Políticas Editoriais

Foco e Escopo

Escopo, política e estrutura

 

A Revista Polis e Psique se propõe a publicar produções originais da área da Psicologia que discutam temáticas das políticas de subjetivação, cognição e tecnologias da sociedade contemporânea para contribuir na produção de conhecimento e intervenções.

 

A partir de 2017 a Revista passou a publicar artigos a partir de três eixos temáticos, de acordo com a descrição abaixo:

 

Eixo 1: Clínica, Subjetividade e Política

 

Concentra-se nas problematizações teórico-metodológicas que enfoquem a temática da Clínica em suas inflexões contemporâneas tomadas como indissociáveis da Política. Privilegia debates que ampliem e atualizem a crítica às práticas sociais e modos de pensar e subjetivar cotidianos enfatizando o paradigma ético-estético das experimentações e investigações.

 

Eixo 2: Políticas Públicas e Produção de Subjetividade

 

Estuda a produção de subjetividade na interface com as políticas públicas, com o objetivo de problematizar as práticas nas áreas da educação, do trabalho, da saúde, da assistência social, da segurança pública, entre outras. Explora a dimensão interseccional, sobretudo os marcadores sociais de gênero, sexualidade, classe e raça. As produções desse eixo buscam articular ações voltadas para a qualificação do que é o público como espaço político de investimento de ações governamentais, bem como de afirmação de coletividades e de diferença.

 

Eixo 3: Redes Sociotécnicas, Cognição e Comunicação

 

Abrange os estudos sobre como as redes sociotécnicas produzem modos de comunicação, cognição e subjetivação, privilegiando metodologias processuais tais como pesquisa-intervenção, método clínico, grupos focais, intervenções vídeo-fotográficas e análises discursivas.

 

A Revista Polis e Psique publica relatos de pesquisa, ensaios teóricos, relatos de experiência, resenhas e entrevistas. A Revista contará com seguintes seções:

 

Artigos (15-25 páginas): relatos de pesquisas originais ou ensaios teóricos dentro das temáticas abarcadas pelo escopo da revista.

 

Relatos de experiências (15-20 páginas): relatos de pesquisa ou de experiência profissional metodologicamente apropriadas; textos que descrevem novos métodos ou intervenções serão também considerados.

 

Resenhas (5-10 páginas): revisão crítica de obra recém publicada, orientando o (a) leitor (a) quanto às suas características e usos potenciais.

 

Entrevistas (5-10 páginas): entrevista com autores, pesquisadores e autoridades no campo acadêmico, político, social e cultural que tenham contribuições significativas nas suas áreas de competência e trabalho.

 

IMPORTANTE: o número total de páginas deve ser contado a partir da introdução até o final das referências, de modo que não se incluem na contagem a página de título, tampouco as páginas dos resumos.

A Revista tem periodicidade quadrimestral, ou seja, publica três números por ano. Serão publicados doze artigos originais por volume, podendo ser incluídos relatos de experiência, resenhas e entrevistas, de autores (as) nacionais e estrangeiros. Cada volume terá, no mínimo, publicações de dois países, cinco estados brasileiros e oito instituições.

 

Cada autor (a) terá somente um artigo publicado por ano. O para a realização de uma nova submissão deve ser, no mínimo, de 1 ano depois do último submetido, se este último tiver sido publicado. O tempo médio de trâmite dos artigos submetidos é de 16 meses. A Revista Polis e Psique, no quadriênio 2013-2016, está classificada como B2, na área de avaliação da Psicologia. Para informações atualizadas sobre o Qualis do Periódico, sugere-se consultar a Plataforma Sucupira: https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/veiculoPublicacaoQualis/listaConsultaGeralPeriodicos.xhtml

 

Políticas de Seção

Editorial

Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Não verificado Avaliado pelos pares

Artigos

Insira aqui a política desta seção

Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares

Relato de Experiência

Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares

Resenhas

Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares

Entrevista

Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares

Conferência

Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares
 

Processo de Avaliação pelos Pares

Processo de Avaliação pelos Pares

 

Os textos recebidos eletronicamente que estiverem de acordo com as normas da Revista e que forem considerados como potencialmente publicáveis por Polis e Psique serão encaminhados pela Equipe Editorial para Editores (as) Associados (as), ou para avaliadores (as) ad hoc (double blind peer review). Os (as) Editores (as) Associados (as) farão o encaminhamento de trabalhos de suas áreas de especialidade a avaliadores ad hoc e Conselheiros.

 

Os (as) avaliadores (as) poderão recomendar aos (às) Editores (as) a aceitação sem modificações, aceitação com modificações obrigatórias, ou a rejeição do manuscrito. A identidade dos (as) avaliadores (as) não será informada aos (as) autores (as) dos manuscritos. Os (as) autores (as) terão acesso às cópias dos pareceres dos (as) avaliadores (as), que conterão as justificativas para a decisão do (a) avaliador (a). O texto encaminhado aos (às) avaliadores (as) não deverá conter identificação da autoria (como conta no item Diretrizes aos autores, caso haja qualquer tipo de identificação, o manuscrito será devolvido, arquivado e uma nova submissão deverá ser feita após adequação).

