PERFIL DE UM GRUPO DE IDOSOS PARTICIPANTES DE UM PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE DOENÇAS CRÔNICAS

Maria Elisa Gonzalez Manso, Priscila Bovolini Galera

Resumo


O número de idosos aumenta a cada dia no Brasil. Este crescimento é acompanhado por uma maior prevalência de doenças crônicas que levam a um incremento na incapacidade funcional dos idosos. A manutenção da capacidade funcional ao envelhecer, relacionada à preservação da independência e autonomia, é uma das metas da atenção à saúde do idoso. Há quatro anos um programa de prevenção de doenças crônicas e de complicações advindas destas voltado para idosos acima de 65 anos é realizado em São Paulo por uma seguradora de saúde. Esta pesquisa busca descrever o perfil de saúde dos idosos que participam deste programa. Trata-se de um estudo exploratório, descritivo realizado com 409 idosos, cuja média de idade é de 73 anos, variando de 65 a 101 anos. A maioria são mulheres (65%), com elevado grau de instrução (68% acima do ensino fundamental completo) e, destas, algumas apresentam alto grau de comprometimento da capacidade funcional por terem maior idade (16 com dependência parcial ou completa). Destaca-se a prevalência de hipertensão arterial (48%) e dislipidemias (43%), bem como o número de comorbidades (89% com quatro ou mais doenças crônicas não transmissíveis associadas). Foi encontrada ainda prevalência de 13% de idosos com baixo peso e 39% com obesidade, em sua maioria mulheres. Este perfil demonstra as características deste grupo de idosos e é um passo inicial para a avaliação do programa de prevenção como um todo, avaliação esta que já se encontra em andamento. Ressalta-se que o bem estar na velhice é adquirido através do equilíbrio entre as diversas dimensões que compõem a capacidade funcional do idoso, daí a importância de investigá-la.


Palavras-chave


Idosos. Doenças Crônicas. Prevenção de Doenças.

Texto completo:

PDF

Referências


ACHUTTI, Aloysio. AZAMBUJA, Maria Inês Reinert. Doenças crônicas não-transmissíveis no Brasil: repercussões do modelo de atenção à saúde sobre a seguridade social. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 2004, v.9, n. 4, p. 833-840, Out.- Dez. 2004.

ALVES, Luciana Correia et. al. A influência das doenças crônicas na capacidade funcional dos idosos do Município de São Paulo, Brasil. Cadernos Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.23, n.8, p. 1924-1930, Ago. 2007.

ARAÚJO, Fátima et. al. Validação do Índice de Barthel numa amostra de idosos não institucionalizados. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v.25, n.2, p. 59-66, Jul.- Dez. 2007.

BORIM, Flávia Silva Arbex et. al. Auto avaliação de Saúde em idosos: pesquisa de base populacional no Município de Campinas, São Paulo, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.28, n.4, p. 769-780, Abr. 2012.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022. 1ª ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2011.

CAMARANO, Ana Amélia. KANSO, Solange. Como vive o idoso brasileiro? In: CAMARANO, Ana Amélia. Os Novos Idosos Brasileiros: Muito Além dos 60?. Rio de Janeiro: IPEA, 2004, p. 25-73.

CAMPOS, Marta Alice Gomes et. al. Estado Nutricional e Fatores Associados Em Idosos. Revista da Associação Médica Brasileira. São Paulo, v.52, n.4, p. 214-221, Julh.- Ago. 2006.

CARDOSO, Juliani Hainzenreder. COSTA, Juvenal Soares Dias. Características epidemiológicas, capacidade funcional e fatores associados em idosos de um plano de saúde. Ciência & Saúde Coletiva. São Paulo, v. 15, n. 6, p. 2871-2878, 2010.

COSTA, Elisa Franco de Assis. MONEGO, Estelamaris Tronco. Avaliação Geriátrica Ampla (AGA). Revista da UFG. Goiânia, v.5, n. 2, Dez. 2003.

FONSECA, Maria das Graças Uchôa Penido et. al.. Papel da autonomia na auto-avaliação da saúde do idoso. Revista Saúde Pública. São Paulo, v. 44, n.1, p.159-65. 2010.

