Escrita literária em grupo: uma experiência coletiva

Veronica Torres Gurgel, Virginia Kastrup

Resumo


Frequentemente a concepção da escrita em grupos pressupõe o indivíduo como unidade mínima de organização subjetiva. Nesta direção, o termo coletivo é entendido como sinônimo de social ou agrupamento de indivíduos – e em oposição ao termo individual. Contudo, é possível pensar a escrita como um processo eminentemente coletivo – quer ocorra solitariamente, quer em grupos. O artigo toma como referência o conceito de coletivo de Félix Guattari e os estudos da produção da subjetividade. O objetivo é discutir experimentações de escrita literária com um grupo de escritores amadores e analisar seus efeitos. A pesquisa foi realizada no Clube de Leitura e Escrita Prosa na Roda e se baseou no método da cartografia. Discute o uso de textos literários para ativação da escrita, a reverberação dos encontros e a importância da regularidade do trabalho. Três analisadores emergiram dos relatos dos participantes: confiança, gentileza e força do encontro presencial – que evidenciaram efeitos da escrita em cada um.


Palavras-chave


Escrita; Grupo; Coletivo; Literatura; Subjetividade

Texto completo:

PDF

Referências


Barros, L.; Barros, M. (2013) O problema da análise em pesquisa cartográfica. Fractal: Revista de psicologia, 25(2), 373-390. doi: https://doi.org/10.1590/S1984-02922013000200010

Cabral, M.; Kastrup, V. (2009) Leitura de acolhimento: uma experiência de devir consciente. Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 22, p. 286-293. doi: https://doi.org/10.1590/S0102-79722009000200016

Citton, Y. (2014) Pour une écologie de l`attention. Paris, França: Seiul.

Deleuze, G.; Guattari, F. (1997) Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia, v. 4, São Paulo, Brasil: Editora 34.

Deleuze, G.; Guattari, F. (2007) Mil platôs: Capitalismo e Esquizofrenia Vol. 2. São Paulo, Brasil: Editora 34.

Depraz, N. (1999) Delimitation de l’emotion. Émotion et affectivité. Paris, França: Éditions Alter, nº 7, p.121-148.

Despret, V. (2004). The body we care for: Figures of anthropo-zoo-genesis. Body & Society, 10(2-3), 111-134. Doi: https://doi.org/10.1177/1357034X04042938

Elbow, P. (1973) Writing Without Teachers. New York, EUA: Oxford University Press.

Guattari, F. (2004) Psicanálise e transversalidade. São Paulo, Brasil: Ideias e Letras.

Guattari, F. (2012) Caosmose: um novo paradigma estético. Rio de Janeiro, Brasil: Editora 34.

Guillon, M. (2005) L'envie d'écrire: oser l'aventure des mots. Paris, França: Aubanel.

Gurgel, V. (2015) A escrita literária: a co-emergência da obra e do autor. (Dissertação de Mestrado). Programa de Pós Graduação em Psicologia/Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil.

Kamler, B. (2008) Rethinking doctoral publication practices: writing from and beyond the thesis. Studies in Higher Education, 33(3), 283–294. doi: https://doi.org/10.1080/03075070802049236

Kastrup, V. (2007) A invenção de si e do mundo: uma introdução do tempo e do coletivo no estudo da cognição. Belo Horizonte, Brasil: Autêntica.

Kastrup, V. (2008) O lado de dentro da experiência: atenção a si mesmo e produção de subjetividade numa oficina de cerâmica para pessoas com deficiência visual adquirida. psicologia: Ciência e Profissão, 28(1), 186-199. doi: https://doi.org/10.1590/S1414-98932008000100014

Kastrup, V.; Barros, R. Movimentos-funções do dispositivo na prática da cartografia. In E. PASSOS, & V. KASTRUP & L. ESCOSSIA. (Orgs.) (2012) Pistas do método da cartografia: pesquisa intervenção e produção de subjetividade (pp. 76-91). Porto Alegre, Brasil: Sulina.

Lapoujade, D. (2017) William James, a construção da experiência. São Paulo, Brasil: n-1 Edições.

Levecque, K. et al. (2017) Work organization and mental health problems in PhD students. Research Policy, 46(4), 868-87. doi: https://doi.org/10.1016/j.respol.2017.02.008

Lourau, R. (2004) Analista Institucional em tempo integral, São Paulo, Brasil: Hucitec.

PANTALEÃO, M. ; KASTRUP, V. (2015) Literatura, escrita inventiva e virtualização do eu. Revista Interinstitucional Artes de Educar, v. 1, p. 29-48. doi: https://doi.org/10.12957/riae.2015.11686

Passos, E. Barros, R. Pista 1: A cartografia como método de pesquisa-intervenção. In E. PASSOS &V. KASTRUP &L. ESCOSSIA. (2007 ) (Orgs.) Pistas do método da cartografia: pesquisa intervenção e produção de subjetividade (pp. 32-51). Porto Alegre, Brasil: Sulina, 2012.

ROCHA, J. M. (2007) Os múltiplos nós que nos constituem: o afeto na constituição dos processos emotivos e cognitivos (Tese de Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil

Rocha, M.; Aguiar, F. (2003) Pesquisa-intervenção e a produção de novas análises. psicologia: ciência e profissão, 23(4), 64-73. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932003000400010

Stubb, J., Pyhältö, K., Lonka, K. (2011) Balancing between inspiration and exhaustion: PhD students’ experienced socio-psychological well-being. Studies in Continuing Education, 33(1), 33–50. doi: https://doi.org/10.1080/0158037X.2010.515572

Tedesco, S. (2001) Estilo-subjetividade; o tema da criação nos estudos da psicologia da linguagem. Psicologia em estudo, 6(1), 29-38. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-73722001000100004

Tedesco, S., Sade, C., Caliman, L. (2013) A entrevista na pesquisa cartográfica: a experiência do dizer. Fractal: revista de psicologia, 25(2), 299-322. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1984-02922013000200006




DOI: https://doi.org/10.22456/2238-152X.112427

logogoogle
Scientific Electronic Library Online     

           

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

ISSN eletrônico: 2238-152X