Situação De Rua e Abordagem Social: Desafios Operacionais ao SUAS

Willian Maciel Krüger, Mateus Augusto Pellens Baldissera, Clarissa De Antoni

Resumo


Uma vez revelada a complexidade das experiências biográficas de pessoas em situação de rua, é urgente o aumento do número de estudos que qualifiquem a relação prática entre usuárias/os, políticas públicas e a representação do Estado na execução dos serviços de proteção. Para esta discussão, adicionamos as idiossincrasias sócio-históricas acerca do fenômeno da situação de rua no Brasil e a sua relação com o funcionamento do Sistema Único de Assistência Social (SUAS). No intuito da expansão teórico-prática dessa problemática, este estudo objetivou relatar as experiências de trabalho psicossocial dentro do Estágio Profissional de Psicologia em um serviço de abordagem social no município de Porto Alegre, Brasil. Nossos resultados alocam alguns aspectos estruturais, sócio-históricos e biopolíticos como elementos que interferem na execução ótima dos serviços tipificados pelas políticas públicas, marcando a dissonância entre políticas e suas implementações nos serviços.


Palavras-chave


Situação de rua; Assistência Social; Abordagem Psicossocial.

Texto completo:

PDF

Referências


Autor (a), (ano).

Autor (a), (ano).

Balieiro, E., Soares, C. & Vieira, E. (2017). Morador de rua: causas, entraves e serviços ofertados. Temporalis, 17(34), 333-353. DOI: 10.22422/2238-1856.2017v17n34p333-353

Bastos, F. I. (2019). Políticas de drogas no Brasil contemporâneo: aportes da ciência, da clínica e do liberalismo moderno. Cadernos de Saúde Pública, 35(11), 1-5. DOI: 10.1590/0102-311x00125519

Botti, N. C. L., Castro, C. G., Silva, A. K., Silva, M. F., Oliveira, L. D., Castro, A. C. H. O. A. & Fonseca, L. L. K. (2010). Avaliação da ocorrência de transtornos mentais comuns entre a população de rua de Belo Horizonte. Barbaroi, (33), 178-193. DOI: 10.17058/barbaroi.v0i0.1583

Brasil. (2005). Política Nacional de Assistência Social - PNAS/2004 e Norma Operacional Básica NOB/SUAS. Brasília, DF: MDS. Recuperado de: http://www.mds.gov.br/webarquivos/publicacao/assistencia_social/Normativas/PNAS2004.pdf.

Bourdieu, P. (1998). Contrafogos. Rio de Janeiro: Zahar.

Escorel, S. (2000). Vivendo de teimoso: moradores de rua da cidade do Rio de Janeiro. In. Bursztyn, M. (org.). No meio da rua: nômades, excluídos e viradores (pp. 139-171). Brasília: Garamond.

Fontanive, A. L.; Oliveira, A. S. P. de; Santos, C. P. dos; Santos, D.; Bianchi, D.; Canabarro, D., ...; Vieira, S. (2017). Experiências da ação na rua: da abordagem ao encontro. In P. Schuch, I. Gehlen, & S. R. dos Santos (Orgs.), População de rua: políticas públicas, práticas e vivências. Porto Alegre: CirKula.

Foucault, M. (2014). Microfísica do Poder. (28ª ed). São Paulo: Paz e Terra.

Kunz, G. S., Heckert, A. L. & Carvalho, S. V. (2014). Modos de vida da população em situação de rua: inventando táticas nas ruas de Vitória/ES. Fractal: Revista de Psicologia, 26(3), 919-942. DOI: 10.1590/1984-0292/1192.

Iamamoto, M. V. (2009). O Serviço Social na cena contemporânea. Serviço Social: Direitos Sociais e Competências Profissionais. Brasília: CFESS/ABEPS, pp. 15-50. Recuperado de: http://www.abepss.org.br/arquivos/anexos/o-servico-social-na-cena-contemporanea-201608060403123057450.pdf

Lamnek, S. (1989). Qualitative Sozialforschung Band 2: Methoden und Techniken. Munich: Psychologie Verlags Union.

Lamounier, B. (2019). Bases do autoritarismo revisitado: diálogo com Simon Schwartzman sobre o futuro da democracia brasileira. In: Schwartzman e cols. (orgs.). O Sociólogo e as Políticas Públicas: Ensaios em Homenagem a Simon Schwartzman (pp. 53-66). Rio de Janeiro: Editora FGV.

Maynart, W. H. C., Albuquerque, M. C. S., Brêda, M. Z. & Jorge, J. S. (2014). A escuta qualificada e o acolhimento na atenção psicossocial. Acta Paulista de Enfermagem, 27(4), 300-304. DOI: 10.1590/1982-0194201400051.

Mendes, A. A. & Machado, M. F. (2004). Uma clínica para o atendimento a moradores de rua: direitos humanos e composição do sujeito. Psicologia ciência e profissão, 24(3), 100-105. DOI: 10.1590/S1414-98932004000300013.

Natalino, M. A. C. (2016). Estimativa da população em situação de rua no Brasil. Texto para Discussão – IPEA. Recuperado de: https://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=28819 .

Prefeitura Municipal De Porto Alegre (PMPA). (2006). Projeto Ação Rua. Porto Alegre, RS: Fundação de Assistência Social e Cidadania. Recuperado de: http://lproweb.procempa.com.br/pmpa/prefpoa/fasc/usu_doc/acaoruaversaofinal2006_1.pdf.

Prefeitura Municipal De Porto Alegre (PMPA). (2017). Lei nº 19.885. Porto Alegre, RS: Legislação Municipal de Porto Alegre. Recuperado de: http://www2.portoalegre.rs.gov.br/netahtml/sirel/atos/Decreto%2019885

Rosa, M. D. (2016). A clínica psicanalítica em face a dimensão sociopolítica do sofrimento. (Tese de Doutorado). USP/Fapesp, São Paulo capital, Brasil. Recuperado de: https://psicanalisepolitica.files.wordpress.com/2014/06/psicanc3a1lise-cultura-e-polc3adtica-livre-docencia-maio-2015impresso.pdf

Silva, M. M. (2015). Assistência social na realidade municipal: o SUAS e a prevalência do conservadorismo. Revista Katálysis, 18(1), 41-49. DOI: 10.1590/1414-49802015000100005

Serafino, I. & Luz, L. C. X. (2015). Políticas para a população adulta em situação de rua: questões para debate. Revista Katálysis, 18(1), 74-85. DOI: 10.1590/1414-49802015000100008.

Sicari, A. A. & Zanella, A. V. (2018). Pessoas em Situação de Rua no Brasil: Revisão Sistemática. Psicologia: Ciência e Profissão, 38(4), 662-679. DOI: 10.1590/1982-3703003292017

Warpechowski, M. B. (2018). Adolescência, vulnerabilidade e desamparo. Curitiba: Juruá.




DOI: https://doi.org/10.22456/2238-152X.105153

logogoogle
Scientific Electronic Library Online     

           

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

ISSN eletrônico: 2238-152X