O fazer profissional no CREAS: ilhas, travessias e descaminhos possíveis

Claudia Winter da Silveira, Daniela da Silva Champe, Luciane Chiapinotto, Rosângela Machado Moreira, Suellen Santos Silva, Vitória Magalhães Guasque, Vinicius Tonollier Pereira

Resumo


O artigo problematiza o fazer cotidiano dos profissionais no Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS), além de discutir o trabalho ofertado por este serviço e a sua interação com as demais políticas sociais, bem como as repercussões da atual conjuntura socioeconômica no atendimento à violação de direitos, no contexto do Sistema Único de Assistência Social (SUAS). Para tal discussão, além de uma revisão teórica sobre a Política de Assistência Social, são construídas narrativas dos autores a partir de suas experiências profissionais no CREAS. O debate realizado pelos profissionais aponta para um trabalho que se caracteriza pela fragmentação e por serviços configurados em "ilhas". Nesse sentido, reflete-se sobre possibilidades de construção de aproximações, a partir de pontes e descaminhos que estabeleçam a comunicação entre os diversos serviços, resultando na qualificação das intervenções e proteção social aos usuários.


Palavras-chave


Sistema Único de Assistência Social; Assistência Social; Centro de Referência Especializado de Assistência Social; Políticas Sociais; Violação de Direitos.

Texto completo:

PDF

Referências


Alves, R. F., Brasileiro, M. do C. E., & Brito, S. M. de O. (2005). Interdisciplinaridade: um conceito em construção. Episteme, (19), 139–148.

Andrade, L. O. M. (2006). A saúde e o dilema da intersetorialidade. São Paulo: Hucitec.

Barros, M. E. B. de, & Pimentel, E. H. do C. (2012). Políticas públicas e a construção do comum: interrogando práticas PSI. Polis E Psique, 2(2), 3–22.

Boschetti, I. (2016). Tensões e possibilidades da política de assistência social em contexto de crise do capital. Argum, 8(2), 16–29.

Brasil. Resolução no 269, de 13 de dezembro de 2006. Norma Operacional Básica de Recursos Humanos do SUAS – NOB-RH/SUAS, Pub. L. No. Diário Oficial da União: 26/12/2006 (2006).

Brasil. (2009). Capacitação de conselheiros de assistência social: guia de estudos. Brasília: Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação; Secretaria Nacional de Assistência Social. Campos, G. W. de S. (2015). Um método para análise e co-gestão de coletivos (5a). São Paulo: Hucitec.

Couto, B. R., Carmelita, Y. M., Silva, M. O. da S. e, & Raichelis, R. (2010). O Sistema Único de Assistência Social no Brasil: Uma realidade em movimento. São Paulo: Cortez Editora.

Iamamoto, M. V. (2001). A Questão Social no Capitalismo. Temporalis, 2(3), 9–32.

Inojosa, R. M. (1998). Intersetorialidade e a configuração de um novo paradigma organizacional. Rap, 32(2), 35–48.

Lima, J. B. de. (2017). O projeto profissional do Serviço Social em debate: entre a intenção de ruptura e as tendências do neoconservadorismo. Temporalis, 17(33), 15–39.

Mioto, R. C. T., & Schütz, F. (2011). Intersetorialidade na política social: reflexões do exercício profissional dos Assistentes Sociais. In O direito à saúde e a proteção social em faixas de fronteiras: Um balanço do debate acadêmico no sul da América do Sul - DIPROSUL. Pelotas.

Passos, E., & Barros, R. B. de. (2015). Por uma política da narratividade. In E. Passos, V. Kastrup, & L. da Escóssia (Eds.), Pistas do método da cartografia: Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade (pp. 150–171). Porto Alegre: Sulina.

Scarparo, M. de L. D.-E. (2008). Em busca do sujeito perdido: a psicanálise na assistência social, limites e possibilidades. Dissertação de Mestrado em Psicologia Social e Institucional. Programa de Pós Graduação em Psicologia Social e Institucional do Instituto de Psicologia. Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Silva, L. dos S. (2009). Mulheres em Cena: As novas roupagens do primeiro damismo na Assistência Social. (Mestrado em Serviço Social)–Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

Yamamoto, O. H., & Oliveira, I. F. de. (2010). Política Social e Psicologia: uma trajetória de 25 anos. Psicologia: Teoria E Pesquisa, 26(spe), 9–24.




DOI: https://doi.org/10.22456/2238-152X.81033

logogoogle
Scientific Electronic Library Online     

           

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

ISSN eletrônico: 2238-152X