NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA ATUAL DE IDOSAS: INFLUÊNCIA DO HISTÓRICO DE VIDA PREGRESSA

Rafaella Righes Machado, Cati Reckelberg Azambuja, Kelly Christine Maccarini Pandolfo, Daniela Lopes Dos Santos

Resumo


O objetivo deste estudo foi verificar se o histórico de vida pregressa influência no nível de atividade física atual de idosas ativas e sedentárias. Participaram do estudo 40 mulheres idosas. Destas, 12 eram praticantes de musculação, 16 eram praticantes de hidroginástica e 12 eram sedentárias. Foi aplicada uma entrevista com questões semi-es truturadas e o Questionário de Atividade Física Habitual. Anteriormente à aplicação dos instrumentos, para averiguar as funções cognitivas das idosas, foi realizado o Mini-Exame do Estado Mental. Os dados obtidos foram submetidos a um processo de análise descritiva, média, desvio padrão e frequência. As idosas dos três grupos estudados encontram- -se classificadas como “pouco ativas”. No âmbito de recreação e lazer, a realização de brincadeiras passivas e ativas foi menor entre as sedentárias na infância e adolescência e, para as praticantes de musculação, as brincadeiras passivas na adolescência foram maiores. As práticas esportivas tiveram declínio na adolescência nos três grupos, tanto no âmbito de recreação e lazer como no educacional, porém, foram mais elevadas para as idosas ativas. Os três grupos apresentaram elevados percentuais de realização de atividades domésticas, tanto na infância como na adolescência. Conclui-se que o estilo de vida pregressa das idosas que participaram deste estudo contribuiu para o desfecho do nível de atividade física atual, independente do grupo e/ou atividade que pertencem.


Palavras-chave


Histórico da Vida Pregressa; Nível de Atividade Física Atual; Mulheres Idosas

Texto completo:

PDF

Referências


AGOSTINHO, Cíntia Simões et al. Idosos num Brasil que envelhece: uma análise multidimensional da pobreza. In: XV ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDOS POPULACIONAIS, 2006, Caxambu, MG. Anais... Caxambu, MG: ABEP, 2006, p. 01-19.

ALVES, João Guilherme Bezerra. Atividade física em crianças: promovendo a saúde do adulto. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, Recife, v. 3, n. 1, p. 5-6, jan./mar. 2003.

ALVES, João Guilherme Bezerra et al. Prática de esportes durante a adolescência e atividade física de lazer na vida adulta. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, Niterói, v. 11, n. 5, p. 291-4, set./out. 2005.

ARAÚJO, Denise Sardinha Mendes Soares et al. Aptidão física, saúde e qualidade de vida relacionada à saúde em adultos. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, Niterói, v. 6, n. 5, p.194-203, set./out. 2000.

BARBOSA, Neusa Maria Carvalho et al. O brincar em diferentes gerações: compartilhando experiências e atividades lúdicas na prática educativa. Revista Brasileira de Ciências do Envelhecimento Humano, Passo Fundo, v. 4, n. 2, p. 127-135, jul./dez. 2007.

BENEDETTI, Tânia Rosane Bertoldo et al. Atividade Física e Estado de Saúde Mental de Idosos. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 42, n. 2, p. 302-207, abr. 2008.

COHEN-MANSFIELD, Jiska et al. Motivators and barriers to exercise on older community-Dwelling population. Journal of Aging and Physical Activity, Champaign, v. 11, n. 2, p. 242-53, abr./jun. 2003.

CURTIS, James et al. Age and physical activity among canadian women and men: finding from longitudinal survey data. Journal of Aging and Physical Activity, Champaign, v. 8, n. 1, p. 1-19, jan./mar. 2000.

DEMONT-HEINRICH, Christine. The Association between physical activity, mental health and quality of life: A population-based study. Health Watch, v.71, may, 2009.

