A polifonia na escrita: rastros, riscos e experiência

Fernanda Goulart Martins

Resumo


O texto propõe uma experimentação metodológica, com o intuito de colocar em operação a narrativa ficcional em forma de contos, utilizando o cenário urbano e o estilo literário para dar visibilidade ao engendramento de linhas e forças que compõem tanto um texto, quanto um mapa ou um desenho de trajetos na cidade. Trata-se da aposta em tocar um campo de virtualidade que desenha fluxos visíveis e invisíveis no espaço urbano, por meio do relato de percursos e personagens, da exploração de ritmos e da explicitação de ressonâncias. Nas bordas da escrita acadêmica, o texto busca produzir a transgressão das generalidades que estabelecem a lei do conceito e, com base na filosofia da diferença, compartilha a tentativa de abrir espaço na página escrita para o que dizem os sons, cores, histórias, rastros e riscos, organizados em verbetes-experiência, que desobedecem a ordem alfabética e provocam a reflexão acerca da descrição de conceitos na construção de conhecimento.


Palavras-chave


psicologia social; narrativa ficcional; escrita acadêmica; experimentação metodológica.

Texto completo:

PDF

Referências


Butler, J. (2008). Qué es la critica? Un ensayo sobre la virtud de Foucault. In: Producción cultural y prácticas instituyentes. Líneas de ruptura en la crítica institucional (pp. 141-167). Madrid: Editorial Traficantes de Sueños, Colección Mapas.

Dorfles, G. (1959). Il divenire delle arti. Torino: Editora G. Einaudi.

Deleuze, G. (2006). Diferença e Repetição. São Paulo: Graal.

Deleuze, G. (2004). A ilha deserta e outros textos. Trad. Hélio Rebello Cardoso Júnior. São Paulo: Iluminuras.

Deleuze, G., Parnet, C. (1998). Diálogos. Trad. Eloisa A. Ribeiro. São Paulo: Editora Escuta.

Deleuze, G. (2013). Conversações. 3a Ed. São Paulo: Editora 34.

Foucault, M. (1978). Conversazione con Michel Foucault. Il Contributo, v. 4, n. 1, p. 23-84, jan. /mar. 1980.

Foucault, M. (1978). O que é a crítica? Conferência.

Foucault, M. (2000). Ditos e Escritos II. Editora Forense Universitária.

Guattari, F. (2012). Caosmose: um novo paradigma estético. Tradução de Ana de Oliveira e Lúcia Cláudia Leão. São Paulo: Editora 34, 2ª ed.

Kandinsky, W. (1992). Ponto e linha sobre plano. Lisboa. 12ª edição. Edições 70.

Lima, E. M. F. A.; pelbart, P. P. (2007). Arte, clínica e loucura: um território em mutação. (pp. 709-735). História, Ciências, Saúde, Manguinhos, v.14, n.3.

Pelbart, P. P. (2013). O avesso do niilismo: cartografias do esgotamento. São Paulo: N-1 Edições.




DOI: https://doi.org/10.22456/2238-152X.92298

logogoogle
Scientific Electronic Library Online     

           

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

ISSN eletrônico: 2238-152X