Produção de Grupalidade e Exercícios de Autonomia na GAM: a Experiência do Rio Grande do Sul

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22456/2238-152X.104142

Palavras-chave:

gestão autônoma da medicação, saúde mental, reforma psiquiátrica, autonomia, avaliação de serviços de saúde, participação.

Resumo

Este estudo parte da adoção do Guia GAM-BR como ferramenta da política de saúde mental no Rio Grande do Sul. Objetivando avaliar repercussões de sua implementação no estado, desenvolveu-se pesquisa avaliativa com trabalhadores, usuários, gestores e familiares envolvidos com a estratégia GAM em serviços de três regiões do RS. Realizaram-se rodas de conversas cuja transcrição foi transformada em narrativas submetidas à discussão com todos segmentos. Neste artigo, destacam-se dois dos oito eixos temáticos que orientaram a análise do conjunto das narrativas: função estratégica da GAM entre a tutela e o cuidado; estratégias e metodologias para produção de grupalidade. Nota-se, em grupos GAM, coexistirem exercícios de autonomia e tutela, ao mesmo tempo que se produzem espaços de fala, trocas entre participantes e interlocução com profissionais. O manejo cogestivo dos grupos sinaliza estratégias e metodologias para produção de grupalidade, incidindo na participação ativa e crítica dos usuários.   

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Analice de Lima Palombini, UFRGS

PPG em Psicologia Social e Institucional e Departamento de Psicanálise e Psicopatologia

Área da Saúde Mental Coletiva

Ana Luiza Ferrer, Universidade Federal de Santa Maria

Docente do Departamento de Terapia Ocupacional UFSM. Terapeuta Ocupacional, Doutora em Saúde Coletiva Unicamp.

Área: Saúde Mental 

Douglas Casarotto de Oliveira, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutorando em Psicologia Social e Institucional UFRGS, Mestre em Educação UFSM. Psicólogo CAPS ad Cia do Recomeço, Santa Maria, RS. Docente do Curso de Psicologia da FISMA 

 

Júlia Arnhold Rombaldi, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Mestranda em Psicologia Social e Institucional UFRGS. Graduação em Psicologia UFRGS.

Marcos Adegas de Azambuja, Universidade Federal de Santa Maria

Docente do Programa de Pós Graduação e Departamento de Psicologia UFSM. Doutor em Psicologia pela PUCRS. 

Vera Lúcia Pasini, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Docente do Programa de Pós Graduação em Psicanálise: Clínica e Cultura e do Departamento de Psicanálise e Psicopatologia UFRGS. Psicóloga. Doutora em Psicologia Social pela PUCRS. 

Olinda Maria de Fátima Lechmann Saldanha, Universidade de Santa Cruz

Docente do curso de Psicologia Unisc. Mestre em Psicologia Social e Institucional UFRGS, Doutora em Educação UFRGS.

Referências

Campos, G. W. S. (2001). Apoio Paidéia. Recuperado de http://www.redehumanizasus.net/sites/default/files/apoio_paideia_-_gastao_1.pdf

Campos, G. W. S. (2006). Efeito Paidéia e o campo da saúde: reflexões sobre a relação entre o sujeito e o mundo da vida. Trabalho, Educação e Saúde, 4(1), 19-31.

Campos, G. W. S. (2012). Clínica e saúde coletiva compartilhadas: teoria paidéia e reformulação ampliada do trabalho em saúde. In: Minayo, M. C. S., Campos, G. W. S., Akerman, M., Drumond Júnior, M., & Carvalho Y. (Orgs.). Tratado de saúde Coletiva (pp. 41-80). São Paulo: Hucitec.

Ferrer, A. L., Emerich, B. F., Figueiredo, M. D., Trape, T. L., Paraguay, N. L. B. B., Pinto, C. A. G. … Moraes, M. H. (2016). Tecendo a história da construção da Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) na visão dos sujeitos envolvidos: o desenho qualitativo da pesquisa com utilização da técnica de grupo focal. Divulgação em Saúde para Debate, 55, 84-117.

Figueiredo, M. D. & Onocko-Campos, R. (2009). Saúde Mental na atenção básica à saúde de Campinas, SP: uma rede ou um emaranhado?. Ciência e Saúde Coletiva, 14(1), 129-138.

Furlan, P. G., Campos, G. W. S. (2014). Pesquisa-apoio: pesquisa participante e o método Paidéia de apoio institucional. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 18(1), 885-894.

Furtado, J. P. (2001). Um método construtivista para a avaliação em saúde. Ciência e Saúde Coletiva, 6(1), 165-182.

Mol, A. (2018). The logic of care. London and New York: Routledge.

Onocko-Campos, R. T., Furtado, J. P. (2008). Narrativas: utilização na pesquisa qualitativa em saúde. Revista de Saúde Pública, 42(6), 1090-1096.

Onocko-Campos, R., Palombini, A. L., Passos, E., Gonçalves, L. L. M., Santos, D. V. D., Stefanello, S., Melo, J. … Guerini, L. (2014). GESTÃO AUTÔNOMA DA MEDICAÇÃO – Guia de Apoio a Moderadores. Recuperado de http://www.fcm.unicamp.br/fcm/laboratorio-saude-coletiva-e-saudemental-interfaces.

Onocko-Campos, R., Palombini, A. L., Silva, A.E., Passos, E., Leal, E., Serpa, O. … Stefanello, S. (2012). Adaptação multicêntrica de um Guia para a Gestão Autônoma da medicação. Interface: Comunicação, Saúde, Educação, 16(43), 967-980.

Onocko-Campos, R., Passos, E., Leal, E., Palombini, A. L. ... Serpa, O. (2018). GUIA DA GESTÃO AUTÔNOMA DA MEDICAÇÃO – GAM. DSC/FCM/UNICAMP; AFLORE; IPUB/UFRJ; DP/UFF; PPGPSI/UFRGS. Edição revisada. 1ª. edição em 2012.

Palombini, A. L., Onocko-Campos, R. T., Silveira, M., Gonçalves, L. L. M., Zanchet, L., Xavier, M. A. Z., Marques, C. C. (2013). Relações entre pesquisa e clínica em estudos em cogestão com usuários de saúde mental. Ciência e Saúde Coletiva (Impresso), 18, 2899-2908.

Palombini, A.L. & Rodriguez del Barrio, L. (s/d). Gestão Autônoma da Medicação: do Quebec ao Brasil. (manuscrito).

Rodriguez del Barrio, L., Poirel, M. (2007). Émergence d’espaces de parole et d’action autour de l’utilisation de psychotropes: La Gestion autonome des médicaments de l’âme. Nouvelles pratiques sociales, 19(2), 111–127.

Santos, D. V. D. (2009). Campinas e sua relação com os arranjos da clínica ampliada (Tese de doutorado). Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Downloads

Publicado

2020-07-10

Como Citar

Palombini, A. de L., Ferrer, A. L., Oliveira, D. C. de, Rombaldi, J. A., Azambuja, M. A. de, Pasini, V. L., & Saldanha, O. M. de F. L. (2020). Produção de Grupalidade e Exercícios de Autonomia na GAM: a Experiência do Rio Grande do Sul. Revista Polis E Psique, 10(2), 53–75. https://doi.org/10.22456/2238-152X.104142

Edição

Seção

Artigos