Gestão Autônoma da Medicação na atenção à saúde das pessoas que usam drogas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22456/2238-152X.112090

Palavras-chave:

Gestão autônoma da medicação, Saúde mental, Drogas.

Resumo

Ante ao consumo excessivo e desinformado de psicotrópicos por usuários dos serviços de saúde mental, algumas abordagens têm emergido neste campo, como a Gestão Autônoma da Medicação (GAM) que propõe uma discussão sobre o papel da medicação na vida daqueles que a utilizam. Na atenção à saúde das pessoas em consumo abusivo de drogas o uso da GAM é um movimento recente a ser mapeado. Assim, este estudo objetivou analisar a produção acadêmica sobre a utilização da GAM no contexto da atenção à saúde das pessoas que consomem drogas. Trata-se de uma revisão integrativa da literatura que buscou publicações dos últimos 5 anos nas plataformas BVS e SciELO. Selecionamos 7 artigos nos quais identificamos 3 eixos temáticos: contexto histórico da GAM no Brasil e aspectos metodológicos; GAM e especificidades AD e; crítica à medicalização. Os estudos analisados elucidam especificidades, desafios e potencialidades do trabalho com a GAM no âmbito do consumo abusivo de drogas. O reduzido número de publicações sobre essa temática, entretanto, sugere serem necessários mais estudos para explorar a interface aberta pela inserção da GAM nesse contexto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francisco Valberdan Pinheiro Montenegro, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Mestrando em Psicologia Social e Institucional na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGPSI/UFRGS). Membro do núcleo E-politics de estudos em políticas e tecnologias contemporâneas de subjetivação. Especialista em Saúde Mental pela Universidade Estadual Vale do Acaráu (UVA). Psicólogo formado pela Universidade Federal do Ceará (UFC)

Juliana Vieira Sampaio, Universidade Federal do Ceará (UFC)

Doutora em Psicologia pela Universidade Fderal de Pernambuco (UFPE). Professora na Universidade Federal do Ceará (UFC).

Referências

Adamy, P., & Silva, R. N. (2017). Redução de Danos e Linhas de Cuidado. In S. D. Torossian, S. Torres, & D. B. Kveller (Eds.), Descriminalização do Cuidado: Políticas, Cenários e Experiências em Redução de Danos. Rede Multicêntrica.

Baptista, J. Á., Camatta, M. W. Filippon, P. G., & Schneider, J. F. (2020). Singular therapeutic project in mental health: an integrative review. Revista Brasileira de Enfermagem, 73(2), e20180508. doi:10.1590/0034-7167-2018-0508

Campos, R. T. O., Palombini, A. de L., Silva, A. do E., Passos, E., Leal, E. M., Júnior, O. D. de S., Marques, C. de C. e, & Gonçalves, L. L. M. (2012a). Adaptação multicêntrica do guia para a gestão autônoma da medicação. Interface, 16(43), 967–980.

Campos, R. T. O., Passos, E., Leal, E. Palombini, A. & Serpa, O. (2012b). Guia da Gestão Autônoma da Medicação - GAM. Disponível em: https://www.fcm.unicamp.br/fcm/laboratorio-saude-coletiva-e-saude-mental-interfaces

Caron, E., & Feuerwerker, L. C. M. (2019). Gestão Autônoma da Medicação (GAM) como dispositivo de atenção psicossocial na atenção básica e apoio ao cuidado em saúde mental. Saude e Sociedade, 28(4), 14–24. doi:10.1590/s0104-12902019190697

Caron, E., Feuerwerker, L. C. M., & Passos, E. H. (2020). GAM, apoio e cuidado em CAPS AD. Rev. Polis Psique, 10(2), 99–121. doi:10.22456/2238-152X.103408

Chaves, F. A. M., & Caliman, L. V. (2017). Entre Saúde Mental e a Escola: a Gestão Autônoma da Medicação. Polis e Psique, 7(3), 136–160. doi: 10.22456/2238-152X.75328

Ferreira, I. M. F. (2019). Gestão Autônoma da Medicação (GAM) e redução de danos no contexto potiguar: uma composição possível? (Dissertação de Mestrado). Departamento de Psicologia. Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Disponível em: https://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/28891

Ferreira, I. M. F., Feitosa, C. E. S., & Amorim, A. K. de M. A. (2020). Gestão autônoma da medicação (GAM) como dispositivo grupal: uma experiência de pesquisa-intervenção. Rev. Polis Psique, 10 (2), 205–226. doi: 10.22456/2238-152X.103567

Ferrer, A. L., Palombini, A. de L., & Azambuja, M. A. de. (2020). Gestão Autônoma da Medicação: um olhar sobre dez anos de produção participativa em saúde mental a partir do Brasil. In Revista Polis e Psique, 10(2), 1-8. doi: 10.22456/2238-152X.105275

Folha de São Paulo. (2020). Governo Bolsonaro quer revogar portarias que sustentam política de saúde mental. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/2020/12/governo-bolsonaro-quer-revogar-portarias-que-sustentam-politica-de-saude-mental.shtml

Foucault, M. (2014). Microfísica do poder. Paz & Terra.

