Os silêncios das traduções e das prisões.

Érika OLIVEIRA

Resumo


Trata-se de resenha.

Palavras-chave


Feminismos; prisão, negritude.

Texto completo:

PDF

Referências


Bordo, S. (2000). A feminista como o Outro. Estudos Feministas, Florianópolis, 8, 10-29.

Costa, C. de L.(2004). O silêncio da tradução. Estudos Feministas, Florianópolis, 12(1): 13-14.

Davis, A. (2018). A liberdade é uma luta constante. São Paulo: Boitempo.

Davis, A., Dent, G. (2003). A prisão como fronteira: uma conversa sobre gênero, globalização e punição. Estudos Feministas, Florianópolis, 11(2), 523-531.

El País. (2019). Bolsonaro recua e proíbe porte de fuzis, mas Taurus, tem razões para comemorar. Acessado em 22 de maio de 2019.

Figueiredo, A. (2005). Prefácio à edição brasileira. In: Davis, A. A liberdade é uma luta constante (pp. 7-11). São Paulo: Boitempo.

Oliveira, É. C. S. (2014). De mãos dadas com hooks. Estudos Feministas, Florianópolis, 22(3): 987-1014.

Mbembe, A. (2017). Políticas de inimizade. Lisboa: Antígona.




DOI: https://doi.org/10.22456/2238-152X.93206

logogoogle
Scientific Electronic Library Online     

           

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

ISSN eletrônico: 2238-152X