Violências, mulheres travestis, mulheres trans: problematizando binarismos, hierarquias e naturalizações.

Mériti Souza, Marcelo de Oliveira Prado

Resumo


O presente artigo problematiza violências vivenciadas por pessoas que se reconhecem ou já se reconheceram como mulheres travestis e mulheres transexuais – uma das entrevistadas no momento da entrevista se reconheceu como crossdresser. Foram realizadas entrevistas na Região da Grande Florianópolis e a análise ocorreu a partir das referências de autores como Jacques Derrida e Judith Butler, considerando as suas críticas aos binarismos e as hierarquias entendendo-os como produtores de relações de violências. Também foram utilizadas contribuições do transfeminismo, como a noção de cisheteronormatividade. As performances de gênero de mulheres travestis e mulheres trans foram relacionadas à abjeção desses corpos que não condizem com os ideais normativos de gênero. Essa abjeção está relacionada à exposição a situações de violências associadas à sua concomitante naturalização. Desconstruir pares como homem/mulher, natureza/cultura, vítima/agressor, pode contribuir com o deslizamento de sentidos dessas cristalizações binárias, destituindo o lugar de violência ocupado por corpos trans e travestis.


Texto completo:

PDF

Referências


Amaral, M. S., Silva, T. C., Cruz, K. O. & Toneli, M. J. F. (2014). “Do travestismo às travestilidades”: uma revisão do discurso acadêmico no Brasil entre 2001-2010. Psicologia & Sociedade, 26 (2), 301-311.

Butler, J. (1999) Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do “sexo”. In: Louro, G.L. (Org.) O corpo educado – pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica.

Butler, J. (2006a) Regulaciones de género. Rev. De Estudios de Género. La Ventana. Guardalajara, México, 23, 7-35. Acesso em 29 de Março, 2016, em http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=88402303

Butler, J. (2006b) Vida precaría: El poder del duelo e la violencia. Buenos Aires: Paidós.

Butler, J. (2015a) Quadros de Guerra: quando a vida é passível de luto? Rio de Janeiro: Civilização brasileira.

Butler, J. (2015b) Relatar a si mesmo: Crítica da violência ética. São Paulo: Autêntica.

Camilo, B.; Santos, M.; Toneli, M. J. F.; Amaral, M. S. (2015) Vulnerabilidades mapeadas, Violências localizadas: Experiências de pessoas travestis e transexuais no Brasil. Quaderns de Psicologia, 17, (3), 83-98.

Derrida, J. (1991) Margens da filosofia. Campinas, SP: Papirus.

Derrida, J. (2001a) Estados-da-alma da psicanálise: O impossível para além da soberana crueldade. São Paulo: Escuta.

Derrida, J. (2001b) Posições. Belo Horizonte: Autêntica.

Derrida, J. & Roudinesco, E. (2004) De que amanhã: diálogo/ Jacques Derrida; Elizabeth Roudinesco. Rio de Janeiro: Zahar Ed.

Freud, S. Além do principio do prazer. (1996). In: Freud, S. Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 16. (Original publicado em 1920)

Gabriel, A. (2011). Ecofeminismo e ecologias queer: uma apresentação. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, 19, (1), 167-174.

Garcia, M. R. V. (2007). “Dragões”: gênero, corpo, trabalho e violência na formação da identidade entre travestis de baixa renda. Tese de Doutorado, Departamento de Psicologia Social, Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Garcia, M. R. V. (2008). Prostituição e atividades ilícitas entre travestis de baixa renda. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 11, (2), 241-256.

Grupo Gay da Bahia - GGB. (2017) Assassinato de LGBT no Brasil: Relatório de 2016. Acesso em 06 de Novembro, 2017, em https://homofobiamata.files.wordpress.com/2017/01/relatc3b3rio-2016-ps.pdf

Jesus, J. G. (2014) Interlocuções teóricas do pensamento transfeminista. In: Jesus, J. G.(Org.). Transfeminismo: Teorias e práticas. Rio de Janeiro: Metanoia.

Pelúcio, L. (2005) Na noite nem todos os gatos são pardos: notas sobre a prostituição travesti. Cadernos Pagu, Campinas, 25, 217-248.

Scott, Joan. (1998). O enigma da experiência. Rev. Proj. História, 16, São Paulo.

Toneli, M. J. F.; Amaral, M. S. (2013) Sobre Travestilidades e Políticas Públicas: como se produzem os sujeitos da vulnerabilidade. . In: Nardi, H. C.; Silveira, R. S.; Machado, P. S. (Orgs.). Diversidade sexual, relações de gênero e políticas públicas. Porto Alegre, Sulina.

Tgeu (2017). Trans Day of Visibility 2017 Press Release – 2,343 trans people reported murdered in the last 9 years. Acesso em 05 de setembro, 2017, em http://transrespect.org/en/tdov-2017-tmm-update/




DOI: https://doi.org/10.22456/2238-152X.83831

logogoogle
Scientific Electronic Library Online     

           

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

ISSN eletrônico: 2238-152X