Sob a ótica do exame: pesquisas sobre psicopatia e psicopatas no cenário científico brasileiro

Heriel Adriano Barbosa da Luz, Antônio Carlos do Nascimento Osório, Anita Guazelli Bernardes

Resumo


Fazendo um panorama das formas como a psicopatia e os psicopatas são tratados no cenário científico nacional, pelo recurso da hermenêutica foucautiana, o presente artigo traça, a partir dos relatórios de teses e dissertações, a rede de saber-poder que captura e constitui a figura limite do inimigo social. Essa trama forma-se com procedimentos e técnicas de avaliação e exame, onde diversas práticas discursivas se articulam para esquadrinhar, lapidar e objetificar uma ontologia do criminoso, de fato ou em potencial, inalienável da natureza perversa. Os enunciados expressam-se na díade jus-psi formando os trilhos por onde correm os dispositivos de vigilância e se formam as estratégias de controle atuais. Essa pesquisa possibilitou: elucidar quais áreas interessaram-se pela temática; de que maneira elas delinearam seu(s) objeto(s);  com quais saberes instituídos e instituintes estabeleceram seus diálogos; e como esse acontecimento configura-se na contemporaneidade.


Palavras-chave


Psicopata; anormal; vigilância.

Texto completo:

PDF

Referências


Castel, Robert (2003). Uma política sem estado. In. _______. As metamorfoses da questão social: uma crônica do salário. Petrópolis, RJ: Vozes, p. 281-344.

Del vecchio, Jacintho (2005). A filosofia de Henri Poincaré: A natureza do conhecimento científico e os paradoxos da teoria dos conjuntos. Dissertação de mestrado [disponível], Programa de Pós-Graduação em Filosofia, Departamento de Filosofia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, 109pp. Disponível em Consultado em 10/jul/2015.

Deleuze, Giles (2009). Do acontecimento; da comunicação dos acontecimentos. In. __________ . A lógica do sentido. São Paulo: Editora Perspectiva, p. 151-165; 175-182.

Drapkin, Isarael (1982). El derecho de las víctmas. In. Anuario de derecho penal y ciencias penales de lo Gobierno de España ISSN 0210-3001, Tomo 35, Fasc/Mes 2, p.325-346. Disponível em . Acessado em 25/mar/2018.

Dubois, Philip H (1970). A History of Psychological Testing. Boston: Allyn & Bacon.

Dutra, M. C. B (2002). As relações entre psicose e periculosidade: contribuições clínicas da concepção psicanalítica da passagem ao ato. São Paulo: Annablume; Belo Horizonte: Fumec.

Eagleton, Terry (2011). A política da Amnésia. In. _______. Depois da teoria: um olhar sobre os Estudos Culturais e o pós-modernismo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Feldman, Richard (2012). Naturalismo metodológico na epistemologia. In GRECO & SOSA. Compêndio de Epistemologia. São Paulo: Edições Loyola.

Foucault, M (1980). Domínio. In. ______. História da sexualidade I: A vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, p.98-123.

Foucault, M (2003). A vida dos homens infames. In: ______. Estratégia, poder-saber. Ditos e escritos IV. Rio de Janeiro: Forense Universitária, p.203-222.

Foucault, M (2014a). A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. São Paulo: Edições Loyola.

Foucault, M (1977). Eu, Pierre Rivière, que degolei minha mãe, minha irmã e meu irmão... um caso de parricídio do século XIX. Rio de Janeiro: Edições Graal.

Foucault, M (2014b). O círculo antropológico. In. _______. História da loucura na Idade clássica. São Paulo: Perspectiva, p. 505-530.

Foucault, M (1995). O sujeito e o poder. In H. L. Dreyfus &P. R. Rabinow (Eds.), Michel Foucault, uma trajetória filosófica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, p.231-249.

Foucault, M (2014c). Os anormais: curso dado no Collège de France (1974-1975). São Paulo: Martins Fontes.

Foucault, M (2014d). Os recursos para o bom adestramento. In Vigiar e Punir: nascimento da prisão. Petrópolis, RJ: Vozes, p.167-189.

Foucault, M (2008). Segurança, território e população: curso dado no Collège de France (1977-1978). São Paulo: Martins Fontes.

Foucault, M (2001). Conferência I. In A verdade e as formas jurídicas. Rio de Janeiro: Editora NAU, p.7-28.

Foucault, M (2015). O enunciado e o arquivo. In A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, p.93-161.

Gusdorf, Georges (1980). Mito e metafísica. São Paulo: Convívio.

Hare, Robert (1995). Without conscience: the disturbing world of the psycopaths among us. New York: Pocket Books.

Kuhn, Thomas (1998). Pósfacio – 1969. In A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Editora Perspectiva, p. 217-254.

Lyotar, Jean-François (1988). O problema: a legitimação; O método: os jogos de linguagem. In O pós-moderno. Rio de Janeiro: José Olímpio EDITORA, p. 11-19.

Moser, P. K; Mulder, D. H. & Trout, J. D (2009). A epistemologia: um primeiro exame. In A teoria do conhecimento: uma introdução. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, p. 03-26.

Vernant. Jean-Pierre (2002). As Origens do Pensamento Grego. Trad. Ísis Borges B. da Fonseca. Rio de Janeiro: Difel.




DOI: https://doi.org/10.22456/2238-152X.95616

logogoogle
Scientific Electronic Library Online     

           

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

ISSN eletrônico: 2238-152X