Escritura e narração: uma epistolografia da loucura e a emergência de um carteiro

Tiago Marcelo Trevizani, Rosane Azevedo Neves da Silva

Resumo


Este artigo apresenta parte de uma pesquisa realizada a partir do encontro com algumas cartas escritas por pacientes do antigo Hospício São Pedro (localizado em Porto Alegre/RS – Brasil). Trata-se de dezessete epístolas, datadas do início do século XX, as quais não foram enviadas aos destinatários, pois ficaram anexadas aos prontuários. Este estudo busca refletir sobre a noção de escritura a partir dessa “epistolografia do hospício”, dando visibilidade a algumas dessas cartas. Os autores apresentam a construção do personagem “carteiro”, que se constituiu como um dispositivo metodológico para este trabalho. Ao longo do texto, realizou-se uma breve contextualização sobre a escrita epistolar, relacionando com a “escrita da loucura”. Discute-se sobre a escritura como um modo de narração, partindo dos postulados de Roland Barthes e Walter Benjamin. Entende-se que as palavras podem ser uma forma de lidar com a dor e de testemunhar os horrores vividos na clausura.


Texto completo:

PDF

Referências


Barreto, L. (2010). Diário do Hospício; Cemitério dos vivos. São Paulo: Cosac Naify.

Barros, M de. (2010). Poesia completa. São Paulo: Leya.

Barthes, R. (2012c). A morte do autor. Em: Barthes, Roland. O rumor da língua. São Paulo: Martins Fontes.

Barthes, R. (2007). Crítica e verdade. São Paulo: Editora Perspectiva.

Barthes, R. (2012a). Da leitura. Em: Barthes, Roland. O rumor da língua. São Paulo: Martins Fontes.

Barthes, R. (2012b). Escrever a leitura. Em: Barthes, Roland. O rumor da língua. São Paulo: Martins Fontes.

Barthes, R. (2015). O prazer do texto. São Paulo: Perspectiva.

Benjamin, W. (1987). Magia e técnica, arte e política: ensaio sobre literatura e história da cultura (Obras escolhidas, Vol. 1). São Paulo: Brasiliense.

Bettiol, M. R. B. (2008). A escritura do intervalo: a poética epistolar de Antônio Vieira. São Leopoldo: Editora Unisinos.

Beveridge, A. (1997). Voices of the mad: patients' letters from the Royal Edinburgh Asylum, 1873-1908. Psychological Medicine, Cambridge University Press, 27. 899-908.

Buarque, C. (1993). Futuros amantes. Em: PARATODOS. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=fuk4TNV0Nww&list=RDfuk4TNV0Nww&start_radio=1&t=14

Deleuze, G. (1992). Conversações. São Paulo: Ed. 34.

Deleuze, G. (1997). Crítica e clínica. São Paulo: Ed. 34.

Deleuze, G & Guattari, F. (1977). Kafka: por uma literatura menor. Rio de Janeiro: Imago Editora.

Deleuze, G & Guattari, F. (2011). O anti-Édipo: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Ed. 34.

Didi-Huberman, G. (2011). Sobrevivência dos vaga-lumes. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Ferreira, A. B. de H. (2010). Aurélio: o dicionário da língua portuguesa. Curitiba: Positivo.

Foucault, M. (2004). A escrita de si. Em: Foucault, M. Ética, sexualidade, política. Rio de Janeiro: Forense Universitária. (Ditos e escritos V).

Foucault, M. (1979). Os intelectuais e o poder. Foucault, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições Graal.

Gagnebin, J. M. (2009). Lembrar escrever esquecer. São Paulo: Ed.34.

Galvão, W. N. (2008). A margem da carta. Teresa: revista de literatura brasileira. Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Universidade de São Paulo. São Paulo, nº 8/9, Ed. 34, 14-29.

Garavelo, L. M. C. (2016). Uma clínica da escrita: experimentações ateliais. Tese. de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional, Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, Porto Alegre, RS.

Gonzaga, T. A. (1995). Cartas chilenas. São Paulo: Companhia das Letras.

Lavín, A. (2003). Cartas desde la Casa de Orates. Santiago de Chile: Ediciones de la Dirección de Bibliotecas, Archivos y Museos, Centro de Investigaciones Diego Barros Arana.

Perrone-Moisés, L. (2002). Com Roland Barthes. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes.

Qorpo Santo, J. J de Q. L. (1877). Ensiqlopédia: ou seis mezes de huma enfermidade! Porto Alegre: Tipografia Qorpo Santo. (Volume 7: A saúde e a justiça). Disponível em: http://biblioteca.pucrs.br/acervos/colecoes-na-biblioteca/acervos-especiais/qorpo-santo/

Ríos, A. (2004). Locos letrados frente a la psiquiatría mexicana a inicios del siglo XX. Frenia, 4(2), 17-35.

Roquette, J.I. (1875). Codigo do bom tom ou régras da civilidade e de bem viver no XIX seculo. Paris: Livreiros de Suas Majestades o Imperador do Brazil e El-Rei de Portugal.

Santos, N. M. W. (2005). História de sensibilidades: espaços e narrativas da loucura em três tempos (Brasil, 1905/1920/1937). Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, Porto Alegre, RS.

Santos, N. M. W. (2008). Narrativas da loucura e história de sensibilidades. Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Spivak, G. (2010). Pode o subalterno falar?. Belo Horizonte: Editora da UFMG.

Vasconcelos, E. (2008). Intimidade das confidências. Teresa: revista de literatura brasileira. Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Universidade de São Paulo. São Paulo, nº 8/9, Ed. 34.

Villasante, O., Vázquez de la Torre, P., Conseglieri, A., & Huertas, R. (2016). Letras retenidas: experiencias de internamiento en las cartas de los pacientes del Manicomio de Santa Isabel de Leganés, Madrid (1900-1950). Culturas Psi, (6), 118-137.

Wadi, Y. M. (2003). A história de Pierina e as interpretações sobre processos de sofrimento, perturbação e loucura (RS/Brasil, século XX). Horizontes, Bragança Paulista, 21, 83-103.

Weinrich, H. (2001). Lete: arte e crítica do esquecimento. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.




DOI: https://doi.org/10.22456/2238-152X.98578

logogoogle
Scientific Electronic Library Online     

           

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

ISSN eletrônico: 2238-152X