Frei, A. E., & Lomonaco, D. F. F. (2019). A metodologia da gestão autônoma da medicação radicalizada às drogas proscritas: proposições éticas e biopotências. Cadernos do CEAS, n. 246, 92-120. doi: 10.25247/2447-861X.2019.n246.p92-120

Galindo, D. C. G., Lemos, F. C. S., Vilela, R., & Garcia, B. (2016). Medicalização e governo da vida e subjetividades: o mercado da saúde. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 16(2), 346–365.

Kimati Dias, M., & Muhl, C. (2020). Agenciamentos da psiquiatria no Brasil: reforma psiquiátrica e a epidemia de psicotrópicos. Argumentum, 12 (2), 60–74. doi: 10.18315/argumentum.v12i2.29114

Lindenmeyer, T. W. B., Diello, M. L., & Azambuja, M. A. de. (2019). Redução de danos e gestão autônoma da medicação: cartografando a experiência de um acadêmico em psicologia. Barbarói, 54(0), 119–136. doi: 10.17058/barbaroi.v0i0.14070

Méllo, R. P., Sampaio, J. V., Barros, N. S., Lima, T. S. de, & Veras, C. C. e. (2020). Uma composição experimental do guia GAM: favorecendo vidas pulsantes. Rev. Polis Psique, 10(2), 227-246. doi: 227–246. 10.22456/2238-152X.103875

Oliveira, W. A., Oliveira-Cardoso, É. A., Silva, J. L., & Santos, M. A. (2020). Impactos psicológicos e ocupacionais das sucessivas ondas recentes de pandemias em profissionais da saúde: revisão integrativa e lições aprendidas. Estudos de Psicologia (Campinas), 37. doi: 10.1590/1982-0275202037e200066

Passos, E., Lima, A de., Rosana, P., Campos, O., Rodrigues, S. E., Melo, J., Milward, P., Cecília De Castro, M., Lívia, M., Michele Da, Z., Cervo, R., & Emerich, B. (2013). Autonomia e cogestão na prática em saúde mental: o dispositivo da gestão autônoma da medicação (GAM). Aletheia, (41), 24–38.

Rodrigues, S. E. (2014). Experiências psicotrópicas proscritas: o fora-eixo. In L. E. Lopes & V. M. Batista (Eds.), Atendendo na guerra: dilemas médicos e jurídicos sobre o crack (pp. 127–188). Rio de Janeiro: Revan.

Rodrigues, S. & Passos, E. A linguagem do fora: a interface entre drogas lícitas e ilícitas em saúde mental. Estudos da Língua(gem), [S. l.], v. 15, n. 1, p. 57-75, 2018. doi: 10.22481/estudos da linguagem.v15i1.2417.

Rodriguez del Barrio, L., & Poirel, M.-L. (2007). Émergence d’espaces de parole et d’action autour de l’utilisation de psychotropes. Nouvelles Pratiques Sociales, 19 (2), 111–127. doi: 10.7202/016054ar

Rosa, E. Z., Vicentin, M. C. G., Avarca, C. A. de C., & Sereno, D. (2020). Gestão autônoma da medicação: estratégia territorial de cogestão no cuidado. Rev. Polis Psique, 10, (2). 76–98. doi: 10.22456/2238-152X.103447

Rose, N. (2013). The new brain sciences and the management of the mind. Princeton University Press.

Surjus, L. T. de L. e S., Linhares, R. R. C., Pereira, E. M., Lauria, B. C., & Thomé, A. M. (2020). Articulações GAM em Santos e a partir de Santos. Rev. Polis Psique, 10 (2), 122–142. doi: 10.22456/2238-152X.103710

Zorzanelli, R. (2020). Drug trajectories: Interviews with researchers. Physis, 30 (2), 1–15. doi: 10.1590/S0103-73312020300237

Zorzanelli, R. T., & Cruz, M. G. A. (2018). O conceito de medicalização em Michel Foucault na década de 1970. Interface: Communication, Health, Education, 22 (66), 721–731. doi: 10.1590/1807-57622017.0194

Downloads

Publicado

2021-11-17

Como Citar

Montenegro, F. V. P., & Sampaio, J. V. (2021). Gestão Autônoma da Medicação na atenção à saúde das pessoas que usam drogas. Revista Polis E Psique, 11(3), 100–124. https://doi.org/10.22456/2238-152X.112090

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)