na região centro-oeste da cidade de São Paulo. Saúde Coletiva; 5(22): 126-130, 2008.

MODENESE, Denis Marcelo et al. Perfil epidemiológico de idosos ativos: qualidade de vida associada com renda, escolaridade e morbidades. Estud. interdiscipl. envelhec., Porto Alegre, v. 18, n. 2, p. 387-399, 2013.

NUNES, Daniela Pires et al. Capacidade funcional, condições socioeconômicas e de saúde de idosos atendidos por equipes de Saúde da Família de Goiânia (GO, Brasil). Ciência & Saúde Coletiva, 15(6):2887-2898, 2010.

OLIVEIRA, Camila Alves Paes et al. Caracterização dos medicamentos prescritos aos idosos na Estratégia Saúde da Família. Caderno Saúde Pública, 25(5): 1007-1016, 2009.

PASCHOAL, Sergio Marcio Pacheco. Autonomia e independência. In: Papaléo-Netto M, organizador. Gerontologia: a velhice e o envelhecimento em visão globalizada. São Paulo: Atheneu; p. 311-323, 2002.

PEREIRA, Ana Beatriz Calmon Nogueira Gama et al. Prevalência de acidente vascular cerebral em idosos no Município de Vassouras, Rio de Janeiro, Brasil, através do rastreamento de dados do Programa Saúde da Família. Caderno Saúde Pública, 25(9): 1929-1936, 2009.

PEIXOTO, Sergio Viana et al. Condições de saúde e tabagismo entre idosos residentes em duas comunidades brasileiras (Projetos Bambuí e Belo Horizonte). Caderno Saúde Pública, 22(9): 1925-1934, 2006.

PEDRAZZI, Elizandra Cristina et al. Arranjo domiciliar dos idosos mais velhos. Revista Latino-Americana de Enfermagem; 18 (1):[08 telas] 2010.

PILGER, Calíope et al. Características sociodemográficas e de saúde de idosos: contribuições para os serviços de saúde. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 19(5):[09 telas], 2011.

ROCHA, Francisca Viana et al. Perfil de idosos assistidos por equipe da Estratégia Saúde da Família em Teresina, Piauí. Revista Interdisciplinar NOVAFAPI, v.4, n.4, p.36-41,2011.

SANTOS, Maria Auxiliadora Bessa; MATTOS, Inês Echenique. Condições de vida e saúde da população idosa do Município de Guaramiranga-CE. Epidemiologia & Serviços de Saúde, 20(2):193-201, 2011.

SIQUEIRA, Fernando Vinholes et al. Atividade física em adultos e idosos residentes em áreas de abrangências de unidades básicas de saúde de municípios das regiões Sul e Nordeste de Brasil. Caderno Saúde Pública; 24(1): 39-54, 2008.

TALBOT, Laura et al. Falls in young, middle aged and older community dwelling adults: perceived caused, environmental factors and injury. BMC Public Health; 5:86, 2005.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Active ageing: a policy framework. Spain: WHO, 2002,6p.

XAVIER, André Junqueira et al .Adesão à Estratégia de Saúde da Família protege idosos de eventos cardiovasculares e cerebrovasculares em Florianópolis, 2003 a 2007. Ciência & Saúde Coletiva, 13(5): 1543-1551,2008.




Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento. ISSN: 1517-2473 (impresso) e 2316-2171 (eletrônico)
Qualis Capes 2016, área interdisciplinar: B2