PROBLEMATIZANDO EXPERIÊNCIAS COLETIVAS DOS JOVENS DO COLAÍ, MOVIMENTO DE CULTURA

Bruna Molina Leal, Rosemarie Gartner Tschiedel

Resumo


Ao acompanhar as atividades do coletivo juvenil Colaí, adotando uma postura etnográfica e cartográfica na pesquisa, visibilizam-se as lógicas que permeiam as ações na comunidade em que estão inseridos em Porto Alegre - RS. O objetivo deste artigo é discutir as experiências do Colaí enquanto coletivo a fim de problematizar os seus desdobramentos. Ainda, explora-se a concepção de jovens e juventudes, assim como as políticas públicas de cultura e de juventude(s). Essas políticas incidem na produção de subjetividades dos jovens participantes do Colaí a partir das ações e experiências vivenciadas. Percebe-se que discursos individualistas têm predominado e, ao mesmo tempo, vêm se constituindo alternativas coletivas. Logo, é possível visualizar que a construção do Colaí se deu permeada por lógicas conflitantes, tanto individualizadas como democráticas, criando um grupo composto por singularidades que engendram experiências em um plano comum que pode constituir um coletivo.


Palavras-chave


Jovens; juventudes; coletivo; subjetividade

Texto completo:

PDF

Referências


Abramo, H. W. (2001). Juventude e Cultura. Reprodução de parte do debate "Juventude e Cultura", realizado pela Comissão da Juventude da Câmara Municipal de São Paulo.

Alviarez, I. C. G. (2016). O que pode a Potência Jovem? (Dissertação de Mestrado). Faculdade de Educação, Universidade Federal Do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Amaral, M. (2015) Jovens de periferia e arte de construir a si mesmo: experiências de amizade, dança e morte. (Tese de Doutorado). Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Barbalho, A. (200-?). Protagonismo juvenil, cultura e comunicação: disputas de sentido. Em .

Barbalho, A. (2012). Política Cultural e Orçamento Participativo: ou as possibilidades da democracia cultural na cidade contemporânea. Políticas Culturais em Revista, 5 (1), 156-169.

Barros, R. B. de (2007). Grupo: a afirmação de um simulacro. Porto Alegre, RS: Sulina/Editora da UFRGS.

Bezerra, J. H., & Weyne, R. G. (2013). Política Cultural no Brasil Contemporâneo: percursos e desafios. In: IV Seminário Internacional - Políticas Culturais, Rio de Janeiro, RJ/Brasil.

Boghossian, C. O., & Minayo, M. C. de S. (2009). Revisão Sistemática sobre Juventude e Participação nos Últimos 10 anos. Saúde e Sociedade, 18 (3), 411-423.

Bourdieu, P. (1983). A "Juventude" é apenas uma Palavra. In: P. Bourdieu. Questões de sociologia (112-121). Rio de Janeiro: Marco Zero.

Carrano, P. C. R. (2003). Juventudes e Cidades Educadoras. Petrópolis, RJ: Vozes.

Cassiano, M. & Furlan, R. (2013). O processo de subjetivação segundo a esquizoanálise. Psicologia & Sociedade, 25(2), 373-378.

Castro, L. R. de. (2016). Subjetividades públicas juvenis: a construção do comum e os impasses de sua realização. Estudos de Psicologia (Natal), 21 (1), 80-91.

Coimbra, C. C., Bocco, F. & Nascimento, M. L. (2005) Subvertendo o conceito de adolescência. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 57(1), 2-11.

Costa, J. C., Oliveira, P. A. de, & Ferrazza, D. de A. (2014). Psicologia Social e Direitos Humanos: A Atuação da Psicologia Diante da Ditadura Militar e das Manifestações Atuais no Brasil. Revista de Psicologia da IMED, 6 (2): 70-80.

Costa, S. de S. G. (2009). Governamentalidade neoliberal, Teoria do Capital Humano e Empreendedorismo. Educação & Realidade, 34 (2), 171-186.