 

Após a primeira fase de avaliação, o manuscrito e os pareceres serão encaminhados aos (as) autores (as) que deverão realizar as modificações que considerarem adequadas ao seu trabalho. Após finalizar essa adequação, o artigo deve ser submetido no mesmo processo já iniciado pelos (as) autores (as) para que os procedimentos editoriais tenham sequência.

 

Os autores devem encaminhar, juntamente com o manuscrito, uma carta indicando todas as modificações realizadas no artigo, bem como uma justificativa fundamentada para as modificações sugeridas pelos (as) avaliadores (as) e não realizadas. Ademais, todas as alterações realizadas no manuscrito devem ser destacadas em letra de cor diferente da utilizada no restante do texto. Essas condições são obrigatórias para que a Equipe Editorial dê sequência no processo de editoração. Além disso, todas as alterações realizadas no texto devem estar em destacado verde para que os Editores possam identificá-las.

Disponibilizamos um link direto para o template da Carta de Reformulaçãohttps://drive.google.com/drive/folders/1kOsnZ_-qSnt410zvDufERKCVD3sVvOYv?usp=sharing 

 

As versões reformuladas serão apreciadas por Conselheiros Editoriais, que podem solicitar tantas mudanças quantas forem necessárias para a aceitação final do texto. A decisão final sobre a publicação de um artigo será sempre dos Editores. A identidade dos (as) autores (as) poderá ser informada ao Conselho Editorial.

 

Os (as) autores (as) poderão acompanhar todas as etapas do processo editorial via internet, conectando-se ao sistema SEER.

 

No último número de cada ano da Revista serão publicados os nomes dos (as) avaliadores (as) que realizaram a seleção dos artigos daquele ano, sem especificar quais textos foram analisados individualmente.

 

Antes de enviar os manuscritos para impressão, o Editor enviará uma prova gráfica para a revisão dos (as) autores (as). Esta revisão deverá ser feita em cinco dias úteis e devolvida à Revista. Caso os (as) autores (as) não devolvam indicando eventuais correções, o manuscrito será publicado conforme a prova.

Como consta nas Diretrizes aos (as) autores (as): todas as submissões devem ser acompanhadas dos documentos suplementares determinados no item.

 

Uma lista de agradecimento, informando os consultores ad hoc, será publicada anualmente. Aos membros do Conselho Editorial, após a apreciação reformulada, cabem as decisões finais sobre os manuscritos, inclusive quanto à necessidade de novas reformulações. Os (as) autores (as) serão informados (as) de todas as etapas. O Conselho Editorial reserva-se o direito de fazer pequenas modificações no texto dos autores para agilizar o processo editorial.

 

Arquivamento

Esta revista utiliza o sistema LOCKSS para criar um sistema de arquivo distribuído entre as bibliotecas participantes e permite às mesmas criar arquivos permanentes da revista para a preservação e restauração. Saiba mais...

 

POLIS e PSIQUE

A Revista Polis e Psique é uma revista on-line do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional da Universidade Federal do Rio Grande do Sul – PPGPSI/UFRGS.

 

Declaração sobre ética e boas práticas de publicação

Para publicar um manuscrito na Revista Polis e Psique é necessário estar de acordo com padrões de comportamento ético esperados por todas as partes envolvidas no ato de publicação: autores, editores da Revista e pareceristas. Esta declaração é baseada nas “Diretrizes de melhores práticas para editores de revistas” descritas pelo Committee on Publication Ethics (COPE). Ela detalha esses padrões para fins de publicação de textos na nossa Revista.

 

Deveres dos Editores

 

1. Decisões de publicação

 

Os (as) Editores-Chefes (as) da Revista Polis e Psique são responsáveis por decidir quais artigos submetidos à Revista devem ser rejeitados ou publicados, com ou sem solicitação de modificações. Os editores podem consultar o Conselho Editorial da Revista e considerarão requisitos legais, no que concerne aos assuntos como difamação, violação de direitos autorais e plágio.

 

2. Fair play

 

Os (as) Editores (as) devem assegurar que a avaliação dos manuscritos seja realizada pelo seu conteúdo intelectual, sem distinção de raça, sexo, orientação sexual, crenças religiosas, origem étnica, nacionalidade, ou filosofia política dos autores.

 

3. Confidencialidade

 

Os (as) Editores (as) devem assegurar que as informações sobre os manuscritos submetidos pelos autores sejam mantidas em sigilo.

 

4. Divulgação e conflitos de interesse

 

Materiais inéditos divulgados em um manuscrito submetido à Revista não devem ser utilizados em pesquisas próprias dos (as) Editores (as) sem o expresso consentimento por escrito dos autores.

