LITERATURA DE AUTOAJUDA, SUGESTÃO E CONTEMPORANEIDADE: UMA LEITURA PSICANALÍTICA

Mateus Abreu Pereira, Mauricio Rodrigues de Souza

Resumo


Um dos fenômenos da atualidade que merece destaque é a alta popularidade da literatura de autoajuda. As obras deste gênero propõem o cultivo de práticas de influência interpessoal, que incorrem geralmente no recurso à sugestão, criticada por Freud desde antes do século XX. Com efeito, utilizando como principal referencial teórico a psicanálise freudiana e como recurso metodológico uma revisão teórico-bibliográfica que privilegiou a noção de sugestão e, de maneira complementar, a análise de conteúdo de uma obra representativa da autoajuda, o presente estudo objetivou analisar alguns dos mecanismos presentes em tal modalidade literária e discutir os fatores que influenciam na sua ampla aceitação hoje. Em termos conclusivos, aponta que a relação estabelecida entre autor e leitor na autoajuda, pautada por processos psíquicos de identificação e transferência em favor da adesão às propostas do autor, permite que este renove continuamente a promessa de conduzir o leitor ao sucesso.

Palavras-chave


literatura de autoajuda. Sugestão. Psicanálise.

Texto completo:

PDF

Referências


Adorno, T. W. (1986). Indústria Cultural. (A. Cohn, Trad, pp.92-99). In Cohn, G. Theodor W. Adorno. Sociologia. São Paulo: Ática. (Trabalho original publicado em 1963)

Carnegie, D. (1995). Como fazer amigos e influenciar pessoas (F. De Souza, Trad.). 45° Ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional.

Carvalho, D. F., & Fontenele, L. (2010). Psicanálise, psicoterapia e auto-ajuda. Psicanálise e Barroco em Revista, 8(2), 95-111.

Corso, M. (1994). Uma investigação sobre a influência da literatura de auto-ajuda. O Continente, 6-7.

Freud, S. (1996). Sobre a psicoterapia. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. 7, pp. 159-168). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1904)

________. (1996). Terapia Analítica. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. 16, pp. 137-148). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1916)

________¬. (2003) Prefácio à tradução de De La Suggestion, de Bernheim. In Artigos sobre Hipnotismo e Sugestão; A psicoterapia da histeria. (J.L Meurer & C. Oiticica, trad., pp. 9-22) Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1888)

________. (2010). A dinâmica da transferência. In S. Freud, Sigmund Freud: obras completas (P. de Souza, trad., Vol 10, pp. 133-146). São Paulo: Companhia das Letras. (Trabalho original publicado em 1912)

________. (2010). Formulação sobre os dois princípios do funcionamento psíquico. In S. Freud, Sigmund Freud: obras completas (P. de Souza, trad., Vol 10, pp. 108-121). São Paulo: Companhia das Letras. (Trabalho original publicado em 1911)

________. (2011). Caminhos da Terapia Analítica. In S. Freud, Sigmund Freud: obras completas (P. de Souza, trad., Vol 14, pp. 279-293). São Paulo: Companhia das Letras. (Trabalho original publicado em 1919)

________. (2011). Introdução ao narcisismo. In S. Freud, Sigmund Freud: obras completas (P. de Souza, trad., Vol. 12, pp. 9-37). São Paulo: Companhia das Letras. (Trabalho original publicado em 1914)

________. (2011). Psicologia das massas e análise do eu. In S. Freud, Sigmund Freud: obras completas. (P. de Souza, trad., Vol. 15, pp 14-115). São Paulo: Companhia das Letras. (Trabalho original publicado em 1921)

Hay, L. (1984). Você pode curar sua vida: como despertar idéias positivas, superar doenças e viver plenamente (E. Kan, Trad.). São Paulo: Best Seller.

Horkheimer, M., & Adorno, T. W. (1985). A indústria cultural – o esclarecimento como mistificação das massas. In M. Horkheimer & T. W. Adorno, Dialética do Esclarecimento: fragmentos filosóficos (G.de Almeida, trad., pp. 99-138). Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Trabalho originalmente publicado em 1947)

Le Bon, G. (1995). Psychologie des Foules. 5ª Ed. Paris: PUF. (Trabalho originalmente publicado em 1895)

McDougall, W. (1973). The Group Mind. Cambridge: Cambridge University Press. (Trabalho originalmente publicado em 1920)

Mezan, R. (1996). Psicanálise e psicoterapias. Estudos Avançados, 10(27), 95-108.

Rimke, H. M. (2000). Governing citizens through self-help literature. Cultural Studies, 14(1), 61-78.

Roudinesco, E. (2000). Por que a psicanálise? (V. Ribeiro, Trad.) Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

Rüdiger, F. (1996). Literatura de auto-ajuda e individualismo. Porto Alegre: EDUFRGS.

Smiles, S. (2002). Self-Help. Oxford: Oxford University Press. (Trabalho originalmente publicado em 1859)

Szasz, T. (1963). Psychoanalysis and suggestion: an historical and logical analysis. Comprehensive Psychiatry, 4, 271-280.

Tarde, G. (1993). Les Lois de L’imitation. Paris: Kimé. (Trabalho originalmente publicado em 1888)

Weber, M. (2004). A ética protestante e o “espírito” do capitalismo. (J.M de Macedo, Trad). São Paulo: Cia. das Letras. (Trabalho originalmente publicado em 1904)




DOI: https://doi.org/10.22456/2238-152X.80294

logogoogle
Scientific Electronic Library Online     

           

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

ISSN eletrônico: 2238-152X