O desenho como memória e sobrevivência; a pintura e a relação com a história

Sheila Cabo Geraldo, Carlos Zílio

Resumo


Em entrevista a Sheila Cabo Geraldo, o artista visual Carlos Zílio rememora aspectos de uma trajetória que fez dele um nome de referência no campo da arte no Brasil desde a segunda metade dos anos 1960. A conversação enfatiza, sobretudo, o engajamento político do artista, sua prisão e os modos possíveis de resistência naquele período; revisa também o convívio com seus pares geracionais (Gerchman, Vergara, Dias), com Iberê Camargo e com o historiador francês da arte Hubert Damisch; por fim, discute sua percepção sobre a própria pintura e a noção do encontro com um “grau zero” da pintura na década de 1970, projetando suas chances de permanência na contemporaneidade.

Palavras-chave


Entrevista. Carlos Zílio. Arte e política. Nova Objetividade Brasileira. Pintura.

Texto completo:

PDF-PT


DOI: https://doi.org/10.22456/2179-8001.80127

Direitos autorais 2017 Sheila Cabo Geraldo, Carlos Zílio

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

PORTO ARTE: e-ISSN 2179-8001


INDEXADORES

PROPESQ

"

LATINDEX

Resultado de imagem para redib logo