Da arte figurativa à arte abstrata: uma análise psicológica

Paulo Roberto de Carvalho, Sonia Regina Vargas Mansano

Resumo


Este estudo analisa o surgimento da pintura abstrata que se consolida no século XX como um acontecimento que demarca uma ruptura com o projeto comunicacional da arte. Como referencial teórico, será utilizada a interface entre Arte, Psicologia e Filosofia da Diferença que caracteriza a pintura figurativa como um tipo de representação. As referências aos seres do mundo, que dominaram a pintura por milênios, são gradativamente abandonadas e emergem registros das intensidades vividas. A pintura abstrata incide sobre a subjetividade de um modo radicalmente diferente, relacionado com a variação de potência do sujeito que vê a obra. O estudo foi dividido em dois momentos: Primeiramente, será realizada uma explanação sobre a passagem da arte figurativa à arte abstrata. Em seguida, serão consideradas as rupturas que esta passagem implicou. Como conclusão, pode-se dizer que a produção artística contemporânea já absorveu, ao menos em parte, as rupturas subjetivas provocadas pela emergência do abstrato.


Palavras-chave


arte; psicologia; subjetividade

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, E. A. A. & Goés, F. (2015). Entre a figura e o abstrato: instâncias do pensamento.

Interface - Comunicação, Saúde, Educação. 19(52) Jan-Mar. Doi: 10.1590/1807-57622014.1298.

Deleuze, G. (2006). A Ilha deserta. São Paulo: Iluminuras.

Deleuze, G. & Guattari, G. (1995). Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Vol. 2. Rio de Janeiro: Editora 34.

Deleuze, G. & Guattari, G. (1996). Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Vol. 3. Rio de Janeiro: Editora 34.

Deleuze, G. & Guattari, G. (1997). Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Vol. 4. São Paulo: Editora 34.

Deleuze, G. & Guattari, G. (2010). O Anti-Édipo: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Editora 34.

Franceschin, E. & Fonseca, T. M. G. (2017). Arte e loucura como limiar para outra história. Psicol. USP. 28(1). São Paulo Jan./Apr. Doi: 10.1590/0103-656420160022.

Gombrich, E. H. (1972). História da arte. São Paulo: Círculo do Livro.

Guattari. F. (2006). Capitalismo e esquizofrenia. Em: Deleuze, G. A ilha deserta. São Paulo: Iluminuras.

Lazzarato. M. (2014). Signos, máquinas, subjetividades. São Paulo: Edições Sesc e N – 1 Edições.

Naffah Neto, A. (2014). A psicanálise e a herança de Nietzsche sob a forma de dez mandamentos. Em: Paulon, S. M. (Org.). Nietzsche psicólogo: a clínica à luz da filosofia trágica. Porto Alegre: Editora Sulina, p. 145-165.

Parente, A. (Org.) (1993). Imagem máquina: A era das tecnologias do virtual. Rio de Janeiro: Editora 34.

Rolnik, S. (2018). Esferas da Insurreição: notas para uma vida não cafetinada. São Paulo: N – 1 Edições.

Silva, A. L. P. & Viana, T. C. (2017). Caracterização da Produção Brasileira em Artigos Científicos sobre Arte e Psicologia (2004-2014). Psico-USF. 22(1). Itatiba Jan./Apr. Doi: 10.1590/1413-82712017220110

Vivar. R. D. & Kawahala, S. E. (2017). A potência de viver: Deleuze e a arte. Psicologia & Sociedade. 29. Belo Horizonte. Doi: 10.1590/1807-0310/2017v29157570




DOI: https://doi.org/10.22456/2238-152X.89440

logogoogle
Scientific Electronic Library Online     

           

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

ISSN eletrônico: 2238-152X