TRAJETÓRIAS DE FEIRANTES IDOSOS: RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, CORPO E TRABALHO

Samuel Pires Melo

Resumo


O presente artigo tem o objetivo de discutir as múltiplas concepções de trabalho, corpo e envelhecimento através das relações de proximidade firmadas na trajetória de feirantes idosos da feira de Delmiro Gouveia-AL. A pesquisa foi realizada sob o viés quali-quantitativo. Os dados foram obtidos através de pesquisa de campo, com as técnicas questionários e entrevistas semi-estruturadas. O estudo demonstrou ser necessário desprender do olhar ora físico ou simplesmente social para mostrar que as trajetórias de vida desses sujeitos estão firmadas pelas relações de proximidade, desde as ordens produtivo-econômicas às de natureza social e política, que permitem sua reprodução social.


Palavras-chave


Envelhecimento; Corpo; Trabalho; Relações de proximidade

Texto completo:

PDF

Referências


BEAUVOIR, Simone de. A velhice. 5 ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1990.

BOSI, Eclea. Memória e sociedade: lembranças de velhos. 16 ed. São Paulo: Cia. das Letras, 2010.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. A partilha da vida. São Paulo: GEIC/Cabral, 1995.

BRAUNSTEIN, Florence; PÉPIN, Jean-François. O lugar do corpo na cultura ocidental. Lisboa: Piaget Editora, 1999.

CANDIOTTO, Luciano Zanetti Pessôa; CORRÊA, Walquíria Kruger. Ruralidades, urbanidades e a tecnicização do rural no contexto do debate cidade-campo. Campoterritório: revista de geografia agrária, Uberlândia, v. 3, n. 5, p. 214-242, Fev. 2008.

CARNEIRO, Maria José. Ruralidade: novas identidades em construção. Estudos sociedade e agricultura, Rio de Janeiro, v. 1, n. 11, p. 63-75, Out. 1998.

ELIAS, Norbert. Introdução à Sociologia. Braga: Edições 70, 1980.

FREITAS, Maria Célia de et al. O significado da velhice e da experiência de envelhecer para os idosos. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 44, n. 2, p. 407-412, Jun. 2010.

GARCIA-PARPET, Marie. Feira e trabalhadores Rurais: as feiras do Brejo e do Agreste Paraibano. Rio de Janeiro: UFRJ, 1984. 237 p. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – PPGAS - Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 1984.

JORDÃO NETTO, Antonio. Gerontologia Básica. São Paulo: Lemos, 1997.

MALDAUN, Daise et al. Espiritualidade / Religiosidade. In: NERI, Anita Liberalesso (Org.). Palavras-Chaves em Gerontologia. Campinas: Alínea, 2008, p.70-74.

MASCARO, Sonia de Amorim. O que é velhice. São Paulo: Brasiliense, 1997.

MAUSS, Marcel. Sociologia e Antropologia. v. 1 e 2. São Paulo: EPU/EDUSP, 1974.

MELO, Samuel Pires. Trajetórias de proximidade, redes e feiras: as práticas de agricultores familiares feirantes em Água Branca e Delmiro Gouveia, Alagoas. Recife: UFPE, 2012. 255 p. Tese (Doutorado em Sociologia) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2012.

MENDRAS, Henri. Sociedades Camponesas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1978.

MINAYO, Maria Cecília Souza; COIMBRA, Junior Carlos Everaldo Alvares. Antropologia, Saúde e Envelhecimento. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2002.

SABOURIN, Eric. Camponeses do Brasil: entre a troca mercantil e a reciprocidade. Rio de Janeiro: Garamond Universitaria, 2009.

SANTOS, Maria de Fátima Souza. Identidade e aposentadoria. São Paulo: Pedagógica e Universitária LTDA., 1990.

SILVA, Janaína Carvalho da. Velhos ou idosos. A terceira idade, São Paulo, v. 14, n. 26, p. 94-111, Jan. 2003.

WANDERLEY, Maria de Nazareth Baudel. Urbanização e ruralidade: relações entre a pequena cidade e o mundo rural. Recife: UFPE, 2001. Disponível em: . Acesso em: 12 set. 2008.




Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento. ISSN: 1517-2473 (impresso) e 2316-2171 (eletrônico)
Qualis Capes 2016, área interdisciplinar: B2