SENHORAS DE SI E DO PRÓPRIO TEMPO. NARRATIVAS E REPRESENTAÇÕES SOBRE O TEMPO ENTRE MULHERES IDOSAS

Cristiane Leal Rodrigues Soares

Resumo


Este trabalho é resultado de uma pesquisa recentemente defendida no doutorado em Sociologia na UFPB. Nele objetiva-se discutir de forma panorâmica algumas representações do tempo por mulheres idosas pertencentes a dois segmentos sociais distintos: os segmentos médios e populares. Procura-se ainda apresentar alguns dos usos que elas fazem do tempo cotidiano, revelando a velhice como uma fase favorável para o desenvolvimento de uma vida para si, autossatisfatória, que tem como base o enaltecimento de uma ética que privilegia “um tempo para si” em detrimento ao “tempo dedicado aos outros”, especialmente à família. Os elementos empíricos deste trabalho foram qualitativamente selecionados. Utilizou-se primordialmente o recurso das narrativas de vida de 13 senhoras, com idade entre 60 e 70 anos, pertencentes aos segmentos citados, segundo os moldes de Bertaux (1997), residents na cidade de João Pessoa. Também foram realizadas observações diretas, seguindo as orientações metodológicas de Magnani (2002), em um dos bairros dessa cidade, o bairro de Bancários. As narrativas das senhoras em relação ao tempo mostram a preocupação de um redimensionamento do tempo limitado pela ideia de seu próprio fim, a partir da opinião de que o tempo passado parece ser mais longo do que aquele que se está por vir. Com isso ressalta-se a necessidade de um tempo para se viver melhor o aqui e o agora, priorizando o presente e seu bom proveito.


Palavras-chave


Mulheres idosas; Tempo para si; Tempo para os outros;

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Eliane Schmaltz Ferreira. Somando Papéis Sociais: trajetórias femininas e seus conflitos. Salvador: UFB, 1992. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) - Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 1992.

BECK, Ulrich; BECK-GERNSHEIM, Elisabeth. La Individualización: El Individualismo institucionalizado y sus consecuencias sociales y políticas. Barcelona: Paidos Iberica, 2003.

BERTAUX, Daniel. Les récits de vie: Perspective ethnosociologique. Paris: Éditions Nathan, 1997.

BOSI, Ecléa. Memória e Sociedade: Lembranças de velhos. 3 ed. São Paulo: Companhia das letras, 1994.

BOURDIEU, Pierre. Sociologia (organizado por Renato Ortiz). São Paulo: Ática, 1983.

BRITTO DA MOTTA, Alda. Recontando o tempo de madureza. In : KOURY, Mauro et al. (Org.). Cultura e Subjetividade. João Pessoa: Ed. Universitária, 1996, p. 71-82.

_______________. Chegando pra idade. In: LINS DE BARRO (Org.). Velhice ou terceira idade? Estudos antropológicos sobre identidade, memória e política. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2007, p. 223-235.

DEBERT, Guita Grin. Gênero e Envelhecimento. Revista de Estudos Feministas, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 33-51, Mar. 1994.

___________. A reinvenção da velhice: socialização e processos de reprivatização do envelhecimento. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo/Fapesp, 1999.

DELGADO. Josimara A. Memórias de velhos trabalhadores aposentados: estudo sobre geração, identidade e cultura. Rio de Janeiro: UFRJ, 2007. Tese (Doutorado em Serviço Social) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2007.

DURHAM, Eunice Ribeiro. Movimentos sociais: a construção da cidadania. Novos Estudos, São Paulo, n. 10, p. 24-30, Out. 1984.

___________. A Sociedade Vista da Periferia. In: A dinâmica da cultura: ensaios de antropologia. São Paulo: Cosac e Naify, 2004, p. 377-407.

FRANCH, Mónica. Tempos, contratempos e passatempos: um estudo sobre práticas e sentidos do tempo entre jovens de grupos populares do Grande Recife. Rio de Janeiro: UFRJ, 2008. Tese (Doutorado em Antropologia Cultural) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2008.

FRANCH, Mónica; QUEIROZ, Tereza. Da casa à praça. Um estudo da revitalização de praças em João Pessoa. Belo Horizonte: Argumentum, 2010.

HALBWACHS, Maurice. A Memória Coletiva. São Paulo: Editora Vértice, 1999.

LECCARDI, Carmen. Facing uncertainty. Temporality and biographies in the new century. Young, London, v. 13, n. 2, p. 123-146, May 2005.

___________. Por um novo significado de Futuro. Mudança Social, jovens e tempo. Tempo Social, revista de sociologia da USP, v. 17, n. 2, p. 35-57, Ago. 2005a.

MAGNANI, José Guilherme Cantor. De Perto e de Dentro: notas para uma etnografia urbana. Revista brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 17, n. 49, p. 11-29, Jun. 2002.

NOWOTNY, Helga. Le temps à soi. Genèse et structuration d’un sentiment du temps. Paris: Éditions de la Maison des sciences de l’homme, 1992.

SOARES, Cristiane Leal Rodrigues. Entre viver para si e viver para os outros: envelhecimento feminino e individualização. Paraíba - UFB, 2013. Tese (Doutorado em Sociologia) - Universidade Federal da Paraíba, 2013.

THOMPSON, Edward Palmer. Costumes em Comum. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

VELHO, Gilberto. Individualismo e Cultura. Notas para uma Antropologia da Sociedade Contemporânea. 8 ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.




Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento. ISSN: 1517-2473 (impresso) e 2316-2171 (eletrônico)
Qualis Capes 2016, área interdisciplinar: B2