Deleuze, F; e Parnet, C. Diálogos. São Paulo: Editora Escuta, 1998.

Escóssia, L. da (2014). O coletivo como plano de coengendramento do indivíduo e sociedade. São Cristóvão: Editora UFS.

Gil, C. Z. de V. (2011). Jovens e juventudes: consensos e desafios. Educação, 36 (1), 25-42.

Gohn, M. da G. (2014). Manifestações de junho de 2013 no Brasil e praças dos indignados no mundo. Petrópolis, RJ: Vozes.

Goulart, M. V. da S., & Santos, N. I. S. dos. (2014). Protagonismo juvenil e capital humano: uma análise da participação política da juventude no Brasil. Ciências Sociais Unisinos, 50 (2), 127-136.

Guattari, F. (1986). Les annés d’hiver: 1980-1985. Paris: Bernard Barrault.

Guattari, F. (1990). As três ecologias. Campinas: Papirus.

Maheirie, K., Hinkel, J., Groff, A. R., Muller, F. L., Gomes, M. de A., & Gomes, A. (2012). Coletivos e relações estéticas: alguns apontamentos acerca da participação política. In: Mayorga, C., Castro, L. R. de, & Prado, M. A. M. (Org.), Juventude e a experiência da política no contemporâneo (pp.143-168). Rio de Janeiro: Contra Capa.

Negri, A. (2005). A Constituição do Comum. In: Conferência Inaugural do II Seminário Internacional Capitalismo Cognitivo – Economia do Conhecimento e a Constituição do Comum, Rio de Janeiro, RJ/Brasil.

Oliveira, I. T. M. (2014). As antessalas das jornadas de junho no Brasil em 2013: configurações da contestação social de jovens urbanos no Brasil contemporâneo. In: M. das D. P. Nogueira (org.), Vale do Jequitinhonha: juventudes, participação política e cidadania (15-37). Belo Horizonte, MG/Brasil: UFMG/PROEXT.

Parnet, C. (1988). O Abecedário de Gilles Deleuze. França. Em: .

Rodrigues, A., & Alvim, D. M. (2016). Como cartografar resistências? Apontamentos sobre contradispositivo e criação. Revista Lugar Comum, (48), 103-119.

Silva, E. R. A. da, & Macedo, D. M. B. de. (2016). Capítulo 1: O Conselho Nacional de Juventude e a Participação Social dos Jovens no Ciclo de Políticas Públicas. In: Silva, E. R. A. da, & Botelho, R. U. Dimensões da Experiência Juvenil Brasileira e Novos Desafios às Políticas Públicas. Brasília: IPEA.

Scherer-Warren, Ilse. (2014). Manifestações de rua no Brasil 2013: encontros e desencontros na política. Caderno CRH, 27(71), 417-429.

Sousa, J. T. P. de. (2005). Juventude, Contestação e a Política de Pernas para o ar: o Movimento Passe Livre em Florianópolis. In: XXIV Congresso da ALAS - Associação Latino Americana de Sociologia, Porto Alegre, RS/Brasil.

Sposito, M. P. (2010). Transversalidades no estudo sobre jovens no Brasil: educação, ação coletiva e cultura. Educação e Pesquisa, 36 (especial), 93-106.

Teixeira, R. R. (2015). As dimensões da produção do comum e a saúde. Saúde e Sociedade, 24 (Supl.1), 27-43.

Trancoso, A. E. R., & Oliveira, A. A. S. de (2015). Conceito dinâmico de juventudes e sua implicação na política pública. In: Caniato, A.M.P., (orgs.), et al. Psicologia Social, Violência e Subjetividade (242-259). Florianópolis: ABRAPSO Editora: Edições do Bosque CFH/UFSC, 2015.




DOI: https://doi.org/10.22456/2238-152X.101242

logogoogle
Scientific Electronic Library Online     

           

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

ISSN eletrônico: 2238-152X