ORIENTAÇÕES POLÍTICAS E PRÁTICA PROFISSIONAL EM INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS

Joyce Alonso Canto da Silva, Maria Helena Morgani de Almeida

Resumo


No Brasil verifica-se aumento das doenças crônicas não transmissíveis que podem comprometer a funcionalidade do idoso com conseqüente perda de autonomia e independência e resultar em institucionalização de permanência. Políticas públicas para idosos têm buscado garantir atenção integral à saúde da população idosa. Considerando-se, a priori, recursos humanos capacitados e diversificados como um dos indicadores do processo de implementação das políticas nas práticas assistenciais, este estudo investiga possíveis relações entre práticas profissionais em Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPIs) e orientações políticas presentes em documentos oficiais. Realizou-se pesquisa documental entre 1989 e 2009, referente à publicação dos principais documentos oficiais e também pesquisa bibliográfica relativa às práticas assistenciais em ILPIs. Foram localizadas publicações que datam de 1985 a 2010. Entre os 12 trabalhos sobre práticas assistenciais selecionados, 6 utilizam como referência ao menos 1 dos 9 documentos oficiais analisados. Cinco (5) desses trabalhos dialogam com tais documentos através de discussões e 1 os utiliza apenas para justificar sua prática. Ainda que de forma não sistemática, a influência dos documentos oficiais sobre parte dos trabalhos realizados foi observada. Nesses casos, os profissionais demonstraram utilizar tais dispositivos legais como instrumentos factíveis para o desenvolvimento de ações em saúde. Reforça-se, portanto, a importância da criação de políticas de amparo aos idosos residentes nas ILPIs e voltadas ao aprimoramento dos profissionais que nela atuam.

In Brazil there is an increase in chronic diseases that can compromise the functionality of the elderly with consequent loss of autonomy and independence and result in his permanent institutionalization. Public policies for the elderly have sought to guarantee comprehensive health care of the elderly population. Considering first, trained and diversified human resources as an indicator of the process of policy implementation in healthcare practice, this study investigates possible relationships between professional practices conducted in Homes for the Aged and policy guidelines of official documents. Documentary research was carried out between 1989 and 2009 on the main publication of official documents and also literature research was carried on care practices in Homes for the Aged. Publications were found dating from 1985 to 2010. Among the 12 selected papers on care practices, 6 using as a reference, at least one of the nine official documents analyzed. Five (5) of these works relate to such documents through discussions and one uses them only to justify their practice. Albeit not systematically, the influence of official documents on the part of the work was observed. In such cases, practitioners demonstrated using such legal devices as feasible instruments for the development of actions in health. It is reinforced therefore, the importance of creating support policies for the elderly residents in Homes for the Aged and related to improving the professionals who work in it.

 


Palavras-chave


Instituição de Longa Permanência para Idosos; Políticas Públicas; Prática Profissional

Texto completo:

PDF

Referências


AGENCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA (ANVISA). Resolução da Diretoria Colegiada nº 283, de 26 de setembro de 2005. Aprova o regulamento técnico que define normas de funcionamento para as instituições de longa permanência para idosos. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2005.

BRASIL. Ministério da previdência e assistência social. Portaria no 73, de 10 de maio de 2001. Aprova as Normas de funcionamento de serviços de atenção ao idoso no Brasil. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2001.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria no 395, de 10 de dezembro de 1999. Aprova a Política de Saúde do idoso. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 1999.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria no 2528, de 19 de outubro de 2006. Aprova a Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2006.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria no 810, de 22 de setembro de 1989. Aprova as normas e padrões para o funcionamento de casas de repouso, clínicas geriátricas e outras instituições destinadas ao atendimento de idosos: Diário Oficial da União, Brasília, DF, 1989.

BRASIL. Ministério Do Bem-Estar Social. Lei no 8842, de 04 de janeiro de 1994. Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 1994.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à fome. Conselho nacional de Assistência Social. Resolução no 109, de 11 de novembro de 2009. Aprova a Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2009.

CAMARANO, Ana Amélia; KANSO, Solange. As instituições de longa permanência para idosos no Brasil. Revista Brasileira de Estudo de População, Rio de Janeiro, v. 27, n. 1, p. 233-235 jan./jun. 2010.

CAMARANO, Ana Amélia; PASINATO, Maria Tereza. O envelhecimento da populacional na agenda das políticas públicas. In: CAMARANO, Ana Amélia (Org). Os novos idosos

brasileiros muito além dos 60? Rio de Janeiro: IPEA - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 2004, p. 253-292.

GIL, Antonio Carlos. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

LEARNDT, Maria Helena; WILLIG, Mariluci Hautsch; SILVA, Sheilla Cristina da; SHIMBO, Adriano Yoshio; TALLMANN, Ana Elisa Casara; MARUO, Gláucia Harume. O Idoso institucionalizado e a cultura de cuidados profissionais. Cogitare Enfermagem, Curitiba, v. 11, n. 2, p. 117-123, mai./ago. 2006.

