Perfil de Egressos de Residências Multipofissionais em Saúde no Rio Grande do Sul

Vera Lúcia Pasini, Ana Maria Ponzoni Pretto, Ana Marcela Sarria, Marcelo Francisco da Silva Cardoso

Resumo


No Brasil as Residências em Saúde se constituem como uma possibilidade de formação para diferentes profissões da saúde, desde o final dos anos 70, especialmente no Rio Grande do Sul. Entretanto, somente no início dos anos 2000 a implantação de Programas de RMS é estimulada em âmbito nacional. Este artigo analisa o perfil de 72 profissionais egressos, no período de 2005 a 2014, de cinco programas de RMS desenvolvidos no Rio Grande do Sul (RS). Os participantes da pesquisa responderam a um formulário elaborado no FORMSUS do DATASUS, com questões fechadas e abertas, analisadas com o uso dos Softwears SPSS e NVivo. A análise apresenta o perfil dos egressos participantes considerando as variáveis gênero, raça/cor; idade; cursos de graduação; instituições de graduação; inserção no mundo do trabalho em saúde e avaliação quanto à formação em RMS, apontando a relevância das RMS para a qualificação no trabalho no SUS.


Palavras-chave


Residências multiprofissionais em saúde; Egressos; Saúde; Saúde Mental; Atenção básica

Texto completo:

PDF

Referências


Agência Brasil (2018). Notícia: Cotas foram revolução silenciosa no Brasil, afirma especialista. Acessado de: http://agenciabrasil.ebc.com.br/educacao/noticia/2018-05/cotas-foram-revolucao-silenciosa-no-brasil-afirma-especialista.

Almeida, S. L. de. (2018). O que é racismo estrutural? Belo Horizonte (MG): Letramento, 2018.

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil, Brasília.

Brasil. Ministério da Saúde. (1990). Lei nº 8080/90 –Lei Orgânica da Saúde, 19 de setembro de 1990. Brasília: Senado Federal.

Brasil. Conselho Nacional de saúde. (1998). Resolução CNS nº 287, de 08 de outubro de 1998.

Brasil (2003). Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Princípios e Diretrizes para NOB/RH-SUS. 2. ed., rev. e atual., 2ª reimpressão – Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2003). Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão e da Educação na Saúde. Política de Educação e Desenvolvimento para o SUS. Caminhos para a educação Permanente em saúde. Pólos de educação permanente em saúde. Brasília. Acessado de: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/educacao_permanente_tripartite.pdf.

Brasil. (2005). Lei n° 11.129, 30 de junho de 2005. Institui o programa Nacional de inclusão de jovens- Pró-jovem; cria o Conselho Nacional da Juventude – CNJ e a Secretaria Nacional da Juventude; altera as leis nº 10.683, de 28 de maio de 2003, e 10.429, de 24 de abril de 2002; e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF.

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. (2005). Princípios e diretrizes para a gestão do trabalho no SUS (NOB/RH-SUS). 3. ed. rev. atual. – Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação em Saúde. (2004). Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil (2007). Ministério da Educação. Gabinete do Ministro. Portaria Interministerial nº 45, de 12 de janeiro de 2007. Dispõe sobre a Residência Multiprofissional em Saúde e a Residência em Área Profissional da Saúde e institui a Comissão Nacional de Residência Multiprofissional em Saúde. Brasília.

Brasil. (2012). Lei 12.711/2012. Lei de cotas nas universidades e instituições federais de ensino técnico de nível médio. Acessado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12711.htm.

Brasil. (2014). Lei 12.990/2014. Lei de cotas no serviço público. Acessado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2014/Lei/L12990.htm

Bruschini, M. C. A. (2007). Trabalho e gênero no Brasil nos últimos dez anos. Cadernos de Pesquisa, v. 37, n. 132, set./dez.

Ceccim, R. (2005) Equipe de Saúde: a perspectiva entre-disciplinar na produção de atos terapêuticos. In: PINHEIRO, R e MATTOS (organizadores). Cuidado: as fronteiras da integralidade. Rio de Janeiro: IMS/CEPESC/ABRASCO.

Ceccim, R. B. e Feuerwerker, L. C. M. (2004). Mudança na graduação das profissões de saúde sob o eixo da integralidade. Cad. Saúde Pública, 20(5): set-out. Rio de Janeiro.

