Niki de Saint-Phalle: jardim migrante, caminho mutante

Éliane Chiron

Resumo


O Jardim do Tarot por hipótese seria oriundo da migração dos jardins que atravessaram a infância e a juventude de Niki de Saint-Phalle. Eles traçariam, ao sabor de suas errâncias no tempo e no espaço, um caminho que se transmutaria até o Jardim do Tarot. O “tarot”, de origem desconhecida, designa indiferentemente o caminho real egípcio, a Torah hebraica, a roda latina (Rota), a estrela fixa em sânscrito, o Tao chinês. A escrita de Niki se entrelaça com a nossa para abordar três aspectos da migração transatlântica do jardim, depois quarto momentos de mutação do caminho, enfim, na figura da Temperança emerge o tema fundador do combate com o Anjo, cifra secreta da relação entre o corpo-artista e a paisagem. Esse seria o signo que os espelhos do caminho são os agentes de transformação que fazem da artista uma mutante, reflexo de uma paisagem-mundo fragmentada que, por sua vez, nos reflete.

Palavras-chave


Niki de Saint-Phalle; Jardim do Tarot; mutação; migração.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2179-8001.23321

Direitos autorais 2011 Éliane Chiron

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

PORTO ARTE: e-ISSN 2179-8001


INDEXADORES

PROPESQ

"

LATINDEX

Resultado de imagem para redib logo