AUTONOMIA EM IDOSOS COM DOENÇA DE ALZHEIMER: CONTRIBUIÇÕES DO PROJETO ESTRATÉGIAS DE DIAGNÓSTICO E REABILITAÇÃO SOCIAL DE IDOSOS DEPENDENTES E APOIO PSICOSSOCIAL DE CUIDADOR DOMICILIAR

Marilia de Rosso Krug, Karine Bueno do Nascimento, Solange Beatriz Billig Garces, Carolina Böettge Rosa, Ângela Vieira Brunelli, Dinara Hansen

Resumo


Este estudo buscou analisar as contribuições de atividades terapêuticas psicossociais e funcionais na autonomia e na aptidão física de seis idosos com doença de Alzheimer. A autonomia foi avaliada com a Escala ADL de Katz e a Aptidão física através da bateria de testes de Rikli e Jones. Os encontros com o grupo de idosos e cuidadores ocorreram quinzenalmente, perfazendo um total de 12 sessões. As atividades terapêuticas psicossociais e funcionais constaram de alongamentos, caminhada e dança, tendo cada sessão duração de aproximadamente 40 minutos. Na sequência, os idosos realizavam atividades diversificadas de memorização através de jogos didáticos, quebra-cabeças, jogos de habilidades motoras finas e destrezas manuais, além de atividades sensoriais envolvendo gosto, tato e olfato. Os dados foram interpretados e descritos por meio da inferência percentual e da estatística descritiva. Após analisar os dados, observaram-se melhoras, de pré para pós-teste, nas variáveis: capacidade de transferir-se de um local para outro, em 6,7%, na continência, em 16,7%, e na capacidade para alimentar-se, em 66,7%, sendo esta última estatisticamente significativa (p=0,025). Os valores da aptidão física mostraram que os idosos estavam numa classificação muito abaixo do normal. Ao comparar esses valores em termos de média, de pré para o pós-teste, foi possível observar melhora estatisticamente significativa (p=0,012) somente na variável de flexibilidade de membros superiores. Sendo assim, foi possível concluir que um programa de atividades físicas para idosos com Alzheimer é muito importante, no entanto deve haver maior regularidade de sessões para que os resultados possam ser mais relevantes.

Palavras-chave


Doença de Alzheimer. Atividade Motora. Aptidão Física.

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Izabella Dutra; FORLENZA, Orestes Vicente; BARROS, Hélio Lauar. Demência de Alzheimer: correlação entre memória e autonomia. Revista de Psiquiatria Clínica, São Paulo, v. 32, n. 3, p. 131-136, maio/jun. 2005.

ALVES, José Eustáquio Diniz. Transição demográfica, transição da estrutura etária e envelhecimento. Revista Portal de Divulgação, São Paulo, n. 40, ano IV, p. 8-15, mar./abr./maio 2014.

ALZHEIMER’S DISEASE INTERNATIONAL. Relatório sobre a Doença de Alzheimer no mundo de 2009. Resumo Executivo. Disponível em: http://www.alz.co.uk/research/files/WorldAlzheimerReport-Portuguese.pdf. Acesso em: 23 jul. 2011.

ARAÚJO, Claudia Lysia de O.; NICOLI, Juliana Silva. Uma revisão bibliográfica das principais demências que acometem a população brasileira. Kairós, São Paulo, v. 13, n. 1, p. 231-244, jun. 2010.

ARRUDA, Michel Coral; ALVAREZ, Ângela Maria; GONÇALVES, Lucia Hasako Takase. O familiar cuidador de portador de doença de Alzheimer participante de um grupo de ajuda mútua. Ciência, Cuidado e Saúde, Maringá, v. 7, n. 3, p. 339-345, jul./set. 2008.

BANDEIRA, Denise Ruschel; GONÇALVES, Tonantzin Ribeiro; PAWLOWSKI, Josiane. Envelhecimento e dependência: impacto sobre familiares-cuidadores de portadores de síndrome demencial. In: PARENTE, Maria Alice de Mattos Pimenta (Org.). Cognição e Envelhecimento. Porto Alegre: Artmed, 2007. p. 275-284.

BORGES, Márcio Fernando. Convivendo com Alzheimer: Manual do Cuidador de Alzheimer. Minas Gerais: ABRAZ, 2011. Disponível em: http://www.cuidardeidosos.com.br/wp-content/uploads/2008/04/manual-do-cuidador-alzheimer.pdf. Acesso em: 23 jul. 2011.

BRASIL. Lei 8.842, de 4 de janeiro de 1994. Dispõe sobre a Política Nacional do Idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras Providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 5 jan. 1994.

CINTRA, Marco Túlio Gualberto et al. Avaliação do programa público brasileiro de tratamento da doença de alzheimer, no ano de 2008. Governo do Estado de São Paulo. Disponível em: http://www.saude.sp.gov.br/resources/ses/perfil/profissional-da-saude/grupo-tecnico-de-acoes-estrategicas-gtae/saude-da-pessoa-idosa/encontro-nacional-de-coordenadores-de-saude-da-pessoa-idosa/avaliacao_do_programa_publico_brasileiro_de_tratamento_da_doenca_de_alzheimer_no_ano_de_2008.pdf. Acesso em: 10 maio 2012.

