O espectro dos Blackamoor: representando a África e o Oriente

Ella Shohat

Resumo


Falar da figura de Blackamoor é falar de vários imaginários entrelaçados, especialmente ao longo do duplo eixo geográfico Leste / Oeste e Norte / Sul. Híbrida do negro africano e do mouro muçulmano, a figura de Blackamoor condensa representações freqüentemente conceituadas isoladamente nas cartografias compartimentadas dos vários estudos de área. O escrutínio dos Blackamoor, nesse sentido, ajuda a lançar luz sobre continuidades discursivas esquecidas, bem como sobre conectividades históricas entre continentes e oceanos; neste caso, aqueles que operam ao longo das costas sinuosas do Mediterrâneo da Europa, África e Ásia. Fabricados em oficinas européias, o Blackamoor pode, em um nível, ser analisado como parte de uma arte ornamental que reflete várias tendências estéticas e também reflete o gosto de seus produtores e consumidores. Em outro nível, o Blackamoor pode ser examinado criticamente, como uma imagem estereotipada do corpo negro racializado e de gênero. Aqui, no entanto, colocarei um conjunto diferente de perguntas: o Blackamoor, aparentemente tranquilizador e domesticado, também pode ser visto como uma manifestação visual de uma contínua ansiedade européia em relação aos seus "outros?" medo em relação aos continentes vizinhos da África e da Ásia? Poderia a aparente civilidade dos Blackamoor ornamentais mascarar as ansiedades sobre mistura racial, sincretismo cultural e influência intelectual?

Abstract

To speak of the Blackamoor figure is to speak of several intertwined imaginaries, especially along the East/West and North/South double geographical axis. A hybrid of the African Black and the Muslim Moor, the Blackamoor figure condenses representations often conceptualized in isolation within the compartmentalized cartographies of the various Area Studies. Scrutiny of the Blackamoor, in this sense, helps shed light on forgotten discursive continuities as well as on historical connectivities across continents and oceans; in this case, those operating along the winding Mediterranean shores of Europe, Africa, and Asia. Manufactured in European workshops, the Blackamoor can on one level be analyzed as part of an ornamental art that reflects various aesthetic tendencies while also reflecting the taste of its producers and consumers. On another level, the Blackamoor can be examined critically, as a stereotypical imaging of the racialized and gendered Black body. Here, however, I will pose a different set of questions: Can the putatively reassuring and domesticated Blackamoor also be viewed as a visual manifestation of an ongoing European anxiety about its “others?” Might this image of Blackamoor docility testify indirectly to a doubly repressed fear toward the neighboring continents of Africa and Asia? Could the apparent civility of the ornamental Blackamoor mask anxieties about racial mixing, cultural syncretism, and intellectual influence?


Palavras-chave


Eurocentrismo. Racialização. Orientalismo. Exotica.Mimesis. Sincretismo

Texto completo:

PDF-PT

Referências


Nicholas Mirzoeff, Nicholas (ed). The Visual Culture Reader. London: Routledge, 1998, pp. 27–49.

Rougemont, Denis de. L’Amour et l’Occident. Librairie Plon, 1972

Gates Jr., Henry Louis. Figures in Black. NY: Oxford University Press, 1988.




DOI: https://doi.org/10.22456/2179-8001.98262

Direitos autorais 2019 Ella Shohat

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

PORTO ARTE: e-ISSN 2179-8001


INDEXADORES

PROPESQ

"

LATINDEX

Resultado de imagem para redib logo