Corpos e existências: vidas não passíveis de luto

Giovanna Liz Oliveira Mantovani, Vanilson Oliveira da Silva, Anita Guazzelli Bernardes

Resumo


O objetivo deste artigo é refletir sobre a relação entre políticas sociais e performances dos corpos em termos de governo das vidas. O que interessa a esta discussão é percorrer um campo de problematização dessa articulação – políticas sociais e corpos – a partir da emergência da atual crise sanitária, causada pela pandemia de COVID-19. Essa problematização focaliza os efeitos sociais nas relações de governo dos corpos dentro de uma racionalidade de colonialidade e de racismo, ou seja, queremos pensar certas linhas de governo das vidas que se intensificam em formas de abandono, tornando-as não passíveis de luto. Para tanto, tomaremos duas performances de corpos em nossa atualidade – mulheres em situação de violência e usuários de drogas em situação de rua –, na medida em que ambas indicam mecanismos distintos de regulação de corpos e formas de abandono das vidas.

Palavras-chave


Corpo; Pandemia; Abandono; Políticas sociais; Governo.

Texto completo:

PDF

Referências


Referências

Almeida, S. (2016). O que é racismo estrutural?. TV Boitempo. Recuperado de

https://www.youtube.com/watch?v=PD4Ew5DIGrU

Bandeira, L. M. (2019). Violência de gênero: a construção de um campo teórico e de

investigação. In: Heloisa Buarque de Holanda (Org.), Pensamento feminista brasileiro:

formação e contexto (pp. 293-324). Rio de Janeiro, Brasil: Bazar do tempo.

Butler, J. (2018). Quadro de Guerra: quando a vida é passível de luto?. Rio de Janeiro, RJ:

Civilização Brasileira.

Butler, J. (2020, 10 de julho). De quem são as vidas consideradas choráveis em nosso mundo

público?. El país Brasil. Recuperado de https://brasil.elpais.com/babelia/2020-07-

/judith-butler-de-quem-sao-as-vidas-consideradas-choraveis-em-nosso-mundopublico.html

Davis, A. (2016). Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo.

Davis, A. & Klein, N. (2020). Construindo movimentos: uma conversa em tempos de pandemia.

TV Boitempo. Recuperado de https://www.youtube.com/watch?v=mIwEP5pXcSg

Decreto nº 59.283, de 16 de março de 2020. Prefeitura do município de São Paulo. Recuperado

de http://legislacao.prefeitura.sp.gov.br/leis/decreto-59283-de-16-de-marco-de-2020

Foucault, M. (2010). Seminário Em defesa da Sociedade (1975-1976). São Paulo: Ed WMF.

Jesus, C. M. (2000). Quarto de Despejo. São Paulo, SP: Ática.

Lei do Feminicídio, nº 13.104, de 9 de março de 2015. Congresso Nacional. Recuperado de

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13104.htm

Lei n° 14.022, de 8 de julho de 2020. Câmara dos deputados. Agência Câmara Notícias.

Recuperado de https://www.camara.leg.br/noticias/674399-sancionada-lei-de-combate-aviolencia-domestica-durante-pandemia

Lima, F. (2018). Bio-necropolítica: diálogos entre Michel Foucault e Achille

Mbembe. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 70 (spe), 20-33. Recuperado de

http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-

&lng=pt&tlng=pt.

Mbembe, A. (2016). Necropolítica. Revista Arte e Ensaio, Rio de Janeiro, n. 32, p. 123-151.

Publicação original: Public Culture, 15 (1), 2003. Recuperado de

https://www.procomum.org/wp-content/uploads/2019/04/necropolitica.pdf

Mbembe, A. (2018). Crítica da Razão Negra. São Paulo, SP: n-1edições.

Toledo, E. (2020, 28 de abril). O aumento da violência contra a mulher na pandemia de Covid19: um problema histórico. Casa de Oswaldo Cruz. Recuperado de

http://coc.fiocruz.br/index.php/pt/todas-as-noticias/1781-o-aumento-da-violencia-contraa-mulher-na-pandemia-de-covid-19-um-problema-historico.html#.XvtaqChKjIU




DOI: https://doi.org/10.22456/2238-152X.107567

logogoogle
Scientific Electronic Library Online     

           

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

ISSN eletrônico: 2238-152X