PROCESSOS GRUPAIS COM ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL

Paulo Ricardo de Araújo Miranda, Andréia Isabel Giacomozzi, Juliana Gomes Fiorott

Resumo


O presente relato de experiência visa problematizar a prática com grupos de adolescentes em situação de vulnerabilidade social. Realizou-se cinco grupos entre agosto e dezembro de 2019. Os grupos eram fechados e com duração de 1 hora e 40 minutos cada. Como método, utilizou-se o ECRO para estruturar os encontros e a coordenação cartográfica como forma de manejo grupal. Os resultados e discussão apontam rizomaticamente para as direções: a alta disponibilidade dos adolescentes em participar; a importância do delineamento e sensibilização ao setting grupal; o modo vetores macropolíticos e institucionais incidem nos processos grupais; a dificuldade em encontrar palavras como efeito da sub-apropriação da linguagem formal; a importância de dar lugar ao que não tem lugar; e, o mapeamento de expressões com camadas de sentido. Por fim, aponta-se o grupo como dispositivo potente para a instauração de novas formas de vida.

Palavras-chave


Grupo; Adolescentes; Situação de vulnerabilidade social; Cartografia.

Texto completo:

PDF

Referências


Alvarez, J. & Passos, E. (2015). Pista 7: Cartografar é habitar um território existencial. In. E. Passos, V. Kastrup, & L. d. Escóssia (Orgs.). Pistas do método da cartografia: Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade (pp. 131 - 149). Porto Alegre: Sulina.

Barros, R. D. B. (1996). Dispositivos em ação: o grupo. Cadernos de Subjetividade, p. 97-106.

Barros, L. P., & Kastrup, V. (2015). Pista 3: Cartografar é acompanhar processos. Em E. Passos, V. Kastrup, & L. d. Escóssia (Orgs.). Pistas do método da cartografia: Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade (pp. 52 - 75). Porto Alegre: Sulina.

Brasil. (2004). Política Nacional de Assistência Social (PNAS). Brasília: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS).

Carmo, M. E., & Guizardi, F. L. (2018). O conceito de vulnerabilidade e seus sentidos para as políticas públicas de saúde e assistência social. Cadernos de Saúde Pública, 34(3), 1-14.

Cerutti-Rizzatti, M. E. (2009). Apropriação sociocognitiva da escrita: uma discussão sobre a dimensão intrassubjetiva da linguagem. Letras de hoje, 44(3), 36-43.

Costa, A. P. M. (2012). Adolescência brasileira e o contexto de vulnerabilidade à violência. Revista Brasileira Adolescência e Conflitualidade, (6), 123-161.

Fernández, A. M. (2006). O campo grupal: notas para uma genealogia. São Paulo: Martins Fontes.

Foucault, M. (2004). Polêmica, Política e Problematizações. In: M. B. d. Motta (Org.) Ditos e Escritos V: Ética, Sexualidade e Política (ed. 5, pp. 225 - 233). Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Guimarães, R. M., & Romanelli, G. (2002). A inserção de adolescentes no mercado de trabalho através de uma ONG. Psicologia em Estudo, 7(2), 117-126.

Kastrup, V. (2015). Pista 2: O Funcionamento da Atenção no Trabalho do Cartógrafo. In. E. Passos, V. Kastrup, & L. d. Escóssia (Orgs.). Pistas do método da cartografia: Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade (pp. 32-51). Porto Alegre: Sulina.

Latour, B. (2007). Como falar do corpo? A dimensão normativa dos estudos sobre a ciência. In: J. A. Nunes, & R. Roque (Orgs.). Objetos impuros: experiências em estudos sociais da ciência (pp. 39 - 61). Porto: Afrontamento.

Lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm

Martins, K. M. & Schefer, L. F. N. (2018). Relatório Instituto Padre Vilson Groh.

Ozella, S. & Aguiar, W. M. J. d. (2008). Desmistificando a concepção de adolescência. Cadernos de Pesquisa, 38(133), 97-125

Neto, J. L. F. (2015). Micropolítica em Mil Platôs: uma leitura. Psicologia Usp, 26(3), 397-406.

Papalia, D. E., & Feldman, R. D. (2013). Desenvolvimento Humano (12a. ed.). Porto Alegre: ArtMed.

Passos, E., & Barros, R. B. (2015a). Pista 1: A cartografia como método de pesquisa-intervenção. In. E. Passos, V. Kastrup, & L. d. Escóssia (Orgs.). Pistas do método da cartografia: Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade (pp. 17-31). Porto Alegre: Sulina.

Passos, E., & Barros, R. B. (2015b). Pista 9: Por uma política da narratividade. In. E. Passos, V. Kastrup, & L. d. Escóssia (Orgs.). Pistas do método da cartografia: Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade (pp. 150-171). Porto Alegre: Sulina.

Pelbart, P. P. (2008). Elementos para uma cartografia da grupalidade. Próximo ato: questões da teatralidade contemporânea. São Paulo: Itaú Cultural, 33-37.

Pelbart, P. P. (2016). O avesso do niilismo: cartografias do esgotamento (2ª ed.). São Paulo: n-1 edições

Pichon-Rivière, E. (2007). Teoria do vínculo (7a ed.). São Paulo: Martins Fontes. (Original publicado em 1980).

Pichon-Rivière, E. (2009). O processo grupal. São Paulo: Martins Fontes. (Original publicado em 1983).

Rancière, J. (2009). A partilha do sensível: estética e política (2a ed.). São Paulo: Editora 34.

Rancière, J. (2010). Política da Arte. Urdimento, 15(), 45-59.

Rolnik, S. (2006). Geopolítica da cafetinagem. São Paulo.

Sawaia, B. B. (2001a). Introdução: Exclusão ou inclusão perversa? Em B. B. Sawaia (Org.). As artimanhas da exclusão: análise psicossocial e ética da desigualdade social (pp. 7-13, 2a ed). Petrópolis: Editora Vozes.

Sawaia, B. B. (2001b). O sofrimento ético-político como categoria de análise da dialética exclusão/inclusão. Em B. B. Sawaia (Org.). As artimanhas da exclusão: análise psicossocial e ética da desigualdade social (pp. 97-118, 2a ed). Petrópolis: Editora Vozes.

Scherer-Warren, I. (2006). Das mobilizações às redes de movimentos sociais. Sociedade e Estado, 21(1), 109-130.




DOI: https://doi.org/10.22456/2238-152X.103393

logogoogle
Scientific Electronic Library Online     

           

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

ISSN eletrônico: 2238-152X