Uma Composição Experimental do Guia GAM: favorecendo vidas pulsantes

Autores

  • Ricardo Pimentel Méllo Universidade Federal do Ceará http://orcid.org/0000-0002-9990-3837
  • Juliana Vieira Sampaio Universidade Federal do Ceará. http://orcid.org/0000-0001-5770-244X
  • Natalia Sousa Barros Universidade Federal do Ceará
  • Tárcila Silva de Lima Universidade Federal do Ceará
  • Carolina Castro e Veras Universidade Federal do Ceará

DOI:

https://doi.org/10.22456/2238-152X.103875

Palavras-chave:

autonomia, cuidado, drogas, GAM, CAPS-ad.

Resumo

O Guia de Gestão Autônoma de Medicação (GAM), originalmente canadense e com versão brasileira publicada em 2012, se configura como um dispositivo que visa a contribuir para que sujeitos em tratamento de saúde se responsabilizem pelo seu próprio cuidado singularizado. Este texto narra pesquisa desenvolvida na cidade de Fortaleza (CE) com a GAM. Buscou-se potencializar esse instrumento para ações de saúde, por meio da composição experimental do Guia GAM, nomeado de GAM@. Uma peculiaridade de nossa experimentação é utilizar a GAM no cuidado de pessoas que fazem uso abusivo e/ou compulsivo de substâncias (drogas), em um CAPS-ad. A pesquisa tem quatro etapas e, neste texto, relatamos as duas primeiras: os estudos preliminares e a composição experimental GAM@. Indicamos como o material foi estruturado, quais os pressupostos teóricos orientaram essa produção e seus conteúdos principais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ricardo Pimentel Méllo, Universidade Federal do Ceará

Professor Titular do Departamento de Psicologia e do Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia da Universidade Federal do Ceará. Coordenador do Núcleo de EStudos sobre Dorgas.

Juliana Vieira Sampaio, Universidade Federal do Ceará.

Doutora em Psicologia pela Universidade Federal de Pernambuco. Graduada em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará. Docente da Universidade Estadual do Ceará. Pesquisadora da Escola de Saúde Pública do Ceará.

Natalia Sousa Barros, Universidade Federal do Ceará

Graduanda do Curso de Psicologia da Universidade Federal do Ceará. Integrante do Núcleo de Estudos sobre Drogas

Tárcila Silva de Lima, Universidade Federal do Ceará

Graduanda do Curso de Psicologia da Universidade Federal do Ceará. Integrante do Núcleo de Estudos sobre Drogas

Carolina Castro e Veras, Universidade Federal do Ceará

Graduanda do Curso de Psicologia da Universidade Federal do Ceará. Integrante do Núcleo de Estudos sobre Drogas.

Referências

Alberti, S., Inem, C. L., & Rangel, F. C. (2003, setembro). Fenômeno, estrutura, sintoma e clínica: a droga. Revista Latino-americana de Psicopatologia Fundamental, VI (3), 11-29. Consultado em 10 de julho de 2019 através de

http://www.redalyc.org/pdf/2330/233018065002.pdf

Brandão, C. R. (Org.). (1981). Pesquisa Participante. São Paulo: Brasiliense.

Brandão, C. R. (Org.). (1984). Repensando a Pesquisa Participante. São Paulo: Brasiliense.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. DAPE. Coordenação Geral de Saúde Mental. (2005). Reforma psiquiátrica e política de saúde mental no Brasil. Documento apresentado à Conferência Regional de Reforma dos Serviços de Saúde Mental: 15 anos depois de Caracas. OPAS. Brasília: Ministério da Saúde.

Cazanatto, E., Martta, M. K., & Bisol, C. A. (2016, abril-junho). Escuta Psicanalítica em Instituição: construindo espaços. Psicologia: Ciência e Profissão, 36(2), 486-496.