GOULART, Flavio A. de Andrade. Doenças Crônicas Não Transmissíveis: Estratégias de Controle e Desafios para os Sistemas de Saúde. Brasília: Organização Pan-Americana de Saúde, 2011.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Pesquisa Nacional de Amostras Domicílio – 2005. Disponível em:

. Acesso em 16 de Set. de 2008.

LIMA-COSTA, Maria Fernanda Lima-Costa et. al.. Tendências nas condições de saúde e uso de serviços de saúde entre idosos brasileiros: um estudo baseado na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (1998, 2003). Cadernos de Saúde Pública. Rio de Janeiro, v.23, n. 10, pg. 2467-2478, Out. 2007.

MAGNABOSCO, Molise de Bem Magnabosco et. al.. Avaliação dos padrões de uso de álcool em usuários de serviços de Atenção Primária à Saúde de Juiz de Fora e Rio Pomba (MG). Revista Brasileira de Epidemiologia. Rio de Janeiro, v. 14, n.4, p. 637-647. 2007.

MANSO, Maria Elisa Gonzalez. E a vida como vai? Avaliação da qualidade de vida de um grupo de idosos portadores de doenças crônicas não transmissíveis vinculados a um programa de promoção da saúde. 2009. 151 p. Dissertação. (Mestrado em Gerontologia). Programa de Estudos Pós-graduados em Gerontologia PUC de São Paulo. 2009.

MANSO, Maria Elisa Gonzalez. RIBEIRO, Monica Priscila. Caracterização das condições de saúde de um grupo de idosos pertencente a um plano de saúde. Revista Brasileira de Medicina. São Paulo, v.69, n. 3, p. 45- 55, Mar. 2012.

MAUÉS, Cristiane Ribeiro et. al.. Avaliação da qualidade de vida: comparação entre idosos jovens e muito idosos. Revista Brasileira Clinica Medica. São Paulo, v.8, n.5, p. 405-410, Set-Out. 2010.

MONTEIRO, Carlos Augusto et. al. Monitoramento de fatores de risco para doenças crônicas por entrevistas telefônicas. Revista Saúde Pública. São Paulo, v.39, n.1, p. 47-57, Jan. 2005.

NERI, Anita Liberalesso et. al.. Idosos no Brasil vivências, desafios e expectativas na terceira idade. São Paulo: Perseu Abramo, 2007.

NÓBREGA, Antônio Claudio Lucas et. al. Posicionamento oficial da sociedade brasileira de medicina do esporte e da sociedade brasileira de geriatria e gerontologia: atividade física e saúde nos idosos. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. São Paulo, v.5, n.6, p. 207-211, Nov. - Dez. 1999.

OLSHANSKY, Jay et. al.. The Longevity Dividend: Health as an Investment In Beard, John et. al. Global Population Ageing: Peril or Promise? Disponível em: . Acesso em 24 de Set. de 2012

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DE SAÚDE. Envelhecimento Ativo: Uma política de saúde. Brasília: Organização Pan-Americana de Saúde, 2005.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. NCD Country Profiles: Brazil , 2011.

RIBEIRO, Amanda Gomes et. al. Promoção da Saúde e a Prevenção Integrada dos Fatores de Risco para Doenças Cardiovasculares. Ciência & Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, v.17, n.1, p.7-17, Jan. 2012

SPEROTTO, Francieli Marina. SPINELLI, Roseana Baggio. Avaliação nutricional em idosos independentes de uma instituição de longa permanência no município de Erechim-RS. Perspectiva. Erechim, v.34, n.125, p. 105-116, Mar. 2010.

VERAS, Renato. Envelhecimento populacional contemporâneo: demandas, desafios e inovações. Revista Saúde Pública. São Paulo, v.43, n.3, p.548-544, Mai. –Jun. 2009.

VERAS, Renato et. al. Características demográficas dos idosos vinculados ao sistema suplementar de saúde no Brasil. Revista Saúde Pública. São Paulo, v.42, n.3, p.497-502, Abr. 2008.

ZAHIDI, Saadia. Women and Ageing In Beard, John et. al. Global Population Ageing: Peril or Promise? Disponível em: . Acesso em 24 de Set. de 2012




Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento. ISSN: 1517-2473 (impresso) e 2316-2171 (eletrônico)
Qualis Capes 2016, área interdisciplinar: B2