LEMOS, Naira Dutra; MEDEIROS, Sonia Lima. Suporte Social ao Idoso Dependente. In: FREITAS, Elizabete Viana de et al. (Orgs) Tratado de Geriatria e Gerontologia. 2. ed. São Paulo: Guanabara Koogan, 2002, p. 893-899.

MARTINS, Josiane De Jesus; SCHIER, Jordelina; ERDMANN, Alacoque Lorenzini; ALBUQUERQUE, Gelson Luiz de. Políticas públicas de atenção à saúde do idoso: reflexão acerca da capacitação dos profissionais da saúde para o cuidado com o idoso. Revista Brasileira de Geriatria Gerontologia. Rio de Janeiro v.10, n. 3, p. 371-382. ago./set. 2007.

MELLO, Ana Lúcia Schaefer Ferreira de; PADILHA, Dalva Maria Pereira. Instituições Geriátricas e Negligência Odontológica. Revista da Faculdade de Odontologia de Porto Alegre, Porto Alegre, v. 41, n 1, p. 44-48, jul. 2000.

MORAES, Ilzimar De Amorim Louzada; DUARTE, Maria Jalma Rodrigues Santana. Desinstitucionalizando o cuidar: uma reflexão voltada para as necessidades do idoso asilado. Revista de enfermagem. UERJ, Rio de Janeiro, v. 10, n. 3, p 237-242, set/dez. 2002.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Plano de Ação Internacional Sobre o Envelhecimento. Madri, 2002.

PASSADOR, Mirela Berloti. Identificação dos cuidados à saúde prestados, pela equipe de enfermagem, aos idosos residentes em uma instituição de longa permanência filantrópica do município de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, 2008. 98f. Dissertação (Mestrado em Serviços de Saúde Pública) São Paulo, 2008.

POLLO, Sandra Helena Lima; ASSIS, Mônica de. Instituições de Longa Permanência para Idosos - ILPIS: Desafios e alternativas no município do Rio de Janeiro. Revista Brasileira

de Geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro, v. 11, n.1, p.29-44, nov./dez. 2008.

RAMOS, Luiz Roberto. A Mudança de Paradigma na Saúde e o Conceito de Capacidade Funcional. In: SUMSION, Thelma. Guia de Medicina Ambulatorial e Hospitalar. São Paulo: Manole, 2005, p. 1-7.

RODRIGUES, Nara Costa; RAUTH, Jussara. Os Desafios do Envelhecimento no Brasil. In: FREITAS, Elizabete Viana de et al. (Orgs.). Tratado de Geriatria e Gerontologia. 2. ed. São Paulo: Guanabara Koogan, 2002, p. 189-192.

RODRIGUES, Rosalina Aparecida Partezani; KUSUMOTA, Luciana; MARQUES, Sueli; FABRÍCIO, Suzele Cristina Coelho; RASSET-CRUZ, Idiane; LANGE, Celmira. Política Nacional de Atenção ao Idoso e a Contribuição da Enfermagem. Texto Contexto de Enfermagem. Florianópolis, v. 16, n. 3, p. 536-545, jul./set. 2007.

SAYEG, Mário Antônio; MESQUITA, Regina Ângela Viana; COSTA, Neidil Espínola. Políticas Públicas de Saúde para o Envelhecimento. In: FREITAS, Elizabete Viana de et al. (Orgs). Tratado de Geriatria e Gerontologia. 2. ed. São Paulo: Guanabara Koogan, 2002, p. 1394-1401.

SILVA, Bárbara Tarouco da; BARLEM, Edison Luiz Devos; LUNARDI, Valeria Lerch; SANTOS, Silvana Sidney Costa. Educação Permanente: Instrumento de Trabalho do Enfermeiro na Instituição de Longa Permanência. Ciência, Cuidado e Saúde, Maringá, v. 7, n. 2, p 256-261, abr./jun. 2008.

SILVA, Barbara Tarouco; SANTOS, Silvana Sidney Costa; SILVA Mara Regina Santos da; SOUSA, Lenice Dutra de. Percepção das pessoas idosas sobre a institucionalização:

reflexão acerca do cuidado de enfermagem. Revista de Enfermagem do Nordeste, Fortaleza, v. 10, n. 4, p. 118-25, out/dez. 2009.

VIEIRA, Eliane Brandão. Instituições Geriátricas: Avanço ou Retrocesso? Rio de Janeiro: Revinter, 2003.




Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento. ISSN: 1517-2473 (impresso) e 2316-2171 (eletrônico)
Qualis Capes 2016, área interdisciplinar: B2