Produções coletivas e leituras compartilhadas: encontro como dispositivo de criação

Carla Garcia Botega, Rosane Machado Rollo, Adriana Roese Ramos, Cristianne Famer Rocha

Resumo


Nosso objetivo é apresentar um ensaio sobre a experiência de construção, realização e participação no Grupo Aberto de Orientação (GAO), criado em 2013 e que se configura como um dispositivo de criação, em encontros e atividades de leitura e escrita coletivas e solidárias. Composto por docentes e discentes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e de outras instituições de ensino superior, além de pessoas interessadas, não vinculadas a cursos de graduação ou programas de pós-graduação. Seu objetivo é a produção e discussão de textos de autoria dos participantes (projetos, dissertações, artigos, memoriais, etc.), de tal forma que todos tenham a oportunidade de vivenciar e conhecer as atividades de ensino, pesquisa e extensão universitárias. A troca entre participantes tem oportunizado a vivência de uma prática de formação inovadora, socializando e produzindo novos saberes, na medida em que abre espaços que valorizem a diversidade e a pluralidade das atividades.

Palavras-chave


universidade; publicações acadêmicas; dispositivo

Texto completo:

PDF

Referências


Antunes, R. (2018). O Privilégio da Servidão: O novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo: Boitempo.

Arendt, H. (1999). Eichmann em Jerusalém – um relato sobre a banalidade do mal. São Paulo: Companhia das Letras.

Barros, R. B. (2009). Grupo: a afirmação de um simulacro (3 ed.). Porto Alegre: Sulina/UFRGS.

Bauman, Z. (2001). Modernidade Líquida. Trad. Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Bauman, Z. (2005). Vidas desperdiçadas. Trad. Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Bauman, Z. (2008). A sociedade individualizada: vidas contadas e histórias vividas. Trad. José Gradel. Rio de Janeiro: Zahar.

Bianchetti, L., & Machado, A. M. N. (2007). Reféns da produtividade: sobre produção do conhecimento, saúde dos pesquisadores e intensificação do trabalho na pós-graduação. Em Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (Org.), Anais, XXX Reunião Anual da Anped (p. 1-15). Rio de Janeiro, RJ.

Borsoi, I. C. F. (2012). Trabalho e produtivismo: saúde e modo de vida de docentes de instituições públicas de Ensino Superior. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 15(1), 81-100.

Campos, G. W. S. (2013). Saúde paidéia. São Paulo: Hucitec.

Campos, G. W. S. (2000). Um método para análise e co-gestão de coletivos: a construção do sujeito, a produção de valor de uso e a democracia em instituições: o método da roda. São Paulo: Hucitec.

Carlos, Sergio Antonio. (2000). O processo grupal. Em M. Strey e cols. (Orgs.), Psicologia Social Contemporânea: livro-texto (pp. 199-206). Petrópolis: Vozes.

Dejours, C. (2004). Em S. Lancman & L. I. Sznelwar (Orgs.), Christophe Dejours - Da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho (pp. 47-104). Rio de Janeiro: Fiocruz, Brasília: Paralelo.

Deleuze, G. (1994). Che cos’è un dispositivo? Trad. Andrea Grillo. Palermo: La Zisa.

Foucault, M. (1989). Microfísica do Poder. Trad. Roberto Machado. Rio de Janeiro: Edições Graal.

Foucault, M. (1991). Anti-Édipo: uma introdução à vida não-fascista. Em C. H. Escobar. Dossier Deleuze (pp. 81-84). Rio de Janeiro: Hólon Editorial.

Foucault, M. (2005). Em defesa da sociedade. São Paulo: Martins Fontes.

Kuhlmann Jr., M. Publicação em periódicos científicos: ética, qualidade e avaliação da pesquisa. Cadernos de Pesquisa, 44(151), 16-32.

Larrosa, J. (1998). Sobre a lição: ou do ensinar e do aprender na amizade e na liberdade. Em J. Larrosa. Pedagogia Profana: Danças, piruetas e mascaradas (pp. 179-183). Porto Alegre: Contra Bando.

Larrosa, J. (2002). Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, 19, 20-28.

Larrosa, J. (2004). A operação ensaio: sobre o ensaiar e o ensaiar-se no pensamento, na escrita e na vida. Educação & Realidade, 1(29), 27-43.

Machado, A. M. N., & Bianchetti, L. (2011). (Des)fetichização do produtivismo acadêmico: desafios para o trabalhador-pesquisador. Revista de Administração de Empresas, 51(3), 244-254.

Nardi, H. C. (2004). Saúde do trabalhador, subjetividade e interdisciplinaridade. Em A. R. C. Merlo (Org.). Saúde e trabalho no Rio Grande do Sul: realidade, pesquisa e intervenção (pp 43-64). Porto Alegre: UFRGS.

Ó, Jorge do. (2017). Seminário de Investigação e Orientação: A escrita científica e a formação avançada – Intenções programáticas (ano letivo 2017-2018). Lisboa.

Passos, E. (2013). A construção da clínica do comum e as áreas profissionais. Em A. A. Capozzolo, S. J. Casetto & A. O. Henz (Orgs.). Clínica comum: itinerários de uma formação em saúde (pp. 213-228). São Paulo: Hucitec.

Passos, E. (2009). Apresentação. Em R. B. Barros. Grupo: a afirmação de um simulacro (3 ed.). Porto Alegre: Sulina/UFRGS.

Santos, J. D. (2006). Formação Continuada: Cartas de alforria & controles reguladores. Tese de Doutorado. Curso de Pós-graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS.

Standing, G. (2015). O Precariado: A nova classe perigosa. Trad. Cristina Antunes. Rev. Trad. Rogério Bettoni. Belo Horizonte: Autêntica.

Trein, E., & Rodrigues, J. (2011). O mal-estar na academia: produtivismo científico, o fetichismo do conhecimento-mercadoria. Revista Brasileira de Educação, 16(48), 769-792.

Vilaça, M. M., & Palma, A. (2013). Diálogo sobre cientometria, mal-estar na academia e a polêmica do produtivismo. Revista Brasileira de Educação, 18(53), 467-484.

Van Dalen, H. P., & Henkens, K. (2012). Intended and unintended consequences of a publish‐or‐perish culture: a worldwide survey. Journal of the American Society for Information Science and Technology, 63(7), 1282-1293.

Zuin, A. A.S., & Bianchetti, L. (2015). O produtivismo na era do “publique, apareça ou pereça”: um equilíbrio difícil e necessário. Cadernos de Pesquisa, 45(158), 726-750.




DOI: https://doi.org/10.22456/2238-152X.94562

logogoogle
Scientific Electronic Library Online     

           

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

ISSN eletrônico: 2238-152X