Catástrofe, o tempo da ruptura: antes que seja o novo normal

Rosana Teresinha D'orio de Athayde Bohre, Amarildo Luiz Trevisan

Resumen


O trabalho propõe uma reflexão sobre o modelo atual de formação de professores, cujos critérios de qualidade elegem a produtividade e a práxis como fim, consentindo lacunas que colocam em segundo plano a experiência subjetiva e de alteridade do sujeito, mais especificamente os saberes emergidos nas vivências de catástrofes e que não se constituem como campos de construção do conhecimento contemporâneo. Estes aspectos ganham sentido de urgência, na medida em que constatamos uma tendência crescente na ocorrência dessas situações. Encontrando ressonância na Filosofia da Educação, debruçamo-nos nas obras de Adorno e dos filósofos Agamben, Mattei e Seligmann-Silva, cujas discussões ajudam a desvelar a barbárie ocorrida em Auschwitz, contribuindo com a meta de Adorno, para que horrores como esse, contra a humanidade, nunca mais se repitam. A trajetória partiu da experiência com a tragédia ocorrida na Boate Kiss, em Santa Maria (RS), que culminou na morte de duzentos e quarenta e três jovens, em sua maioria universitários, dentre os quais, cento e quatorze pertenciam à Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Reconhecendo que os professores dessa universidade são testemunhas e também memória dos impactos e sofrimentos gerados por ela, a escuta de suas vozes pode revelar uma possibilidade de construção de cultura que crie resistência à sua repetição.


Palabras clave


Educação; Auschwitz; Catástrofe; Resistência; Boate Kiss

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))


Copyright (c) 2017 Políticas Educativas

ISSN Electrónico: 1982-3207

Qualis/Capes: Educação B2

 

Periodicidad – Semestral

 

La recepción de artículos se caracteriza por su flujo continuo sin que sea posible preveer la fecha de su publicación.


This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International (CC BY-NC 4.0).