"Manda Nude": jogos de saber-poder e produção de subjetividade

Fernanda Nicaretta, Inês Hennigen

Resumo


Apresentamos um recorte de nossa pesquisa de mestrado que focalizou a produção de discursos e de subjetividade relacionada à prática de compartilhar nudes através de mídias digitais, e que teve como corpus materiais (textos, música, vídeos, etc.) coletados na internet. Uma leitura inspirada nas teorizações foucaultianas possibilitou-nos tecer problematizações quanto ao enunciado “Manda nude”. Neste artigo, damos ênfase à forma como os pedidos de nudes são propostos, compostos e expressos, discutindo aquilo que é acionado no seu entorno. Assim, trazemos a articulação de alguns campos discursivos que operam sobre o corpo/sujeito quando está em questão fazer produzir e circular nudes: relativos à heterossexualidade masculina, à moralidade, ao humor, ao entretenimento e ao status de amador das fotografias. Ressaltamos que tal prática nada tem de neutra, sendo atravessada por saberes e forças que engendram certas posições subjetivas, coloca-se, portanto, enquanto uma temática pertinente a futuros estudos em Psicologia Social.


Palavras-chave


Corpo; nude; discurso; subjetividade.

Texto completo:

PDF

Referências


Barros, L. P., & Kastrup, V. (2014). Cartografar é acompanhar processos. Em E. Passos; V. Kastrup & L. Escóssia (orgs). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade (pp. 52-75). Porto Alegre: Sulinas.

Barros, S.C., Ribeiro, P. R. C., & Quadrado, R. P. (2014). Sexting: entendendo sua condição de emergência. EXEDRA: Revista Científica ESEC. Suplemento: Sexualidade, gênero e educação, 192-213.

Bataille, G. (2014). O erotismo. Belo Horizonte: Autêntica Editora.

Brasil, A., & Migliorin, C. (2010). Biopolítica do amador: generalização de uma prática, limites de um conceito. Revista Galáxia, 20(2), 84-94.

Brava, T. (2015). Manda nudes [áudio podcast]. Recuperado de https://www.letras.mus.br/thiago-brava/manda-nudes/

Curi, V. (2015). Manda Nude. Tumblr [página online]. Recuperado de https://mandanude.tumblr.com/

Deleuze, G. (2013). Foucault. São Paulo: Brasiliense.

Deleuze, G., & Guattari, F. (2014). Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia (2a ed.). São Paulo: Editora 34.

Facó, L. B. (2016). Produzir a subjetividade: o "si" no enfoque de Michel Foucault. Dossiê Capitalismo Cultural - Arquivos do CMD, 4(2), 201-214.

Feldman, I. (2008). O apelo realista. Revista Famecos, 3(36), 61-68.

Fischer, R. M. B. (1999). Foucault e o desejável conhecimento do sujeito. Educação & Realidade, 24 (1), 39-59.

Foucault, M. (2006). Estratégia Poder-Saber. Coleção Ditos & Escritos, v. IV (2 ed). Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Foucault, M. (2013a). A arqueologia do saber (8 ed). Tradução Luiz Felipe B. Neves. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Foucault, M. (2013b). Vigiar e punir: nascimento da prisão (41 ed.). Tradução: Raquel Ramalhete. Petrópolis, RJ: Vozes.

Foucault, M. (2015). Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Instinto de Homem (2016, 8 de setembro) Como conseguir uma tonelada de nudes sem parecer um idiota! Recuperado de http://instintodehomem.com.br/nudes/

Machado, R. (2015). Introdução: Por uma genealogia do poder. Em M. Foucault, Microfísica do poder (pp. 7-34). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Narrador sem limites (2017, 03 janeiro). Fui pedir nudes para minha professora e (olha no que deu). Vídeo digital, 11’46’’. Recuperado de https://www.youtube.com/watch?v=ERbr328w6-U

Pedroza, N., & Nicolau, M. (2015). Toque na tela: a revolução da tecnologia Touchscreen nas Mídias Móveis. Temática, 11(11), 68-83.

Prado Filho, K., & Martins, S. (2007). A subjetividade como objeto da(s) psicologia(s). Psicologia & Sociedade, 19(3), 14-19.

Primo, A., Lupinacci, L., Valiati, V., Barros, L. (2015). Comunicação privada na internet: da invenção do particular da Idade Média à hiperexposição na rede. Intertexto, 34, 513-534.

Santos, F. C. (2016). As faces da selfie: revelações da fotografia social. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 31 (92), 1-16.

Seja Macho Alfa (2015, 2 setembro) Como conseguir nudes. Recuperado de http://sejamachoalfa.com/como-conseguir-nudes-2/ (texto não mais disponível no endereço)

Sibilia, P. (2014). O que é obsceno na nudez? Entre a Virgem medieval e as silhuetas contemporâneas. Revista Famecos, 1(21), 24-55.

Sibilia, P. (2015). A nudez autoexposta na rede: deslocamentos da obscenidade e da beleza. Cadernos Pagu, 44, 171-98.

Slavutzky, A. (2014). Humor é coisa séria. Porto Alegre: Arquipélago Editorial.

Silva, R. N. (2005). A invenção da Psicologia Social. Petrópolis, RJ: Vozes.

Silva, R. N. (2008). Ética e paradigmas: desafios da psicologia social contemporânea. Em K. S. Ploner (Orgs.). Ética e paradigmas na psicologia social [online]. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, p. 39-45. Recuperado de http://static.scielo.org/scielobooks/qfx4x/pdf/ploner-9788599662854.pdf

Solari, G. (2017, 4 de fevereiro). Brasileiro cria o ‘Nudestarter’: site de crowdfunding de nudes. Catraca Livre. Recuperado de https://catracalivre.com.br/geral/dica-digital/indicacao/brasileiro-cria-o-nudestarter-site-de-crowdfunding-de-nudes/

Stevenson, A., & Soanes, C. (2004). Concise Oxford English Dictionary. Oxford Oxford University Press.

Veiga-Neto, A. (2007). Foucault e a educação. Belo Horizonte: Autêntica.




DOI: https://doi.org/10.22456/2238-152X.78015

logogoogle
Scientific Electronic Library Online     

           

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

ISSN eletrônico: 2238-152X