MEDIDAS DE INDEPENDÊNCIA FUNCIONAL EM UMA INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA DE IDOSOS

Neiva Junkes Hoepers, Ana Cristina Cardoso de Oliveira, Magada Tessmann Schwalm, Maria Tereza Soratto, Luciane Bisognin Ceretta

Resumo


RESUMO: A Medida de Independência Funcional é um instrumento que objetiva medir o grau de solicitação de cuidados de terceiros, onde a pessoa com deficiência exige para realização de tarefas motoras e cognitivas. Este instrumento de avaliação funcional verifica o desempenho da pessoa idosa para a realização de um conjunto de dezoito tarefas e consegue quantificar de forma mais objetiva a necessidade de ajuda ou a dependência parcial, o que facilita a elaboração do projeto terapêutico. O estudo teve como objetivo Avaliar a Medida de Independência Funcional dos idosos de uma Instituição de Longa Permanência de Idosos no município de Criciúma em Santa Catarina. A pesquisa foi quantitativa do tipo descritiva, exploratória e de Campo. Participaram da pesquisa vinte idosos institucionalizados com idade igual e maior de 60 anos e foi aplicada a entrevista semiestruturada e usado o instrumento MIF (Medida de Independência Funcional). As variáveis utilizadas foram: idade, gênero, estado civil, religião, escolaridade, profissão, tempo de asilamento, ocupação e a descrição da escala da Medida de Independência Funcional. Quanto ao grau de dependência, com base na Medida de Independência Funcional dos idosos, a amostra concentrou-se em dois níveis, na dependência modificada com 35% dos idosos que necessitam de ajuda em até 50% para tarefas básicas da vida diária e na independência completa/modificada com os outros 35%, vindo em terceiro lugar com 30% na dependência modificada, necessitando da assistência de até 25% das tarefas.

Palavras-chave: Idoso; Medida de Independência Funcional (MIF); Instituição de Longa Permanência Para Idosos (ILPI).


Palavras-chave


Idoso; Medida de Independência Funcional (MIF); Instituição de Longa Permanecia Para Idosos (ILPI)

Texto completo:

PDF

Referências


ARAUJO, Claudia Lysia de Oliveira; CEOLIM, Maria Filomena. Qualidade do sono de idosos residentes em instituição de longa permanência. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 44, n. 3, p. 619-626, set. 2010.

BELL, Belkis Soria; SAIF, Ángela Rodríguez. Análisis de los aspectos psicológicos y sociales más relevantes en ancianos institucionalizados. Revista Cubana de Enfermería, Ciudade de La Habana, v. 18, n. 2, p.116-121, abr./jun. 2002.

BRASIL. Lei 8.842, de 4 de janeiro de 1994. Dispõe sobre a Política Nacional do Idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências. In: Política Nacional do Idoso. Brasília, 1998.

BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Caderno de Atenção Básica n. 19. Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa. Brasília, 2006.

CAMARANO, Ana Amélia; KANSO, Solange. As instituições de longa permanência para idosos no Brasil. Revista Brasileira de Estudos de População, São Paulo, v. 27, n.1, p. 233-235, jan/jun. 2010.

CONVERSO, Maria Estelita Rojas; LARTELLI, Isabele. Caracterização e análise do estado mental e funcional de idosos institucionalizados em instituições publicas de longa

permanência. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, São Paulo, v. 56, n. 4, p. 267-272, 2007.

DUARTE, Luzia Travassos. Envelhecimento: processo biopsicossocial. Trabalho Monográfico para o Curso Virtual “Educación para el Envejecimento”. Disponível em:

www.psiconet.com/tiempo/monografias/brasil.htm>. Acesso em: 10 jan. 2008.

FREITAS, Elizabete Viana de et al. Tratado de Geriatria e Gerontologia. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara-koogan, 2006.

GRAEFF, Lucas. Instituições Totais e a Questão Asilar: uma abordagem compreensiva. Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento, Porto Alegre, v. 11, p. 9-27, 2007.

KAWASAKI, Kozue; DIOGO, Maria José D’Elboux. Impacto da hospitalização na independência funcional do idoso em tratamento clínico. Acta Fisiatrica, São Paulo, v. 12, n. 2, p.

-60, ago. 2005.

LEOPARDI, Maria Tereza. Teoria e método em assistência de enfermagem. 2. ed. Florianópolis: Soldasoft, 2006. 396p.

LOPES, Fernanda Lucas; TIER, Cenir Gonçalves; FILHO, Wilson Lunardi; SANTOS, Silvana Sidney Costa. Diagnósticos de enfermagem de idosos residentes em uma instituição

de longa permanência (ILP). Ciência, Cuidado e Saúde, Paraná, v. 6, n. 1, p. 59-67, jan/mar. 2007.

LUCENA, Neide et al. Análise da Capacidade funcional em uma população geriátrica institucionalizada em João Pessoa. Fisioterapia Brasil, Rio de Janeiro, v. 3, n. 3, p.164-169, mai/jun. 2002.

MAZO, Giovana Zarpellon; LOPES, Marize Amorim; BENEDETTI, Tânia Bertoldo. Atividade física e o idoso: concepção gerontológica. Porto Alegre: Sulina, 2004. Disponível em:

humano.htm>. Acesso em: 24 abr. 2010.

