REFLEXÕES ACERCA DO ESTIGMA DO ENVELHECER NA CONTEMPORANEIDADE

Selena Mesquita de Oliveira Teixeira, Fernanda Xavier Santiago Marinho, Dorinaldo de Freitas Cintra Junior, José Clerton de Oliveira Martins

Resumo


O processo de envelhecimento humano possui suas peculiaridades e estabelece uma correspondência direta entre a maneira como as pessoas envelhecem e a representação que uma determinada cultura institui sobre o envelhecer. Com isso, este artigo propõe uma reflexão acerca do estigma de envelhecer na contemporaneidade. Os resultados apontam para a compreensão do processo de “tornar-se idoso” como uma experiência ambígua, na medida em que se percebe a distinção entre o sujeito em envelhecimento e o sujeito envelhescente. O envelhecer apresenta-se acompanhado de uma história de vida, e este é um dos aspectos fundamentais da maneira como o sujeito envelhece. A representação de velhice enraizada na sociedade atual exerce forte influência na qualidade desse processo. Os idosos nas sociedades contemporâneas são, em geral, vistos como problema social, ocasionando o sofrimento psíquico desses sujeitos.  Observou-se que a velhice é um construto social, bem como o ser humano em sua essência, ou seja, diversos são os aspectos que influenciam o estilo de vida, os valores e os padrões sociais e, consequentemente, os modos de ser do sujeito e as estruturas psíquicas que o constituem.

Palavras-chave


Envelhecimento; Estigma social; Contemporaneidade

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Sara; MOREIRA, Carmem Félix & NOGUEIRA, Sónia. (2013). Relações sociais, estereótipos e envelhecimento. Revista de Gerontologia |Vol.1|Nº 1|.

ANDRADE, Márcia Andréa Rodrigues. (2011). Estigma e Velhice: ensaios sobre a manipulação da idade deteriorada. Revista Kairós Gerontologia, 14(1), ISSN 2176-901X, São Paulo: 79-97.

BAPTISTA, Maria Manoel Rocha Teixeira. Tempos de ser e ciclo vital: elaborações culturais contemporâneas. In: MARTINS, José Clerton de Oliveira. (Ed.). Seminário Ócio e Contemporaneidade: tempo social e envelhescência nas culturas contemporâneas, 6., 22 e 23 de agosto de 2013, Fortaleza. Fortaleza: Unifor, 2013. (Não publicado).

BERLINCK, Manoel Tosta. A envelhescência. Boletim de Novidades da Livraria Pulsional, São Paulo, ano 9, n. 91, p. 5-8, 1996.

______. Psicopatologia fundamental. São Paulo: Escuta, 2000.

GUSMÃO, Neusa Maria Mendes. A maturidade e a velhice: um olhar antropológico. In: NERI, Anita Liberalesso. (Org.). Desenvolvimento e envelhecimento: perspectivas biológicas, sociológicas e psicológicas. Campinas, SP: Papirus, 2001. p. 113-139.

MINAYO, Maria Cecília de Souza; COIMBRA JR., Carlos Everaldo Alvares. Entre a liberdade e a dependência: reflexões sobre o fenômeno social do envelhecimento. In: ______. (Org.). Antropologia, saúde e envelhecimento. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2002. p. 11-24.

MOREIRA, Virgínia.; NOGUEIRA, Fernanda Nícia Nunes. Do indesejável ao inevitável: a experiência vivida do estigma de envelhecer na contemporaneidade. Psicologia USP, São Paulo, v. 19, n. 1, p. 59-79, jan./mar. 2008.

NERI, Anita Liberalesso. O fruto dá sementes: processos de amadurecimento e envelhecimento. In: ______. (Org.). Maturidade e velhice: trajetórias individuais e socioculturais. Campinas: Papirus, 2001. p. 11-52.

______. Palavras-chave em gerontologia. Campinas: Alínea, 2005.

NERI, Anita Liberalesso.; FREIRE, Sueli Aparecida. Qual a idade da velhice? In: ______. (Org.). E por falar em boa velhice. Campinas: Papirus, 2000. p. 7-19.

PRATA, Mário. Você é um envelhescente? "100 Crônicas", Cartaz Editorial/Jornal O Estado de São Paulo, São Paulo, p. 13, 1997.

PRUMES, Cristiane Pasqua. Ser deficiente, ser envelhescente, ser desejante. 2007. Dissertação (Mestrado em Gerontologia) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2007.

RHODEN, Ieda Maria. (2013). Tempos e estéticas do envelhecer. In: MARTINS, José Clerton de Oliveira. (Ed.). Seminário Ócio e Contemporaneidade: tempo social e envelhescência nas culturas contemporâneas, 6., 22 e 23 de agosto de 2013, Fortaleza. Fortaleza: Unifor, 2013. (Não publicado).

SALIS, Viktor David. O tempo da envelhescência. In: MARTINS, José Clerton de Oliveira. (Ed.). Seminário Ócio e Contemporaneidade: tempo social e envelhescência nas culturas contemporâneas, 6., 22 e 23 de agosto de 2013, Fortaleza. Fortaleza: Unifor, 2013. (Não publicado).

SCHNEIDER, Rodolfo Herberto; IRIGARAY, Tatiana Quarti. O envelhecimento na atualidade: aspectos cronológicos, biológicos, psicológicos e sociais. Estudos de Psicologia, Campinas, SP, v 25, n 4, p. 585-593, out./dez. 2008.

SOARES, Silvia Salles Godoy de Souza. Envelhescência: um fenômeno da modernidade à luz da psicanálise. São Paulo: Escuta, 2012.

TEIXEIRA, Ilka Nicéia D’Aquino Oliveira; NERI, Anita Liberalesso. Envelhecimento bem-sucedido: uma meta no curso da vida. Psicologia USP, São Paulo, v. 19, n. 1, p. 81-94, jan./mar. 2008.

YUNES, Maria Angela Mattar; SZYMANSKI, Heloísa. Resiliência: noção, conceitos afins e considerações críticas. In: TAVARES, José. (Org.). Resiliência e Educação. São Paulo: Cortez, 2001. p. 13-42.




Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento. ISSN: 1517-2473 (impresso) e 2316-2171 (eletrônico)
Qualis Capes 2016, área interdisciplinar: B2