Uma palavra vivida

Androula Michael, Jacques Villeglé

Resumo


Em um tom caloroso, com uma rara clarividência e sensibilidade, grande testemunha de uma época, Jacques Villeglé dá um depoimento excepcional sobre o estado da arte da crítica na França, desde meados do século XX. Recorda seus anos de formação em plena Ocupação da França pelos alemães, quando era difícil se documentar. Ser artista, ele pensava, não era uma atividade para ele, já que os críticos reacionários qualificavam então de judeus ou de degenerados os artistas mais importantes da época. Ele gostaria de ter convivido com Picasso, mesmo que o considerasse, de certo modo, seu rival. Duchamp não contara para seu trabalho; aliás, ele confessa não ter se esforçado para encontrá-lo apesar das várias oportunidades que se apresentaram. Discorre sobre sua relação com o crítico de arte e autor do manifesto do Novo Realismo, Pierre Restany, e descreve em detalhes vários traços de sua personalidade complexa. Paralelamente, revela de maneira implícita sua própria prática da descolagem dos cartazes rasgados, atividade que consistia numa ação direta na vida, de um alcance sociológico e político certo e que rompia definitivamente com a arte do cavalete.

Palavras-chave


Novo Realismo. "Affiches lacérées". Pablo Picasso. Marcel Ducham. Readymade, Alfred Jarry. Pierre Restany.

Texto completo:

PDF-PT

Referências


Entrevista feita em Paris, no dia 10 de outubro de 2014, na casa de Jacques Villeglé. Respeitamos o registro oral da entrevista, transcrita e revisada pelo artista para não perder a naturalidade de sua fala vívida.




DOI: https://doi.org/10.22456/2179-8001.80099

Direitos autorais 2017 Androula Michael, Jacques Villeglé

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

PORTO ARTE: e-ISSN 2179-8001


INDEXADORES

PROPESQ

"

LATINDEX

Resultado de imagem para redib logo