Gestos clínicos na supervisão coletiva em práticas de psicologia

Cristiane Bremenkamp Cruz, Maria Elizabeth Barros de Barros

Resumo


A escrita deste artigo propõe o cultivo de uma atenção para a sustentação do que chamamos de gestos clínicos no exercício de supervisão coletiva do Programa de Formação em Investigação e Saúde no Trabalho (PFIST), vinculado ao Núcleo de Estudos em Subjetividade e Políticas (Nepesp) do Departamento de Psicologia da Universidade Federal do Espírito Santo, Brasil. O trabalho apresenta análises dos processos de produção de subjetividades e delineia gestos clínicos que orientam a pesquisa, análises e supervisão do grupo, tais como: postura de escrita e atenção acolhedora; produção de transversalidade; escuta sensível e ativação do corpo-si. A partir de cenas, rumores e indícios cultivados em um grupo de supervisão coletiva que reúne estudantes e professores, exercitam-se os encontros de supervisão como oportunidade para a prática de gestos clínicos que se deseja sustentar coletivamente, assim como nas situações de acompanhamento de campo nas pesquisas.


Palavras-chave


supervisão coletiva; gestos; clínica institucional; transversalidade

Texto completo:

PDF

Referências


Barros, R. B.; & Passos, E. (2001). Clínica e biopolítica na experiência do contemporâneo. Revista de Psicologia Clínica PUC/RJ, 13(1), 89-100.

Canguilhem, G. (2009). O normal e o patológico. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Clot, Y. (2010). A psicologia do trabalho na França e a perspectiva da clínica da atividade. Fractal: Revista de Psicologia, 22(1), 207-234. https://doi.org/10.1590/S1984-02922010000100015

Deleuze, G. (1997). A literatura e a vida. In G. Deleuze, Crítica e clínica (pp. 11-16). São Paulo: Editora 34.

Deleuze, G.; & Guattari, F. (1997). Mil Platôs. Rio de Janeiro: Editora 34.

Guattari, F. (2004). Psicanálise e transversalidade: ensaios de análise institucional. Aparecida: Ideias & Letras (original publicado em 1972).

Kastrup, V. (2005). Políticas cognitivas na formação do professor e o problema do devir-mestre. Educação & Sociedade, 26(93), 1.273-1.288.

Passos, E.; & Barros, R. B. (2000). A construção do plano da clínica e o conceito de transdisciplinaridade. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 16(1), 71-79.

Passos, E.; & Barros, R. B. (2006). Passagens da clínica. In A. Maciel; D. Kupermann; & S. Tedesco (orgs.), Polifonias: clínica, política e criação (pp. 89-100). Rio de Janeiro: Contracapa.




DOI: https://doi.org/10.22456/2238-152X.94353

logogoogle
Scientific Electronic Library Online     

           

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

ISSN eletrônico: 2238-152X