COUTINHO FILHO, Roque Crispim. As influências da prática de atividade física nas funções cognitivas em idosos. Lecturas: Educación Física y Deportes, Buenos Aires, año 12, n. 118, p. 1-1, marzo 2008.

FARINATTI, Paulo de Tarso Veras. Envelhecimento: promoção da saúde e exercícios. São Paulo: Manole, 2008. 499 p.

GARCES, Solange Beatriz Billig et al. Estratégias de diagnóstico, reabilitação social de idosos com Alzheimer e apoio psicossocial ao cuidador: uma experiência na Unicruz. Cataventos, Cruz Alta, n. 2, p. 1-18, 2010.

HASSEN, Vivian Garcia et al. Perfil funcional de portadores da doença de Alzheimer na enfermaria de geriatria do Hospital do Servidor Público Estadual “Francisco Morato de Oliveira”. Revista Médica do IAMSPE, São Paulo, v. 31, n. 4, p. 189-193, 2006.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Demográfico: resultados preliminares – 2010. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/resultados_preliminares_amostra/notas_resultados_preliminares_amostra.pdf. Acesso em: 15 maio 2012.

LENARDT, Maria Helena et al. Desempenho das atividades de vida diária em idosos com Alzheimer. Cogitare Enfermagem, Curitiba, v. 16, n. 1, p. 13-21, jan/mar. 2011.

MARRA, Taís de Almeida et al. Avaliação de atividades de vida diária de idosos com diferentes níveis de demência. Revista Brasileira de Fisioterapia, São Carlos, v. 11, n. 4, p. 267-273, jul/ago. 2007.

MATSUDO, Sandra Marcela Mahecha. Envelhecimento, atividade física e saúde. Boletim do Instituto de Saúde, São Paulo, n. 47, p. 75-78, abr. 2009.

NEVES, Luís Pedro Gomes. Caracterização dos parâmetros morfológicos e da aptidão física em idosos do Concelho de Coimbra: sua relação com a qualidade de vida. 2009. 89 f. Dissertação (Licenciatura em Educação Física) – Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física, Universidade de Coimba, Coimbra, 2009. Disponível em: http://hdl.handle.net/10316/11998. Acesso em: 27 jun. 2012.

OLIVEIRA, Debora Lopes Costa; GORETTI, Luciane Correa; PEREIRA, Leani Souza Máximo. O desempenho de idosos institucionalizados com alterações cognitivas em atividades de vida diária e mobilidade: estudo piloto. Revista Brasileira de Fisioterapia, São Carlos, v. 10, n. 1, p. 91-96, jan/mar. 2006.

OLIVEIRA, Maria de Fátima et al. Doença de Alzheimer: perfil neuropsicológico e tratamento. 2005. 21 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Psicologia em Saúde) – Departamento de Psicologia, Universidade Lusíada do Porto, Porto, 2005.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. A ONU e as pessoas idosas. Relatório da Organização das Nações Unidas, 2011. Disponível em: http://nacoesunidas.org/acao/pessoas-idosas. Acesso em: 7 maio 2014.

PEREIRA, Márcio de Moura; SAFONS, Marisete Peralta. Metodologia da Dança de Salão para Idosos. In: SAFONS, Marisete Peralta; PEREIRA, Márcio de Moura (Org.). Educação Física para Idosos: por uma prática fundamentada. 2. ed. Brasília: CREF/DF- FEF/UnB/GEPAFI, 2007. p. 165-167.

RIKLI, Roberta; JONES, Jessie. Teste de Aptidões Físicas para Idosos. Barueri: Manole, 2008. p. 183.

SANTARÉM, José Maria. Qualidade dos exercícios resistidos. Saúde Total, 19 maio 1999. Disponível em: http://www.saudetotal.com.br/artigos/atividadefisica/qualidade.asp. Acesso em: 14 abr. 2011.

SANTOS, Ariene Angeline dos; PAVARINI, Sofia Cristina Iost. Perfil dos cuidadores de idosos com alterações cognitivas em diferentes contextos de vulnerabilidade social. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, v. 31, n. 1, p. 115-122, mar. 2010.

SCHLINDWEIN-ZANINI, Rachel. Demência do idoso: aspectos neuropsicológicos. Revista Neurociências, São Paulo, v. 18, n. 2, p. 220-226, abr./maio 2010.

TALMELLI, Luana Flávia da Silva. Nível de independência funcional de idosos com Doença de Alzheimer. 2009. 113 f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) – Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2009.

VIEIRA, Renata Teles; CAIXETA, Leonardo. Epidemiologia da Doença de Alzheimer. In: CAIXETA, Leonardo et al. Doença de Alzheimer. Porto Alegre: Grupo A, 2012.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Dementia: a public health priority. Geneva: WHO, 2012. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/75263/1/9789241564458_eng.pdf?ua=1. Acesso em: 22 set. 2014.

ZIDAN, Melissa et al. Alterações motoras e funcionais em diferentes estágios da doença de Alzheimer. Revista de Psiquiatria Clínica, São Paulo, v. 39, n. 5, p. 161-165, 2012.




Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento. ISSN: 1517-2473 (impresso) e 2316-2171 (eletrônico)
Qualis Capes 2016, área interdisciplinar: B2