FEDERAÇÃO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA - FIEP. Manifesto Mundial de Educação Física FIEP - 2000. Paraná: Gráfica e Editora Kaygangue, 2000.

GALLAHUE, David Lee et al. Compreendendo o desenvolvimento motor: bebês, crianças, adolescentes e adultos. 3. ed. São Paulo: Phorte, 2001.

GUEDES, Dartagnam Pinto et al. Níveis de prática de atividade física habitual em adolescentes. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, Niterói, v.7, n. 6, p. 187-99, nov./dez. 2001.

HIRVENSALO, Mirja et al. Physical exercise in old age: an eight-year follow-up study on involvement, motives and obstacles among person age 65-84. Journal of Aging and Physical Activity, Champaign, v. 6, n. 2, p. 157-68, abr./jun. 1998.

HIRVENSALO, Mirja et al. Mobility difficulties and physical activity as predictors of mortality and loss of Independence in the community-living older population. Journal American Geriatrics Society, v. 48, n. 5, p. 493-98, mai. 2000.

HOUSTON, Thomas et al. Sports ability in young men and the incidence of cardiovascular disease. American Journal of Medicine, v. 112, n. 9, p. 689-695, jun. 2002.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Perfil dos Idosos Responsáveis pelo Domicílio. 2009. Disponível em: . Acesso em: 22 ago.2013.

LANGLEY, David et al. Continuity in sport partcipation as na adaptive strategy in the aging process: a life span narrative. Journal of Aging and Physical Activity, Champaign, v. 7, n. 1, p. 32-54, jan./mar. 1999.

LOURENÇO, Roberto Alves et al. Mini-Exame do Estado Mental: características psicométricas em idosos ambulatoriais. Revista de Saúde Pública, v. 40, n. 4, p. 712-719, ago. 2006.

MUMMERY, Kerry Will et al. Associations between physical activity and other lifestyle behaviors in older New Zealanders. Journal of Physical Activity Health, v. 4, n. 4, p. 411-422, oct. 2007.

NAHAS, Markus Vinícius. Atividade Física, Saúde e Qualidade de Vida: conceitos e sugestões para um estilo de vida ativo. 3. ed. Londrina: Midiograf, 2003.

PEREIRA João Raimundo Peixoto et al. O perfil dos ingressantes de um programa de educação física para idosos e os motivos da adesão inicial. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, v. 23, n. 4, p. 319-334, out./dez. 2009.

PITSAVOS, Christos et al. Epidemiology of leisure physical activity in socio-demographic, lifestyle and psychological men and women in Greece: the ATTICA Study. Public Health, v. 5, n. 1, p. 37, apr. 2005.

SARDINHA, Aline et al. Tradução e Adaptação Transcultural do Questionário de Atividade Física Habitual. Revista de Psiquiatria Clínica, v. 37, n. 1, p. 16-22, abr. 2010.

SILVA, Kelly Samara et al. Comportamentos sedentários associados ao excesso de peso corporal. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, v. 21, n. 2, p. 135-41, abr./jun. 2007.

SIQUEIRA, Fernando Vinholes et al. Atividade física em adultos e idosos residentes em áreas de abrangência de unidades básicas de saúde de municípios das regiões Sul e Nordeste do Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 24, n. 1, p. 39-54, jan. 2008.

TOSCANO, José Jean Oliveira et al. Qualidade de vida em idosos com distintos níveis de atividade física. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, v. 15, n. 3, p. 169-173, mai./jun. 2009.

TRIBESS, Sheila et al. Fatores Associados à Inatividade Física em Mulheres Idosas em Comunidades de Baixa Renda. Revista del Salud Pública, v. 11, n. 1, p. 39-49, feb. 2009.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Active Ageing: a policy framework. Second United World Assembly on Aging. Madrid, Spain, 2002.




Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento. ISSN: 1517-2473 (impresso) e 2316-2171 (eletrônico)
Qualis Capes 2016, área interdisciplinar: B2