Sistemas familiares conflituosos e cuidado feminino com crianças acolhidas

Lucas Fadul de Aguiar, Edson Júnior Silva da Cruz, Janari da Silva Pedroso

Resumo


O estudo de famílias como um sistema permite desfocalizar sofrimentos e problemáticas em uma única pessoa. Essa compreensão facilita entender o cuidado realizado por mulheres com seus filhos, a partir das heranças transgeracionais que compõe a história de vida familiar. Em casos extremos no cuidado, a criança pode parar em uma instituição de acolhimento infantil. A presente pesquisa investigou a relação entre crianças institucionalizadas e a dinâmica de suas famílias. Trata-se de um estudo de casos múltiplos, com os seguintes instrumentos: entrevistas semiestruturadas e o genograma. A discussão dos resultados evidenciou que a herança de abandono foi atualizada em até três gerações, a partir de uma história que se construiu a base de perdas emocionais e financeiras. Tais perdas foram somadas as dificuldades do núcleo, ao exteriorizarem conflitos que resultaram na posterior desagregação familiar e acolhimento infantil. 


Palavras-chave


dinâmica familiar; cuidado feminino; transmissão transgeracional; genograma; crianças institucionalizadas

Texto completo:

PDF

Referências


Brito, F. S. (2008). Mulher chefe de família: um estudo de gênero sobre a família monoparental feminina. Revista Urutágua, 15, 42-52.

Bucher-Maluschke, J. S. N. F. (2008). Do transgeracional na perspectiva sistêmica a transmissão psíquica entre as gerações na perspectiva da psicanálise. São Paulo: Summus Editoral.

Pines-Gassman, Anna. (2011). Low-Income Mothers’ Nightime and Weekend Work: Daily Associations with Child Behavior, Mother-Child Interactions, and Mood. Family Relations, 60, 15-29.

Fukuda, C. C., Penso, M. A., & Santos, B. R. (2013). Configurações sociofamiliares de crianças com múltiplos acolhimentos institucionais. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 65, 70-87.

Cardoso, A. C. (2011). Avós no século XXI: Mutações e rearranjos na família contemporânea. Curitiba: Juruá Editora.

Diniz, G. R. S. (2011). Conjugalidade e violência: reflexos sob uma ótica de gênero. Em Terezinha Féres-Carneiro (Org.), Casal e Família: conjugalidade, parentalidade e psicoterapia. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Krom, M. (2000). Família e mitos, prevenção e terapia: resgatando histórias. São Paulo: Summus.

Wendt dos Santos, A. C., & Moré, C. L. O. O. (2011). Impacto da violência no sistema familiar de mulheres vítimas de agressão. Psicologia: ciência e profissão, 31(2), 220-235.

Knoester, Chris., & Carlson, D. L. (2011). Family Structure and the Intergenerational Transmission of Gender Ideology. Journal of Family Issues, 32, 709-734.

Silva, T. S. R., Magalhães, C. M. C., & Cavalcante, L. I. C. (2014). Interações entre avós e netos em instituições de acolhimento infantil. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 66, 49-60.

BRASIL. Lei nº 8.069. Estatuto da Criança e do Adolescente. Brasília, DF, 1990. Disponível em

Maia, A. C. & Barreto, M. (2012). Violência contra crianças e adolescentes no Amazonas: Análise dos registros. Psicologia em Estudo, 17(2), 195-204

Teixeira, P. A. S. & Villachan-Lyra, P. (2015). Sentidos de desacolhimento de mães sociais dos sistemas de casas lares. Psicologia & Sociedade, 27(1), 199-210.

Gomes, C. A. V. (2013). O lugar do afetivo no desenvolvimento da criança: implicações educacionais. Psicologia em Estudo, 18(3), 509-518.

Saullo, R. F. M., Rossetti-Ferreira, M. C., & Amorim, K. S. (2013). Pro-posições, 24(3), 81-98.

Sodré, Francis (2014). O serviço social entre a prevenção e a promoção de saúde: tradução, vínculo e acolhimento. Serviço Social & Sociedade, 117, 69-83.

Nunes, E. C. D. A., Silva, L. D., & Pires, E. P. O. R. (2011). O ensino superior de enfermagem: implicações da formação profissional para o cuidado transpessoal. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 19(2), 01-09.

McGoldrick, Monica. (2012). Genogramas: Avaliação e Intervenção familiar. Rio de Janeiro: Artmed.

Bardin, Laurence. (2010). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições.

Bowen, M. (1976). Theory in the practice of psychotherapy. New York: Gardner.

Crawford, D. M., Trotter, E. C., Hartshorn, K. J. S., & Whitebeck, L. B. (2011). Pregnancy and Mental Health of Young Homeless Women. American Journal of Orthopsyquiatric, 81 (2), 173-183.

Fernandes, R. T., Lamy, Z. C., Morsch, Denise., Filho, F. L., & Coelho, L. F. (2011). Tecendo as teias do abandono: além das percepções das mães de bebês prematuros. Ciência & Saúde Coletiva, 16 (10), 1-10.

Gutfreind, Celso. (2010). Narrar, ser mãe, ser pai & outros ensaios sobre a parentalidade. Rio de Janeiro: DIFEL.

Rodrigues, L. S., & Chalhub, A. A. (2014). Contextos familiares violentos: da vivência de filho à experiência de pai. Pensando famílias, 18(2), 77-92.

Rocha, P. C. X. da., & Moras, C. L. (2011). Violência familiar contra a criança e perspectivas de intervenção do Programa Saúde da Família: a experiência do Programa Médico de Família/Niterói. Ciência & Saúde Coletiva, 16 (7), 3285-3296.

Pereira, Melissa., Sá, Marilene de Castilho., & Miranda, Lilian. (2013). Adolescência, crie e atenção psicossocial a partir da obra de René Kaës. Saúde em debate, 37(99), 664-671.

Comin-Scorsolini, Fabio., & Antonio dos Santos, Manoel. (2012). A medida positiva dos afetos: bem-estar subjetivo (BES) em pessoas casadas. Psicologia: reflexão e crítica, 25(1), 11-20.

Almeida, M. E., Magalhães, A. S., & Féres-Carneiro, Terezinha. (2014). Transmissão geracional na família: repetição e diferenciação. Psico, 45 (4), 454-462.

Almeida, M. E. S. (2010). Uma proposta sobre a transgeracionalidade: o absoluto. Agora, 13(1), 93-108.

Santos, V. O., & Ghazzi, M. S. (2012). A transmissão psíquica geracional. Psicologia: ciência e profissão, 32 (3), 632-647.

Brito, L. M. T. de, Cardoso, A. R., & Oliveira, J. D. G. (2010). Debates entre Pais e Mães divorciados: um trabalho com grupos. Psicologia: Ciência e Profissão, 30(4), 810-823.

Cúnico, S. D., & Arpini, D. M. (2013). A família em mudanças: Desafios para a paternidade contemporânea. Pensando Famílias, 17(1), 28-40




DOI: https://doi.org/10.22456/2238-152X.88380

logogoogle
Scientific Electronic Library Online     

           

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

ISSN eletrônico: 2238-152X