Captura à vida de alto executivo: Dispositivos em cenas cotidianas

Junia Vogel Olbermann, Carmem Ligia Iochins Grisci

Resumo


 

O presente estudo buscou apresentar e discutir a vida de alto executivo na perspectiva dos dispositivos que a sustentam. Para tanto, empreendeu-se uma pesquisa exploratória qualitativa que contou com a participação de altos executivos de empresas de médio/grande porte localizadas no Brasil. Alcançados por meio da análise de conteúdo das entrevistas individuais realizadas com 26 participantes, os resultados dizem da vida vivida e da vida encenada de alto executivo. Condizentes com os ditames organizacionais, o dom, a bajulação e a glamourização dizem respeito, respectivamente, aos dispositivos de engajamento, sedução e captura de modo a sustentarem a vida de alto executivo.

 


Palavras-chave


Estratégias de viver a vida; vida de alto executivo; dispositivos; vida líquida

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, G. (2009). O que é o contemporâneo? E outros ensaios. Chapecó, Argos, 92 p.

BAUMAN, Z. (2001). Modernidade Líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 258 p.

BAUMAN, Z. (2007). Vida Líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 212 p.

BAUMAN, Z. (2008). Medo líquido. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 240 p.

BOLTANSKI, L., CHIAPELLO, E. (2009). O novo espírito do capitalismo. São Paulo: Editora WMF – Martins Fontes, 704 p.

ECCEL, C. S., GRISCI, C. L. I. (2011). Trabalho e gênero: a produção de masculinidades na perspectiva de homens e mulheres. Cadernos EBAPE (FGV), v. 9, p. 57-78.

ECHEVEST, S. (1999). O perfil do executivo no mercado globalizado. Revista de Administração Contemporânea. Curitiba, v. 3, n. 2, p. 167-186.

FREITAS, M. E. (1998). Cultura organizacional: identidade, sedução e carisma. Rio de Janeiro: FGV, 180p.

GAULEJAC, V. (2007). Gestão como doença social: ideologia, poder gerencialista e fragmentação. Aparecida, SP: Idéias e Letras, 344 p.

GORZ, A. (2005). O imaterial: conhecimento, valor e capital. São Paulo: Annablume, 107 p.

GRISCI, C. L. I , DEUS, E. S. , RECH, S. , RODRIGUES, M. F. GOIS, P. H. (2015). Beleza Física e Trabalho Imaterial: do Politicamente Correto à Rentabilização. Psicologia: Ciência e Profissão (Online), v. 35, p. 406-422,

GUATTARI, F.; ROLNIK, S. (2005). Micropolítica: cartografias do desejo. 7 ed. revis. Petrópolis: Vozes, 326 p.

HARDT, M. NEGRI, A. (2005). Multidão. Rio de Janeiro, Record, 400 p.

LAZZARATO, M; NEGRI, A. (2001). Trabalho imaterial: formas de vida e produção de subjetividade. Rio de Janeiro: DP&A Editora, 128 p.

LIMA, G. S., CARVALHO NETO, A.; TANURE, B. (2012). Executivos Jovens e Seniores no Topo da Carreira: Conflitos e Complementaridades. REAd. Porto Alegre, Ed. 71, n° 1, p. 63-96.

MANSANO, S. R. V, CARVALHO, P. R. (2015). Políticas de subjetivação no trabalho: da sociedade disciplinar ao controle. Psicologia em Estudo, v. 20, n. 4 p. 651-661.

MINAYO, M. C. S., DESLANDES, S. F., NETO, O. C., GOMES, R. (2001). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Rio de Janeiro: Vozes, 80 p.

OLTRAMARI, A. P., GRISCI, C. L. I., WEBER, L. (2011). Carreira e relações familiares: dilemas de executivos bancários. Mal-estar e subjetividade, 21(1), p 101-133.

PELBART, P. P. (2000). A vertigem por um fio: políticas da subjetividade contemporânea. São Paulo: Iluminuras, 222 p.

PELBART, P.P. (2003). Vida Capital: ensaios de biopolítica. São Paulo: Iluminuras, 252 p.

SAMPSON, A. (1996). O Homem da companhia: uma história de executivos. São Paulo: Companhia das letras, 408 p.

SCANFONE, L., CARVALHO NETO, A., TANURE, B. (2008). Tempos de Trabalho e de não trabalho: o difícil equilíbrio do alto executivo entre e carreira, as relações afetivas e o lazer. Faces R. Adm. • Belo Horizonte , v. 7 , n. 1 , p. 45-61.

SENNETT, R. (2009). A corrosão do caráter: as consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo. Rio de Janeiro: Record, 208 p.

SOBRINHO, J. , QUEIROZ, E. (2015). O sentido do trabalho para os neosujeitos numa posição gerencial. Rev. Polis e Psique; 5(3): 135 – 155.

TANURE, B., CARVALHO NETO, A., ANDRADE, J. (2007). Executivos: sucessos e (in) felicidades. Rio de Janeiro: Elsevier, 200 p.

TONON, L., GRISCI, C. L. (2015). Gestão gerencialista e estilos de vida de executivos. Revista de Administração Mackenzie. 16(1) • São Paulo, SP, p. 15-39.

WILLMOTT, H. (1984). Images and ideals of managerial work: a critical examination of conceptual and empirical accounts. Journal of Management Studies, 21, 3, p. 348-368.

WOOD JR, T. DE PAULA, A.P.P. (S/D). Pop-management: pesquisa sobre as revistas populares de gestão no Brasil. Núcleo de Pesquisas e Publicações FGV/EAESP, p 1-14.




DOI: https://doi.org/10.22456/2238-152X.79085

logogoogle
Scientific Electronic Library Online     

           

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

ISSN eletrônico: 2238-152X