BAPHORAU - A arte como cuidado, saúde e ciência

Michel de Oliveira Furquim, Dulce Meire Mendes Morais, Maria Clara Elias Polo, José Miguel Nieto Olivar

Resumo


O trabalho apresenta a experiência do BAPHORAU, evento produzido pelo coletive da Faculdade de Saúde Pública, como proposta de pensar, refletir e reimaginar as práticas e os discursos da/na saúde. Os saberes de corpes que são historicamente negligenciados por parte do discurso da biomédico, se apresentam como protagonistas no evento que se propõem a pensar a saúde a partir de expressões artísticas e novas formas de diálogo com a sociedade. E o BAPHORAU se mostrou como um respiro em tempos de COVID-19, possibilitou homenagear os mortos deste período e criar novas redes de cuidado.

 

Abstract
The work presents the experience of BAPHORAU, event produced by the collective of the College of Public Health, as a proposal to think, reflect and reimagine the practices and discourses of/in health. The knowledge of bodies that are historically neglected by the biomedical discourse, are presented as protagonists in the event that propose to think about health from artistic expressions and new forms of dialogue with society. And BAPHORAU showed itself as a breath in times of COVID-19, made it possible to honor the dead of this period and create new care networks.


Palavras-chave


Baphorau. Saúde pública. Cuidado. Internet. Evento.

Texto completo:

PDF

Referências


DE LA BELLACASA, María Puig. ‘Nothing comes without its world’: thinkingwithcare. The Sociological Review, v. 60, n. 2, p. 197-216, 2012.

HARAWAY, Donna. A partilha do sofrimento: relações instrumentais entre animais de laboratório e sua gente. Horizontes antropológicos, v. 17, n. 35, p. 27-64, 2011.

HOOKS, Bell. Postmodernblackness. PostmodernCulture, v. 1, n. 1, 1990.

QUEBRADA, Linn da. Linn da Quebrada: O ‘cis-tema’ só valoriza os saberes heterossexuais.

[Entrevista ao portal Universa]. 08ago. 2017. Disponível em:https://revistacult.uol.com.br/home/entrevista-linn-da-quebrada/. Acesso em: 1 dez 2020.

RESTREPO, Eduardo; ROJAS, Axel. Inflexióndecolonial: fuentes, conceptos y cuestionamientos. Colombia:Popayãn: Universidaddel Cuenca, 2010.

URIARTE, Urpi Montoya. Olhar a Cidade. Contribuições para a Etnografia dos Espaços Urbanos. Ponto Urbe. Revista do núcleo de antropologia urbana da USP, n. 13, 2013.

VERGUEIRO, Viviane. Por inflexões decoloniais de corpos e identidades de gênero inconformes: uma análise autoetnográfica da cisgeneridade como normatividade. Programa de PosGraduacao em Cultura e Sociedade, Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil, 2015.




DOI: https://doi.org/10.22456/2179-8001.110110

Direitos autorais 2020 Michel de Oliveira Furquim, Dulce Meire Mendes Morais, Maria Clara Elias Polo

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

PORTO ARTE: e-ISSN 2179-8001


INDEXADORES

PROPESQ

"

LATINDEX

Resultado de imagem para redib logo