Dilthey, W. (2010). Introdução às ciências humanas – tentativa de uma fundamentação para o estudo da sociedade e da história. Marco Antônio Casanova (Trad.). Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Emicida (Leandro Roque de Oliveira). (2015). Passarinhos. Em Sobre Crianças, Quadris, Pesadelos e Lições de Casa... [CD, lojas digitais e serviços de streaming]. São Paulo: Sony Music Entertainment.

Kehl, M. R. (2002). Sobre Ética e Psicanálise. São Paulo: Companhia das Letras.

Lourau, R. (1993). Análise institucional e práticas de pesquisa. Rio de Janeiro: UERJ.

Melman, C. (1992). Alcoolismo, delinquência, toxicomania: uma outra forma de gozar. São Paulo: Escuta.

Méllo, R. P. (2016). As drogas cotidianas em tempos de sobrevivência. Em L. L. F. Vieira, L. F. Rios, & T. T. Queiroz (Orgs.). A problemática das drogas: contextos e dispositivos de enfrentamento (pp. 20-53). Recife: Editora UFPE.

Méllo, R. P. (2018) Cuidar? De quem? De quê? A ética que nos conduz. Curitiba: Appris.

Mol, A. (2008). The logic of care: health and the problem of patient choice. London/New York: Routledge.

Nietzsche, F. (2008). A Vontade de Poder. Marcos Sinésio Pereira Fernandes e Francisco José Dias de Moraes (Trad.). Rio de Janeiro: Contraponto.

Onocko-Campos, R. S., Passos, E., Palombini, A. e cols. (2012). Guia da Gestão Autônoma da Medicação – GAM.

Onocko-Campos, R. S., Passos, E., Palombini, A. de L., Santos, D. V. D. dos, Stefanello, S., Gonçalves, L. L. M., Andrade, P. M. de, & Borges, L. R. (2014). Gestão Autônoma da Medicação – Guia de Apoio a Moderadores.

Passos, E., Palombini, A. de L., Campos, R. O., Rodrigues, S. E., Melo, J., Maggi, P. M., Marques, C. de C. E., Zanchet, L., Cervo, M. da R., & Emerich, B. (2013, maio-agosto). Autonomia e cogestão na prática em saúde mental: o dispositivo da gestão autônoma da medicação (GAM). Aletheia, 41, 24-38.

Poulichet, S. (1987). Toxicomanies et psychanalyse – les narcoses du désir. Paris: PUF.

Rolnik, S. (2006). Cartografia Sentimental: transformações contemporâneas do desejo. Porto Alegre: Sulina, Editora da UFRGS.

Rotelli F., Leonardis, O. de, & Mauri, D. (2001). Desinstitucionalização, uma outra via. Em F. Rotelli, O. de Leonardis, D. Mauri, & C. de Risio, C. (Orgs.), Desinstitucionalização (pp. 17-59). São Paulo: Hucitec.

Santiago, J. (2000). A droga do toxicômano – uma parceria cínica na era da ciência. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Stengers, I. (2018, abril). A proposição cosmopolítica. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, Brasil, 69, 442-464.

Thiollent. M. (2005). Metodologia da pesquisa-ação. (14a. ed.) São Paulo (SP): Cortez.

Vorcaro, A. (2004, novembro). Seria a toxicomania um sintoma social? Mental, ano II, 3, 61-73.

Zambillo, M., & Palombini, A. L. (2017, janeiro-março). Autonomias errantes: processos de autonomização em saúde mental. Estudos de Psicologia, 22(1), 78-88.

Zourabichvili, F. (2004). O vocabulário de Deleuze. André Telles (Trad.). Rio de Janeiro: Relume-Dumará.

Downloads

Publicado

2020-07-10

Como Citar

Méllo, R. P., Sampaio, J. V., Barros, N. S., de Lima, T. S., & e Veras, C. C. (2020). Uma Composição Experimental do Guia GAM: favorecendo vidas pulsantes. Revista Polis E Psique, 10(2), 227–246. https://doi.org/10.22456/2238-152X.103875

Edição

Seção

Artigos