Gestão Autônoma da Medicação: saberes e visibilidades de usuários de saúde mental em universidades no interior do RS

Leonardo Lima de Senna, Marcos Adegas de Azambuja

Resumo


Este artigo abordou os efeitos de uma pesquisa da estratégia da Gestão Autônoma da Medicação em usuárias(os) da saúde mental que passam a ocupar o lugar de palestrantes em ambientes acadêmicos no interior do RS. Por objetivo geral pretendeu analisar como se constituíram esses investimentos e visibilidades no saber das(os) usuárias(os) para frequentarem essas universidades. Também intentou-se descrever as relações de saber e poder e os limites da prática de autonomia nas salas de aula. Por uma abordagem de inspiração foucaultiana, mapeou-se o campo estratégico produzido pela pesquisa e os enunciados ‘saber no corpo’ e ‘autonomia’ pela experiência de seis participações dessas pessoas como palestrantes. Discute-se a produção de um corpo que encontra outras possibilidades além da relação com o medicamento e a loucura, assim como um processo de autonomia temporária no jogo de forças da ação de uns sobre os outros.

Palavras-chave


saúde mental; gam; usuários; autonomia

Texto completo:

PDF

Referências


Amarante, P. (2000). Loucos pela vida: a trajetória da reforma psiquiátrica no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz.

Basaglia, F. (1985). A instituição negada. Rio de Janeiro: Graal.

Campos, O. R. T. Palombini, A. L. Silva, A. E. Passos, E. Leal, E. Serpa, O. Marques, C. Gonçalves, L. L. Santos, D. Surjus, L. T. Arantes, R. L. Emerich, B. Otanari, T. M. C. Stefanello, S. et alli. Adaptação multicêntrica de um Guia para a Gestão Autônoma da medicação. Interface: Comunicação, Saúde, Educação, v. 16, n. 43, p. 967-980, out/dez/2012.

Campos, O. R. T., Passos, E., Leal, E., Palombini, A., Serpa, O. et. al. (2012). Guia da gestão autônoma da medicação – GAM DSC/FCM/UNICAMP; AFLORE; IPUB/UFRJ; DP/UFF; DPP/UFRGS: Disponível em: http://www.fcm.unicamp.br/fcm/ laboratorio-saude-coletiva-e-saude-mental-interfaces.

Campos, O. R. T., Passos, E., Palombini, A. (2014) Gestão autônoma da medicação – Guia de Apoio a Moderadores. DSC/FCM/UNICAMP; AFLORE; DP/UFF; DPP/UFRGS: Disponível em: http://www.fcm.unicamp.br/fcm/laboratorio-saude-coletiva-e-saude- mental-interfaces.

Canguilhem, G. (2009). O normal e o patológico. 6.ed. rev. - Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Deleuze, G. (1988). Diferença e repetição. Tradução L. Orlandi & R. Machado. Rio de Janeiro: Graal.

Deleuze, G. (2005). Foucault. Tradução Claudia Sant’Anna Martins; revisão da tradução Renato Ribeiro. São Paulo, SP. Brasiliense.

Furlan, P.G, Campos, G.W. (2014). Pesquisa-apoio: pesquisa participante e o método Paideia de apoio institucional. Comunicação Saúde Educação. 18(1): 885-894.

Furtado, J.P. (2006). Avaliação de programas e serviços de saúde. In: Minayo, MCS & Campos, GWS & Akerman, M. & Drumond Júnior M. & Carvalho Y. (Org.). Tratado de saúde Coletiva. 1 ed. SP: Hucitec, v. 1, p. 669-714.

Foucault, M. (1972). História da Loucura na Idade Clássica. São Paulo, SP: Editora Perspectiva.

Foucault, M. (1979). Microfísica do poder. Rio de Janeiro, RJ: Graal

Foucault, M. (2000 a). Doença Mental e Psicologia. Rio de Janeiro, RJ: Tempo Brasileiro.

Foucault, M. (2000 b). As palavras e as coisas. São Paulo: Martins Fontes.

Foucault, M. (1988). História da sexualidade I: A vontade de saber. Rio de Janeiro, RJ: Graal.

Foucault, M. (2009). O sujeito e o poder. In: Hubert L. Dreyfus e Paul Rabinow. Michel Foucault. Uma Trajetória Filosófica. Para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro, RJ: Forense Universitária.

Foucault, M. (2014). A Ordem do discurso. São Paulo, SP: Edições Loyola.

Goffman, E. (1982). Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro: Zahar, 1982.

Goffman, E. (1974). Manicômios, prisões e conventos. São Paulo: Perspectiva.

Guba, E.G. & Lincoln, Y.S. (1989). Fourth Generation Evaluation. Sage Publications. Newbury Park, 1989, 294 p.

Kant, I. (2011). Fundamentação da metafísica dos costumes. Coimbra: Edições 70.

Kinoshita, R. T. (2001). O outro da reforma: contribuições da teoria da autopoiese para a problemática da cronicidade no contexto das reformas psiquiátricas (Tese de Doutorado). Recuperado de http:// libdigi.unicamp.br/document/?code=vtls000218828

Lancetti, A. (2013). Saúdeloucura: Saúde Mental e Saúde da Família, nº7, 3ª ed. São Paulo, Hucitec.

Marques, C.C., Palombini, A, Passos, E., Campos, O. R. T. (2013). Sobre mudar de lugar e produzir diferenças – A voz dos usuários de serviços públicos de saúde mental. Mnemosine Vol.9, nº1, p. 106-126.

Maturana, H. R., & Varela, F. (2004). A árvore do conhecimento: as bases biológicas do entendimento humano. São Paulo: Palas Athena.

Nietzsche, F. (1999). A gaia ciência. In F. Nietzsche (Org.), Obras incompletas. Coleção Os Pensadores. São Paulo: Nova Cultural.

Onocko, C. R. (2001). Clínica: a palavra negada - sobre as práticas clínicas nos serviços substitutivos de saúde mental. Saúde em debate, Rio de Janeiro, V. 25, n. 58, p. 98-111.

Passos, E., Benevides, R. (2001). Clínica e Política na Experiência do Contemporâneo. Psicologia Clínica,13 (1): 89-100.

Poli, M. C. (2006). O sujeito na ciência: questões à bioética. Psicologia Social, 18(3). doi: 10.1590/S0102-71822006000300002

Rotelli, F., Leonardis, O., Mauri, D.(2001). Desinstitucionalização. São Paulo: Editora Hucitec.

Zambillo, M., Palombini, A. L. (2017). Autonomias errantes: Processos de autonomização em saúde mental, Estudos de Psicologia, 22(1), 78-88.




DOI: https://doi.org/10.22456/2238-152X.86774

logogoogle
Scientific Electronic Library Online     

           

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

ISSN eletrônico: 2238-152X