Entre Família e Nação: a filiação naturalizada

Éric Fassin

Resumo


Na França, o debate sobre as uniões de casais do mesmo sexo foi mais centrado na filiação – ao mesmo tempo naturalizada e sacralizada – do que no casamento, como foi o caso dos Estados Unidos. A filiação não é mais definida pelo casamento, mas em termos biológicos. Nós podemos certamente compreender este fato como uma reação contrária às novas reivindicações relativas ao “casamento gay”, mas também como parte dos debates sobre a nacionalidade francesa, no contexto das políticas anti-imigração. De fato, a filiação pertence tanto ao direito de família como ao direito de nacionalidade, intersecção crucial nos casamentos binacionais. Além disso, a diferença legal entre as famílias francesas e estrangeiras é cada vez mais definida em termos biológicos a partir de um “DNA francês”, contribuindo assim para uma racialização da nação.

Palavras-chave


Família; Imigração; Nação; Racialização

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2238-152X.31524

logogoogle
Scientific Electronic Library Online     

           

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

ISSN eletrônico: 2238-152X