MAZZA, Márcia Maria Porto Roccetto; LEFEVRE, Fernando. Cuidar em família: análise da representação social da relação do cuidador familiar com o idoso. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, São Paulo, v. 15, n.1, abr. 2005. Disponível em:

&script=sci_arttext>. Acesso em: 06 mai. 2010.

MELLO, Pâmela Billig et al. Percepção dos cuidadores frente às dificuldades encontradas no cuidado diário de idosos dependentes institucionalizados. Estudos interdisciplinares

sobre o envelhecimento, Porto Alegre, v. 13, n. 2, p. 259-274, ago. 2008.

MENDONÇA, Jurilza Maria Barros. Instituição de Longa Permanência para Idosos e Políticas Públicas. Revista Kairós, São Paulo, v. 9, n. 2, p. 169-190, dez. 2006.

MIGUEL, Armando. MIF – Medida de Independência Funcional. Caderno de Medicina Geriátrica, On Line, v. 21, jan. 2007. Disponível em:

br/2007/01/21/saude-geriatria/mif-medida-de-independencia-funcional>. Acesso em: 06 dez. 2009.

MINAYO, Maria Cecília. Pesquisa social: Teoria, Método e Criatividade. Rio de Janeiro: Vozes, 1996.

MOTA, Marina Souza Pinheiro et al. Diagnóstico de uma população da terceira idade. Estudos interdisciplinares sobre o envelhecimento, Porto Alegre, v.15, n. 2, p. 255-264, ago. 2010.

NEVES, Marco Antonio Orsini; MELLO, Mariana Pimentel; ANTONIOLI, Reny de Souza; FREITA, Marcos Raimundo Gomes de. Escalas clínicas e funcionais no gerenciamento de indivíduos com Lesões Traumáticas da Medula Espinhal. Revista Neurociências, São Paulo, v. 15, n. 3, p. 234-239. 2007.

PELEGRIN, Andressa et al. Idosos de uma Instituição de Longa Permanência de Ribeirão Preto: níveis de capacidade funcional. Revista Arquivos de Ciências da Saúde. On Line, v. 15, n. 4, p. 182-88, out/dez., 2008. Disponível em:

com/research/idosos-uma-instituio-longa-permanncia-ribeiro-preto-nveis-capacidadefuncional-1/>. Acesso em: 07 mai. 2010.

RIBERTO, Marcelo et al. Reprodutibilidade da versão brasileira da Medida de Independência Funcional. Acta Fisiátrica, São Paulo, v. 8, n. 1, p. 45-52, 2001.

RIBERTO, Marcelo; MIYAZAKI, Margarida Harumi; JUCÁ, Sueli Satie Hamada. Validação da versão brasileira da Medida de Independência Funcional. Acta Fisiatrica, São Paulo, v. 11, n. 2, p. 72-76. 2004.

RICCI, Natalia Aquaroni; KUBOTA, Montana; CORDEIRO, Rosilene da Conceição. Concordância de observações sobre a capacidade funcional de idosos em assistência domiciliar. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 39, n. 54, p. 655-662, 2005.

ROCHA, Francisca Cecilia Viana; BRITO, Cleidiane Maria Sales de; LUZ, Maria Helena Barros Araújo; FIGUEIREDO, Maria do Livramento Fortes. Análise da Produção Científica sobre o idoso. Revista Brasileira de enfermagem, Brasilia, v. 60, n. 4, p. 449-451, jul/ago. 2007.

ROSA, Patrícia Vianada; SILVA, Francielli Kersting da; ROSSATO, Douglas Dalcin; ROSA, Luis Henrique Tellesda. Capacidade funcional entre idosos institucionalizados da região do Alto Jacuí – Rio Grande do Sul. Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento, Porto Alegre, v. 14, n. 2, p. 281-294, 2009.

SÁ, Charles et al. Oficinas terapêuticas para cuidadores de idosos com demência: Atuação da enfermagem no programa interdisciplinar de geriatria e gerontologia da UFF. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Rio de janeiro, v. 9, n. 3, p. 1-114, 2006.

SANTOS, Sérgio Ribeiro dos; SANTOS, Iolanda Besera da Costa; FERNANDES, Maria das Graças Melo; HENRIQUES, Maria Emília Romero de Miranda. Qualidade de vida do idoso na comunidade: aplicação da Escala de Flanagan. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 10, n. 6, p. 757-64, nov/dez, 2002.

SILVA, Francisco. Ischaemic Stroke – Current aspects concerning prevention: We need to act. Medicina Interna, v. 11, n. 2, p. 99-108, 2004.

VAGETTI, Gislaine Cristina; WEINHEIMER, Marlei Salete; OLIVEIRA, Valdomiro de. Atendimento Integral à Saúde do Idoso Residente em Instituição de Longa Permanência:

uma experiência interdisciplinar. Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento, Porto Alegre, v. 11, p. 53-66, 2007.

VIANA, Fabiana Pavan; LORENZO, Anapaula Castro de; OLIVEIRA, Érika Felipe de; RESENDE, Selma Mendes. Medida de independência funcional nas atividades de vida diária

em idosos com seqüelas de acidente vascular encefálico no Complexo Gerontológico Sagrada Família de Goiânia. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro, v. 11, n. 1, p. 17-28, 2008.

WALDOW, Vera Regina. Cuidar: expressão humanizadora de enfermagem. Petrópolis, RJ: Vozes. 2006.




Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento. ISSN: 1517-2473 (impresso) e 2316-2171 (eletrônico)
Qualis Capes 2016, área interdisciplinar: B2