Políticas de ações afirmativas na educação e as contribuições da psicologia Sócio-histórico-cultural

Luciana Ferreira Barcellos, Solange Jobim e Souza

Resumo


Este artigo retoma questões que estão pautando a relação entre políticas de ação afirmativa e educação superior no Brasil. O objetivo é traçar um paralelo entre as iniciativas macro e micropolítica colocando em destaque seus desdobramentos para o contexto educacional brasileiro. A análise da política de reserva de vagas no ensino superior brasileiro tem como ponto de partida dois aspectos em destaque: a) as relações estabelecidas entre Políticas de Estado e Ações da Sociedade Civil; e b) a polêmica gerada em torno dos conceitos de identidade, raça e etnia na definição dos critérios para a reserva de vagas. Como conclusão, o artigo apresenta uma breve análise das contribuições da psicologia sócio-histórico-cultural para este debate.


Palavras-chave


Ações afirmativas; ensino superior;políticas públicas; psicologia sócio-histórico-cultural.

Texto completo:

PDF

Referências


Referências Bibliográficas

Afonso, M. L. M.,& Rodrigues, C. S. (2003).Políticas de Reconhecimento e Ação Afirmativa. Revista Psicologia Política. Sociedade Brasileira, 3(6), .

Barcellos, L. F. (2007).Jovens de Pré-vestibulares Comunitários na PUC-Rio: Experiências e Táticas no Convívio com a Alteridade. Dissertação de mestrado. PUC-Rio, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Barcellos, L.F. (2012).Interdiscursividade e Práticas Cotidianas: Modos de Operar/ Fazer a Política de Reserva de Vagas na UERJ. Tese de doutorado. PUC-Rio, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Batista, G. (2007).Relações Raciais e Educação: Uma Análise do Programa Políticas da Cor na Educação Brasileira (PPCOR). Dissertação de mestrado. Programa de Pós-graduação em Educação, Departamento da Educação. PUC-Rio. Rio de Janeiro. RJ, Brasil.

Brandão, C. da F. (2005).As Cotas na Universidade Pública Brasileira. Será esse o Caminho? Campinas, SP: Autores Associados.

Candau, V. M.,& Moreira, A. F. (2008).Multiculturalismo: Diferenças Culturais e Práticas Pedagógicas. Petrópolis, RJ: Vozes.

Castro, L. R. de. (2001).Crianças, Jovens e Cidades: Vicissitudes da Convivência, Destinos da Cidadania. In L. R. de Castro (Org.), Subjetividade e Cidadania: Um Estudo com Crianças e Jovens em Três Cidades Brasileiras. Rio de Janeiro: 7Letras.

César, R. C. L. (2004).Questões Jurídicas do Sistema de Reserva de Vagas na Universidade Brasileira: Um Estudo Comparado entre UERJ, UnB e UNEB. Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro. LPP. Programa Políticas da Cor na Educação Brasileira. Série Ensaios & Pesquisas.

Dauster, T. (2004).Uma revolução silenciosa: Notas sobre o ingresso de setores de baixa renda na universidade. Revista Avá, Posadas, Misiones. Argentina.

Dias Sobrinho, J. (2011). Educação Superior: Democratização, Acesso e Permanência com Qualidade. In M. F. C. de Paula, &N. F. Lamarra (Orgs.), Reformas e democratização da educação superior no Brasil e na América Latina. Aparecida, SP: Idéias& Letras.

Gomes, N. L. (2004).Cotas para a população negra e a democratização da universidade pública. In M. do C. de L. Peixoto (Org.),Universidade e Democracia: Experiências e Alternativas para a Ampliação do Acesso à Universidade Pública Brasileira. Belo Horizonte: Editora da UFMG.

Gonçalves, L. A. O.,& Gonçalves e Silva, P. B. (2006),O Jogo das Diferenças: O Multiculturalismo e seus contextos. Belo Horizonte: Autêntica.

Kamel, A. (2006).Não Somos Racistas: Uma Reação aos que Querem nos Transformar numa Nação Bicolor. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Maio, M.C.,& Santos, R. V. (2005, janeiro/junho).Política de Cotas Raciais, Os “Olhos da Sociedade” e os Usos da Antropologia: O Caso do Vestibular da Universidade de Brasília (UnB). Horizontes Antropológicos,11(23),181-214.

Mariz, C. L., Fernandez, S. R. A.& Batista, R. (2003). Os Universitários da Favela. In A. Zaluar, &M. Alvito, M. (Orgs.),Um Século de Favela. Rio de Janeiro: Editora da FGV.

Mattos, W. R. de. (2004).Inclusão Social e Igualdade Racial no Ensino Superior Baiano – Uma Experiência de Ação Afirmativa na Universidade do Estado da Bahia (UNEB). In J. Bernardino, &D. Galdino (Orgs.),Levando a Raça a Sério:Ação Afirmativa e Universidade. Rio de Janeiro: DP&A.

Miranda, L. L. (2005).Subjetividade: A (Des)construção de um conceito. In S. Jobim e Souza (Org.), Subjetividade em Questão: A Infância como Crítica da Cultura (2ªed.).Rio de Janeiro: 7Letras.

Paiva, A. R. (2010).Apresentação. In Entre Dados e Fatos: Ação Afirmativanas Universidades Públicas Brasileiras. Rio de Janeiro: PUC-Rio, Pallas Ed.

Sant’Anna, A. A. F. (2004).O Direito de Ser Diferente: Processos de Singularização com uma Aposta da Vida contra a Exclusão. In J. G. de Souza Jr etal. (Orgs.).Educando para Direitos Humanos: Pautas Pedagógicas na Universidade. Porto Alegre: Síntese.

Santos, R. E. (2005).Reserva de Vagas para Negros em Universidades Públicas: Um Olhar sobre a Experiência Brasileira.Revista Advir,(19/Cotas). Rio de Janeiro: ASDUERJ.

Souza, D. D. de. (2004). Combate ao racismo: compromissos e ações propositivas. In J. Pinsky. Práticas de Cidadania. São Paulo, Contexto.

Vieira, A. L. da C., Gonçalves e Silva P. B.,& Silvério, V. R. (2003) Políticas de educação, educação como política. Observações sobre ação afirmativa como estratégia política. In P. B. Gonçalves & Silva, & V. R. Silvério (Orgs.),Educação e Ações Afirmativas: Entre a Injustiça Simbólica e a Injustiça Econômica. Brasília. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira.




DOI: https://doi.org/10.22456/2238-152X.90297

logogoogle
Scientific Electronic Library Online     

           

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

ISSN eletrônico: 2238-152X