SIGNIFICADOS DO CIRCO E DAS ATIVIDADES CIRCENSES PARA OS IDOSOS DA UATI

Gláucia Andreza Kronbauer, Daiane Maria Scorsin, Mayara Trevizan

Resumo


O circo é uma prática que faz parte do cotidiano das mais antigas sociedades da terra e assume os mais diversos papéis ao longo dos tempos. O circo apresenta-se no contemporâneo em novas configurações; com outras alianças, surgem outras finalidades, outros significados. É possível então, oferecer espaços de experimentação contextualizados com o tema circense, mas que não envolvam necessariamente as técnicas de cada modalidade, e sim os conceitos de criatividade e de subversão dos padrões de corpo e movimento. A partir desses conceitos surgiu na UNICENTRO, campus Irati, o projeto de extensão “O Circo em Contextos”, lotado no Departamento de Educação Física, com objetivo de proporcionar vivências corporais diversas permitindo a livre expressão do movimento, o pensar e expressar o corpo. O objetivo do presente estudo é compreender os significados do circo para os idosos em suas diferentes manifestações: o circo espetáculo e as atividades circenses. Participaram do estudo os idosos que freqüentam as oficinas de atividades circenses oferecidas na “Universidade Aberta à Terceira Idade”. Acredita-se que independente do significado o circo sempre assumiu o papel de diversão, como encontrado nas falas dos idosos. Já atividades circenses foram apontadas como espaços de movimento e de socialização. Não desconsideram o divertimento, porém percebem a possibilidade de experimentação e criação. Ou seja, os idosos passaram de uma posição de espectador (circo-espetáculo), para uma posição de realizador que vivencia o movimento, experimenta (atividades circenses). Acreditamos que a partir das atividades circenses o idoso percebe que é possível assumir seu papel de participante ativo também na sociedade, desconstruindo a imagem do sujeito inútil, vitimizado e frágil que espera a morte chegar.


Palavras-chave


idosos, atividades circenses, significados, experimentação

Texto completo:

PDF

Referências


BORTOLETO, Marco Antonio Coelho; CARVALHO, Gustavo Arruda. Reflexões sobre o Circo e a Educação Física. Corpoconsciência, Santo André, n. 12, p. 39-69. jul./dez. 2003.

BORTOLETO, Marco Antonio Coelho; PINHEIRO, Pedro Henrique Godoy Gandia; PRODÓCIMO, Elaine. Jogando com o circo. Várzea Paulista, SP: Fontoura, 2011.

DEBERT, Guita Grin. Envelhecimento e curso da vida. Estudos Feministas. Florianópolis, n. 5, p. 120-128, 1º sem. 1997.

GÁSPARI, Jossett Campagna de; SCHWARTZ, Gisele Maria. Vivências em arte circense: motivos de aderência e expectativas. Motriz: revista de educação física, Rio Claro, v. 13, n. 3, p. 158-164, jul./set. 2007.

GOMES, Romeu. Análise e interpretação de dados de pesquisa qualitativa. In.: MINAYO, Maria Cecília de Souza (Org). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010. p. 67-79.

GONÇALVES, Maria Augusta Salin. Sentir, pensar, agir: corporeidade e educação. Campinas: Papirus, 1994.

IRIGARAY, Tatiana Quarti; SCHNEIDER, Rodolfo Herberto. Impacto na qualidade de vida e no estado depressivo de idosas participantes de uma universidade da terceira idade. Estudos de Psicologia (Campinas). Campinas, v. 25, n. 4, p. 517-525, out./dez. 2008.

MAUSS, Marcel. As técnicas do corpo. In: MAUSS, Marcel. Sociologia e Antropologia. São Paulo: Cosac Naify, 2003. p. 209-221.

OLIVEIRA, Raphaella Boselli. Atividades Circenses em Academias: Uma nova opção no Âmbito do Lazer. 2008. 69f. Trabalho de conclusão de curso (Bacharelado em Educação Física) – Instituto de Biociências, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2008.

SILVA, Ana Márcia. Corpo e Diversidade Cultural. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v. 23, n. 1, p. 87-98, set. 2001.

SILVA, Cinthia Lopes da; VELOZO, Emerson Luís; RODRIGUES, José Carlos Jr. Pesquisa qualitativa em educação física: possibilidades de construção de conhecimento a partir do referencial cultural. Educação em Revista. Belo Horizonte. n. 48, p. 37-60, dez. 2008.

SILVA, Ermínia. Circo-teatro: Benjamim de Oliveira e a teatralidade circense no Brasil. São Paulo: Altana, 2007.

SIQUEIRA, Denise da Costa Oliveira. Corpo, comunicações e cultura: a dança contemporânea em cena. Campinas: Autores Associados, 2006.

SIQUEIRA, Denise da Costa Oliveira. Dança contemporânea: objeto de estudo da comunicação. Logos, ano 10, n. 18, p. 32-47, 1º sem. 2003.

SOARES, Carmen Lúcia. Educação Física: raízes Europeias e Brasil. 3 ed. Campinas: Autores Associados, 2004.

TORRES, Antônio. O Circo no Brasil. Rio de Janeiro: FUNARTE, 1998.

VAZ, Alexandre Fernandez. Treinar o corpo, dominar a natureza: Notas para uma análise do esporte com base no treinamento corporal. Cadernos CEDES. Campinas, ano 19, n. 48, p. 89-108, ago. 1999.

VENDRUSCULO, Rosecler; SOUZA, Doralice Lange de; CAVICHIOLLI, Fernando Renato; CASTRO, Suélen Barbosa Eiras de. Programas de atividade física para idosos:

apontamentos teórico-metodológicos. Pensar a Prática, Goiânia, v. 14, n. 1, p. 1-13, jan./abr. 2011.

VERAS, Renato Peixoto; CALDAS, Célia Pereira. Promovendo a saúde e a cidadania do idoso: o movimento das universidades da terceira idade. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 9, n. 2, p. 423-432, 2004.

VIANNA, Klauss. A Dança. São Paulo: Siciliano, 1990.




Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento. ISSN: 1517-2473 (impresso) e 2316-2171 (eletrônico)
Qualis Capes 2016, área interdisciplinar: B2