 

Deveres dos pareceristas

 

1. Contribuição para as decisões editoriais

 

Os (as) pareceristas devem ajudar os (as) Editores (as) nas tomadas de decisões editoriais. Eles (as) podem também auxiliar os (as) autores (as) na melhoria dos manuscritos sugerindo modificações.

 

2. Pontualidade

 

Qualquer parecerista que se sinta impedido de analisar a pesquisa apresentada em um manuscrito deve notificar imediatamente os (as) Editores (as) e retirar-se do processo de revisão.

 

3. Confidencialidade

Os trabalhos recebidos para análise devem ser tratados pelos (as) pareceristas como documentos confidenciais. Eles não devem ser mostrados ou discutidos com outros (as), exceto se autorizado pelos (as) editores (as).

 

4. Padrões de objetividade

 

As revisões e os pareceres devem ser conduzidos e redigidos de forma objetiva. Os (as) pareceristas devem expressar suas opiniões de forma precisa, usando argumentos que apoiam a sua avaliação. Críticas pessoais aos (às) autores (as) são inadequadas.

 

5. Reconhecimento de fontes

 

Os (as) pareceristas devem apontar trabalhos relevantes publicados que não tenham sido citados pelos (as) autores (as). Os (as) pareceristas devem também chamar a atenção dos (as) Editores (as) para qualquer semelhança substancial ou sobreposição entre o manuscrito em questão e qualquer outro trabalho publicado de que tenha conhecimento pessoal.

 

6. Divulgação e conflito de interesses

 

Informações privilegiadas ou ideias obtidas através da leitura dos manuscritos devem ser mantidas em sigilo e não devem ser utilizadas para proveito pessoal dos (as) pareceristas. Os (as) pareceristas não devem considerar manuscritos em que tenham conflitos de interesse resultantes de concorrência, colaboração, ou outros relacionamentos ou ligações com qualquer um dos autores, empresas ou instituições ligadas aos manuscritos.

 

Deveres dos autores

 

1. Relato de normas e procedimentos

 

Os (as) autores (as) deverão apresentar um relato preciso do trabalho de pesquisa realizado, bem como uma análise objetiva de seu significado. Dados subjacentes devem ser apresentados com precisão no manuscrito. Um artigo deve conter detalhes e referências suficientes para permitir que outros possam replicar o trabalho. Declarações fraudulentas ou intencionalmente imprecisas constituem comportamento antiético e são inaceitáveis.

 

2. Acesso e retenção a dados

 

Os (as) autores (as) podem ser solicitados (as) a fornecer os dados brutos relacionados ao manuscrito submetido, com a finalidade de revisão editorial e devem guardar os dados por um período de cinco anos após a publicação.

 

3. Originalidade e plágio

 

Os (as) autores (as) devem garantir que escreveram manuscritos totalmente originais; se os (as) autores (as) usaram o trabalho e/ou palavras de outros, eles (as) devem garantir que eles sejam devidamente citados ou referenciados.

 

4. Publicação múltipla, redundante ou concorrente

Os (as) autores (as) não devem publicar os manuscritos que descrevem essencialmente a mesma pesquisa em mais de uma revista ou publicação primária. Adicionalmente, a submissão do mesmo manuscrito a mais de um periódico simultaneamente constitui comportamento antiético e é inaceitável.

 

5. Reconhecimento de fontes

 

O reconhecimento adequado do trabalho de outros (as) pesquisadores (as) deve ser sempre realizado. Os (as) autores (as) devem citar todas as publicações que tenham influenciado na determinação da natureza e dos resultados do trabalho relatado.

 

6. Autoria do artigo

 

A autoria deve ser limitada àqueles (as) que fizeram uma contribuição significativa para a concepção, execução ou interpretação do estudo relatado. Além do (a) autor (a) principal, todos (as) aqueles (as) que fizeram contribuições significativas devem ser listados (as) como coautores (as). O (a) autor (a) principal deve garantir também que todos (as) os (as) coautores (as) viram e aprovaram a versão final do documento e concordaram com a sua submissão para publicação.

 

7. Divulgação e conflitos de interesse

 

Todos (as) os (as) autores (as) devem revelar no manuscrito qualquer conflito de interesse financeiro, profissional ou de qualquer outra natureza substantiva que possa ser interpretado como fator influente nos resultados da pesquisa ou na interpretação dos resultados. Além disso, devem ser divulgadas todas as fontes de apoio financeiro para o projeto.

 

8. Erros fundamentais em trabalhos publicados

 

Quando um (a) autor (a) identifica um erro ou imprecisão significativa em seu próprio trabalho publicado, é de sua obrigação notificar imediatamente a Equipe Editorial da Revista e colaborar com eles (as) para retratar ou corrigir o artigo.

 

Missão da Revista Polis e Psique

Publicar produções que discutam os processos de subjetivação contemporâneos em uma dimensão ético-político-estética, colocando em análise práticas, discursos e instituições em articulação com o campo da Psicologia Social e Institucional.