Cidade e Racionalização da Subjetividade: Implicações das Ciências da Saúde e Educação

José Sterza Justo, Carolina Villanova Heguedush

Resumo


A maioria da população mundial já vive nas cidades. No Brasil, 83% dos seus habitantes estão distribuídos pelas suas 5.564 urbes. A cidade é um desses artefatos criados pelo homem que se manteve ao longo da história e acabou se tornando seu habitat até hoje. É na vida urbana que o homem se produz e produz seu mundo. Partindo do reconhecimento da importância da cidade para o homem atual, a presente pesquisa pretendeu investigar os processos de racionalização/objetivação deflagrados numa pequena cidade. Para tanto, tomou como objeto de estudo o centro urbano do menor município do Estado de São Paulo, em número de habitantes. Foram realizadas observações do cotidiano da cidade mediante a participação em acontecimentos, festas, eventos e reuniões públicas. Como principal conclusão foi possível constatar que a saúde e educação são as principais vias de entrada dos processos de racionalização na vida urbana, enfraquecedores da produção de subjetividade.


Palavras-chave


Cidade; Racionalidade; Subjetividade

Texto completo:

PDF

Referências


Apodaka, Eduardo; Villarreal, Mikel. (2011). Los retos psicosociales de la ciudad. Em: Gónzalez, M.; Beascoechea I, J.Mª e Zarraga, K.( Orgs). Procesos detransición, cambio e innovación en la ciudad contemporánea. Bilbao: Servicio Editorial UPV/EHU.

Bardin, Lawrence (2009). Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70.

Bauman, Zigmund (1999). Globalização: conseqüências humanas. Rio de Janeiro: Zahar.

Berman, Marshal. (1998). Tudo que é sólido desmancha no ar: a aventura da modernidade. São Paulo: Companhia das Letras.

Freitas, Maria Tereza de Assunção (2002). A abordagem sócio-histórica como orientadora da pesquisa qualitativa. Caderno de Pesquisa. (116), 21-39.

Giddens, Anthony (1991). As consequências da modernidade. São Paulo: EDUNESP.

Gonzáles - Rey, Luiz.Fernando (2002). Pesquisa qualitativa em Psicologia: caminhos e desafios. São Paulo: Pioneira.

Grau-Solés, Marc ; Íñiguez-Rueda, Lupicinio; Subirats, Joan (2012). Una perspectiva híbrida y no-moderna para los estudios urbanos. Athenea Digital, 12(1): 89-108.

Harvey, David. Condição pós-moderna. São Paulo: Loyola, 1992.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatítica -IBGE (2016). Recuperado em 09, junho,2018 de: http://cidades.ibge.gov.br/xtras/temas.php?lang=&codmun=350720&idtema=1&search=sao-paulo|bora|censo-demografico-2010:-sinopse-.

Maffesoli, Michel (1998). O Tempo das Tribos: o declínio do individualismo nas sociedades de massa. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Moraes, Carla Gisele Macedo S. M. (2013). Impressões da cidade moderna: a constelação de significados de Georg Simmel, en-tre a vida do espírito e a modernidade ininterrupta”. RBSE – Revista Brasileira de Sociologia da Emoção. 12 (36), 860-872.

Martins, Hermínio (2012). Experimentum humanum: civilização tecnológica e condição humana. Belo Horizonte: Fino Traço.

Sánchez, Nicolás Fuster e Moscoso-Flores, Pedro (2016). “Poder” en la época de la Población. Foucault y la medicalización de la ciudad moderna. Athenea digital, 16(3), 207-227.

Sato, Leni.; Souza, Marilena Proença Rebello (2007). Contribuindo para desvelar a complexidade do cotidiano através da pesquisa etnográfica em psicologia. Em: Matias, M.C.M.; Abib, J.A.D. (Org.). Sociedade em transformação: estudo das relações entre trabalho, saúde e subjetividade. Londrina: Eduel.

Secretaria da Segurança do Estado de São Paulo (2016). Recuperado em 12, setembro, 2018 de: http://www.ssp.sp.gov.br/noticia/lenoticia.aspx?id=8038.

Simmel, Georg. (1912/2009). As grandes cidades e a vida do espírito. Covilhã: Universidade da Beira Interior.

ado em 18, outubro, 2010 de: http://www.tse.jus.br/eleitor/estatisticas-de-eleitorado/estatisticas-de-eleitorado.




DOI: https://doi.org/10.22456/2238-152X.87518

logogoogle
Scientific Electronic Library Online     

           

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

ISSN eletrônico: 2238-152X