Ceccim, R.; Bilibio, L. F. S. (2002). Articulação com o movimento estudantil da área da saúde: uma estratégia de inovação na formação de recursos humanos para o SUS. In: FERLA, A. A.; FAGUNDES, S. M.S. (Org.). Tempo de inovações: a experiência da gestão da saúde do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Dacasa.

Feuerwerker, L. C. M. (2002). Além do discurso de mudança na educação médica: processos e resultados. São Paulo: Hucitec.

Feuerwerker, L. (2003). Educação dos profissionais de saúde hoje: problemas, desafios, perspectivas e as propostas do Ministério da Saúde. Revista da ABENO, v. 3, n. 1, Brasília, DF.

Fundação Oswaldo Cruz. (2012) A saúde no Brasil em 2030: diretrizes para a prospecção estratégica do sistema de saúde brasileiro. Rio de Janeiro : Fiocruz; Ipea; Ministério da Saúde; Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República.

Girardi, S.N, Carvalho CL. (2002). Mercado de Trabalho e regulação das Profissões de Saúde. In: Negri B, Faria R, Viana ALD, organizadores. Recursos humanos em saúde: política, desenvolvimento e mercado de trabalho. Campinas: Editora UNICAMP.

Goulart, C.T, Silva R.M., Bolzan, M.E.O., Guido, L.A. (2012). Perfil sociodemográfico e acadêmico dos residentes multiprofissionais de uma universidade pública. Rev Rene.; 13(1):178-86.

Guareschi, N. M. de F. ; Scisleski, A. C. C.; Reis, C. dos; Dhein, G.; Azambuja, M. A. de. (2014). Psicologia, Formação, Política e Produção em Saúde. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2014.

IBGE. (2018). Estatísticas de Gênero Indicadores sociais das mulheres no Brasil. Estudos e Pesquisas. Informação Demográfica e Socioeconômica, n.38. Acessado de: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101551_informativo.pdf.

Machado M.H. (2000). Perfil dos médicos e enfermeiros do Programa Saúde da Família no Brasil. Brasília: Ministério da Saúde.

Machado, M. H. (2008). Gestão do Trabalho em Saúde. In: Pereira, I. B. e LIMA, J. C. F. Dicionário da educação profissional em saúde. 2.ed. rev. ampl. - Rio de Janeiro: EPSJV.

Paim, J. S., & Almeida Filho, N. de. (1998). Saúde coletiva: uma "nova saúde pública" ou campo aberto a novos paradigmas?. Revista de Saúde Pública, 32(4), 299-316. https://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101998000400001

Pasini, V. L. e Guareschi, N. M. F. (2010). A Emergência do SUS e as Necessidades de Reconfigurações no Mundo do Trabalho em Saúde. In: Guareschi, Neuza M. F. ;Scisleski, Andrea ; Reis, Carolina dos, Dhein, Gisele; Azambuja, Marcos Adegas de. (Org.). Psicologia, formação, políticas públicas e produção em saúde. Porto Alegre: EDIPUCRS.

Peduzzi, M. (2001). Equipe multiprofissional de saúde: conceito e tipologia. Rev. Saúde Pública [online]. 2001, vol.35, n.1. Acessado de: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v35n1/4144.pdf.

Portal do MEC. (2015). Dados sobre Programas de residência. Acessado de: :http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=18168&Itemid=813#22.

Quirino, R. (2012). Trabalho da mulher no Brasil nos últimos 40 anos. Revista Tecnologia e Sociedade. 2ª Edição.

Schucman, L. V. (2014). Entre o encardido, o branco e o branquíssimo: branquitude, hierarquia e poder na cidade de São Paulo. 1ª edição. São Paulo, SP: Editora Annablume.

Senna, M. de C. M.; Costa, A. M da; Silva, L. N. da. (2010). Atenção à saúde em grandes centros urbanos: desafios à consolidação do SUS. Sociedade em Debate, 16(1): 121-137, jan.-jun. Pelotas.

Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade-SBMFC. (2018). Notícia: Médicos que atuam na zona rural atendem 50% da população do mundo. Acessado de: https://www.sbmfc.org.br/noticias/medicos-que-atuam-na-zona-rural-atendem-50-da-populacao-do-mundo/.




DOI: https://doi.org/10.22456/2238-152X.107719

logogoogle
Scientific Electronic Library Online     

           

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

ISSN eletrônico: 2238-152X